O RISCO DAS CIRURGIAS NOS FINAIS DE SEMANA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Dr. Telmo Diniz

 per1(*)

Cirurgias x mortalidade

Que toda cirurgia tem seus riscos, todos sabemos. Tanto é que fazemos o chamado “risco cirúrgico” para minimizar os problemas inerentes às intervenções invasivas. O que me deixou intrigado foi uma recente pesquisa britânica dando conta de que as pessoas que se submeteram a cirurgias durante os finais de semana tiveram um índice muito maior de morte em comparação com quem fez a intervenção no meio da semana. Em outras palavras, a pessoa que passa por uma cirurgia no final de semana tem mais chance de morrer.

A pesquisa a qual me refiro é do Imperial College de Londres e foi divulgado na publicação especializada “British Medical Journal”, que levantou dados relativos a todas as cirurgias programadas, ou seja, àquelas que não eram feitas em situação de emergência ou urgência, realizadas pelo serviço público de saúde britânico, entre os anos de 2008 até 2011.

Os pesquisadores afirmam que o motivo de preocupação é a variação significativa durante a semana: o risco é mais baixo para cirurgias realizadas na segunda-feira e vai aumentando a cada dia, chegando ao máximo durante o fim de semana. O estudo aponta que as pessoas que fazem cirurgia na segunda-feira têm a menor chance de morrer e esse risco vai aumentado à medida que os dias vão se passando, ou seja, em termos percentuais. Na terça-feira, a chance de morte aumenta para 7% e depois para 15%, 21%,48% e 82% respectivamente de quarta-feira até chegar ao sábado e domingo. Trocando em miúdos, a chance de complicações e morte após cirurgias eletivas (àquelas previamente marcadas) quase que dobra entre o início e o final de semana.

Mas o que estaria por trás destes números? Os pesquisadores afirmam que os problemas com os procedimentos nos últimos dias da semana podem ocorrer devido “a cuidados pós-operatórios de má qualidade no fim de semana”. Sendo que as primeiras 48 horas depois de um procedimento cirúrgico são as mais críticas, quando as coisas podem dar errado, como sangramentos e infecções. Com um menor efetivo de funcionários, intercorrências podem passar despercebidas com complicações maiores e mortalidade maior. Os pesquisadores afirmam que o número menor de médicos, enfermeiros e funcionários em geral no sábado e domingo pode ser a causa do maior risco de mortes no fim de semana.

No Brasil, não temos estes números, mas uma boa parte dos hospitais têm suas rotinas bem diferentes do que é praticado em dias de semana e o que é praticado em finais de semana. Muito disso se deve ao fato de que, em finais de semana, o número de profissionais tende a ser menor, e em geral são pessoas menos experientes que trabalham nesses períodos. Alguns estudos prévios com condições como parada cardíaca, infarto agudo do miocárdio, insuficiência cardíaca e acidente vascular cerebral, mostram maior mortalidade quando a entrada do paciente se dá nos finais de semana. Pretendo, com o presente texto, chamar a atenção dos gestores hospitalares para a questão. A segurança de saúde das pessoas deve ser igual em qualquer dia da semana, pois doença não escolhe dia ou hora para ocorrer.

(*) Imagem copiada de letrasdobviw.blogspot.com

8 comentários sobre “O RISCO DAS CIRURGIAS NOS FINAIS DE SEMANA

  1. Patricia

    Ei Lu!

    Quem já foi aos hospitais no final de semana constata exatamente o que diz o texto. Isto é lastimável. Doença não escolhe dia nem horário. Então treinemos nosso sistema imunológico para baixar somente de segunda a sexta.
    rsrsrsrsr.

    Bjos.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Pat

      Achei super interessante o alerta que o Dr. Telmo faz neste texto.
      É lamentável a visão de hospitais públicos e privados, em relação aos finais de semana.
      Todo mundo tem medo de adoecer nos finais de semana e feriados.
      Que horror!

      Beijos,

      Lu

      Responder
  2. Matê

    Fim de semana no hospital?
    Só se for para visitar um paciente já em fase de
    recuperação…
    Abraços
    Matê.

    Responder
  3. LuDiasBH Autor do post

    Dr. Telmo

    Agora não faço uma cirurgia no final de semana nem que a vaca tussa.
    A menos que seja imprescindível.

    Cadê meu calendário?

    Abraços,

    Lu

    Responder
  4. Tereza, apelido Tetê

    Não tenho a menor dúvida sobre isso…Fins de semana, feriados, vésperas de festas comemorativas, período de férias…os médicos mais competentes, por isso menos, com mais dinheiro, estão com a atenção voltada para seu bel prazer, de sua família e amigos. Triste realidade…

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Tetê

      Você completou muito bem.
      Não se trata apenas dos finais de semana, mas dos períodos citados no seu comentário.
      Tais médicos são substituídos pelos residentes.
      E o povo que se dane.
      Não há compromisso com a saúde do povo.

      Ao levantar esta questão, podemos ter uma prova do caráter do Dr. Telmo.
      Ele ignora o corporativismo, para denunciar um comportamento altamente nocivo.
      Mais uma vez, tiro o meu chapéu para ele.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  5. Cristine Martin

    Olá Lu e Dr Telmo,

    essas estatísticas são assustadoras, e esperamos que os dados referentes ao Brasil sejam menos alarmantes. Como os médicos e enfermeiros trabalham em regime 12X36, acredito que isso minimize um pouco o problema, mas o que podemos perceber é que a grande causa dessas complicações pós-cirurgia são os erros humanos, causados pelo cansaço e o despreparo. E algumas pessoas podem se sentir ressentidas em trabalhar durante o fim de semana e não se dedicar como deveriam. Compreendemos as falhas naturais do ser humano, mas quando há vidas em jogo isso não pode nem deve ser desculpa.

    Grande abraço!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Cris

      É uma verdade incontestável que os hospitais não trabalham com a equipe completa nos finais de semana.
      Os médicos responsáveis pelas especialidades são substituídos por residentes.
      Quem quiser poderá comprovar isso, bastando ir aos hospitais no sábado e domingo.
      A começar pelos hospitais geridos pelo governo, Previdência, por exemplo, que deveriam dar o bom exemplo.
      É como se doença tivesse dia e hora para acontecer.
      Inclusive, quando se trata de partos, eles são adiantados, para que não ocorram no final de semana, sendo uma das causas do excesso de cesariana no Brasil.

      Beijos,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *