JUDITE E HOLOFERNES (Aula nº 66 B)

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

Michelangelo Merisi da Caravaggio (1571-1610) nasceu no calmo povoado de Caravaggio, próximo à cidade de Milão e cujo nome acabou por incorporar-se ao seu nome. Também existe a hipótese de que o pintor tenha nascido em Milão. Aos cinco anos de idade vivia em Milão — cidade ocupada pela Espanha — com seus pais. Além das tensões geradas pela ocupação estrangeira, a fome e a peste também se faziam presentes. Em razão da peste a família do futuro pintor retornou ao povoado de Caravaggio que também acabou sendo alcançado pela doença que ceifou a vida do pai, do avô e do tio do garoto. Sua mãe optou por permanecer ali com os filhos, distanciando-se do fanatismo religioso e da violência política que se espalhavam por Milão. O artista foi um dos grandes responsáveis pelo início do período barroco, tendo deixado uma grande contribuição para a arte da pintura. Hoje vamos estudar uma de suas obras mais famosas. Primeiramente é necessário acessar o link Caravaggio – JUDITE E HOLOFERNES e ler o texto com muita atenção, sempre voltando a esse quando se fizer necessário.

  1. Os antecessores de Caravaggio retrataram o tema que diz respeito a Judite e Holofernes no momento em que:

    1. Holofernes entraga-se a Judite.
    2. Judite mostra a cabeça decepada num prato.
    3. Holofernes é apunhalado por Judite.
    4. Judite foge da tenda do general.

  2. Caravaggio, um pintor extremamente realista, preferiu mostrar o ato em si, ou seja, o momento em que:

    1. Judite decepa a cabeça do general Holofernes.
    2. Judite foge correndo da tenda de Holofernes.
    3. Holofernes faz amor com Judite.
    4. Os soldados do general prendem Judite.

  3. Marque a alternativa incorreta, levando em conta informações do próprio pintor:

    1. Um ferreiro posou para Holofernes.
    2. Uma bailarina posou para Judite.
    3. Uma prostituta posou para Judite.
    4. Ele assistiu a muitas execuções públicas.

  4. A tela em estudo retrata a cena em que Judite, revoltada com as ameaças do general assírio Holofernes a seu povo, aproveita-se de seu estado de embriaguez para seduzi-lo e depois matá-lo.  Ela o executa:

    1. no campo de batalha
    2. na entrada da tenda
    3. diante de seus soldados
    4. dormindo em sua cama

  5. A heroína segura o general pelos cabelos e decepa-lhe a cabeça, entregando-a para a serva que a joga dentro de:

    1. um saco de provisões
    2. uma grande bacia
    3. uma velha arca
    4. um embornal com peixes.

  6. Caravaggio, ao pintar a cena, não seguiu fielmente a versão bíblica. Dela diverge, quando, no momento do crime traz ……………… para perto de Judite

    1. Holofernes
    2. a serva
    3. a espada
    4. o vigia

  7. As duas mulheres presentes na composição reforçam ……………. entre a força da juventude com as cicatrizes da velhice. A pele da heroína é sedosa e brilhante, a da serva é enrugada e opaca.

    1. a semelhança
    2. a analogia
    3. o contraste
    4. o paralelo

  8. Judite demonstra ……………. pelo modo como segura a espada e a cabeça de Holofernes e também …………. ao afastar seu corpo para trás, como se não quisesse se sujar com os respingos do sangue do tirano.

    1. indecisão / aversão
    2. firmeza / deleite
    3. dúvida / asco
    4. determinação / nojo

  9. A Judite de Caravaggio apresenta ao mesmo tempo:

    1. sensualidade, brutalidade e coragem
    2. passividade, brutalidade e coragem
    3. sensualidade, sensibilidade e coragem
    4. sensualidade, brutalidade e inquietude

  10.  Do nariz da jovem parte uma ruga que vai morrer no meio da testa, passando entre as sobrancelhas contraídas, demonstrando:

    1. dispersão e segurança
    2. concentração e sobressalto
    3. concentração e firmeza
    4. concentração e dúvida

  11. As alternativas abaixo acerca de Judite no momento do crime estão corretas, exceto:

    1. Seus olhos estão centrados no inimigo.
    2. Ela está ciente de que não pode cometer nenhum engano.
    3. O golpe é dado sem força na parte lateral do pescoço.
    4. Ela fica o mais próximo possível do corpo do inimigo.

  12. As afirmativas abaixo acerca do crime estão corretas, exceto:

    1. A maioria dos pintores representou Judite com a cabeça do tirano nas mãos.
    2. Caravaggio optou por não retratar o momento exato da decapitação do tirano.
    3. A espada já rompeu 2/3 do pescoço, embora a vítima ainda pareça estar viva.
    4. Esta composição de Caravaggio é cheia de realismo e crueza.

  13. As afirmativas abaixo acerca da composição estão corretas, exceto:

    1. A serva mostra-se mais próxima de Holofernes.
    2. Os personagens parecem emergir das sombras.
    3. O drama desenvolve-se num primeiro plano fechado.
    4. Uma cortina vermelha dá mais teatralidade à cena da execução.

  14. As alternativas abaixo dizem respeito a Holofernes, menos:

    1. Fachos de luz iluminam seus braços e a parte direita do rosto.
    2. O general agarra-se com desespero ao lençol ainda imaculado.
    3. Recebe o gesto sem força na parte lateral do pescoço.
    4. A vítima mostra olhos aterrorizados e sua boca aberta solta um grito.

  15. As alternativas abaixo dizem respeito à serva exceto:

    1. Atenta ao gestual de Judite não expressa horror ou comoção.
    2. Mostra aprovação, como se o ato fosse de vital importância.
    3. Nas suas mãos está o saco erguido, com a boca aberta.
    4. Os sinais de sua velhice assemelham-se à juventude de Judite.

Gabarito
1.c / 2.a / 3.b / 4.d / 5.a / 6.b / 7.c / 8.d / 9.a / 10.c / 11.d / 12.b / 13.a / 14.b / 15.d

Obs.: Veja também a maravilhosa obra desse mestre:

Caravaggio – O SEPULTAMENTO DE CRISTO

4 comentários em “JUDITE E HOLOFERNES (Aula nº 66 B)

  1. Marinalva Autor do post

    Lu
    Que pintor admirável! Judite e Holofernes é uma pintura de Caravaggio inspirada na Bíblia. O artista transmite a verdade, nua e crua, sem camuflagens , com muito realismo. O poder do jogo entre a sombra e a luz, com uma iluminação forte dos lados atravessa a cena por completo. A técnica do claro – escuro é usada pelo pintor com um toque de mestre. Ele captura o momento exato da decapitação de Holofernes. Caravaggio mostrou em suas obras que rejeitava as convenções e as tradições vigentes da época. Mostrou-se um artista inovador com as cores, criativo e verdadeiro. Um pintor extraordinário!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Marinalva

      Caravaggio é sem dúvida alguma um dos maiores mestres da pintura. Ele se situava muito além de seu tempo, tanto é que não se afinava com as convenções relativas à sua época. Ele continua sendo admirado até os dias de hoje.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Adevaldo R. de Souza

    Lu
    Mais uma bela obra de Caravaggio: Judite e Holofernes – tenebrosa. Como gosto da história, acrescento à sua bela narrativa: Esse tema aparece no velho testamento no livro de Judite, capítulo 13 (da Bíblia católica), e narra como a jovem viúva de Manasses, mata o capitão Holofermes que estava a serviço de Nabucodonosor.

    A obra surge no momento em que a Igreja Católica lutava em prol da Contra Reforma e contra a heresia da época. No sentido simbólico, Judite representa a “Virtude” prevalecendo sobre o “Mal”, associado à imagem dos protestantes na época. Um dos motivos pelos quais o livro foi retirado da Bíblia pelos protestantes, possivelmente pelo papel protagonista da mulher. Será uma obra feminista de Caravaggio?

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Adevaldo

      Seus complementos são sempre bem-vindos.

      A sua pergunta a respeito de ser uma obra feminista é muito interessante, pois a criação do quadro aconteceu numa época em que, mesmo após o Renascimento, a mulher era totalmente subalterna. Caravaggio em sua tela transforma uma mulher em heroína de seu povo e de seu tempo. Ainda que não tenha sido intencional, o destaque dado pelo artista a Judite torna o quadro especial para o feminismo.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *