Poussin – A ASSUNÇÃO DA VIRGEM
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

A composição A Assunção da Virgem é uma obra-prima do pintor francês Nicolas Poussin. Nela o artista narra a subida da Virgem aos céus, tema que foi muito popular, especialmente na época do Renascimento. Trata-se de uma pintura de sua fase veneziana, quando ele esteve na Itália, tendo se estabelecido em Roma, onde passou a maior parte de sua carreira. Existem diversas versões autênticas deste maravilhosos quadro barroco.

A Virgem Maria, apresentada de perfil, está sendo alçada aos céus por uma legião de pequenos anjos nus, em meio a inúmeras nuvens douradas. Ela usa um vestido vermelho e traz sobre o mesmo um grande manto azul que se avoluma, enquanto sobe aos céus em visível estado de êxtase. À sua direita e à esquerda levantam-se duas colunas clássicas douradas e estriadas, cujas extremidades superiores escondem-se em meio às nuvens, passando a impressão de atingirem o céu azulado com suas nuvens de ouro.

Um enorme sarcófago encontra-se na base da composição, em primeiro plano, num piso coberto por flores brancas que simbolizam a pureza da Virgem Maria, mãe de Jesus Cristo. Dele desce uma mortalha branca – elemento mais barroco da pintura e ponto importante da narrativa, – pois faz uma alusão ao fato de que a Virgem ali se encontrava, antes de sua assunção, ou seja, antes da subida de seu corpo e alma ao Céu. Três anjos jogam flores brancas dentro do sarcófago aberto.

Ficha técnica
Ano: c.1626

Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 134,4 x 98 cm
Localização: Galeria Nacional de Art, Washington, EUA

Fonte de pesquisa:
Enciclopédia dos Museus/ Mirador

SÍND. DO PÂNICO – ACEITANDO O DIAGNÓSTICO
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

Normalmente ao sentir uma crise de pânico, a pessoa corre para o hospital, sem saber o que está lhe acontecendo. Imagina se tratar de um problema cardíaco ou AVC por conta da somatização, pois todos os sintomas têm somente um caráter emocional. Submete-se a inúmeros exames, obtendo resultados negativos. Aconselhada a buscar um psiquiatra, reluta em procurá-lo, como se negasse o fato de ser portadora de um transtorno mental, pois, em sua ignorância, psiquiatra é para “doido”. O que irão pensar sua família, seus amigos e colegas de trabalho?, questiona-se. Ela protela a ida ao especialista o máximo que pode, até que as aterradoras crises de pânico, cada vez mais frequentes, dão o xeque-mate.

Ao receber o diagnóstico de que é portadora da Síndrome do Pânico e em razão do desconhecimento sobre os transtornos mentais – mas sabedora do estigma que ainda os envolve – a pessoa monta um verdadeiro teatro para esconder sua doença dos que lhe são próximos, quando seria muito mais positivo se contasse a verdade, pois poderia, assim, contar com a ajuda de todos que a rodeiam. Encobrir a doença só traz grande preocupação àqueles que assistem uma crise pela primeira vez, não sabendo do que se trata e, portanto, como agir.

Um antidepressivo é imediatamente prescrito e algumas vezes um ansiolítico para ajudar na fase inicial do tratamento, já no primeiro contato com o psiquiatra, após uma análise clínica, levando em conta o Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V). Em alguns casos é também indicado um acompanhamento psicoterápico. Mesmo nessa etapa, já com o remédio em mãos, alguns doentes criam mil e um obstáculos para iniciar o tratamento: “Eu não sou louco! Antidepressivos viciam! O que tenho é somente estresse! Se eu começar a tomar ‘este’ remédio, nunca mais vou parar! Minha igreja diz que quem cura é Deus! Isso vai me transformar numa outra pessoa!” , e por aí vai, ampliando ainda mais seu sofrimento.

Aceitar o diagnóstico é o passo mais importante para o tratamento. O segundo – não menos importante – é seguir as prescrições médicas, pois quanto maior for a demora em fazer uso do medicamento e da terapia (quando indicada), mais severas vão se tornando as crises, sendo os espaçamentos entre elas cada vez menores. No início são comuns os efeitos adversos que deverão ser relatados ao especialista. Esse irão passando à medida que o organismo for se adaptando à nova substância. Em hipótese alguma o tratamento pode ser abandonado por conta própria. Somente o especialista poderá fazer mudanças, quando necessárias.

Algumas dicas poderão ajudar a pessoa a conviver com as crises que poderão persistir na fase inicial do tratamento: 1- Lembrar-se de que tudo o que está acontecendo é passageiro. 2- Ao sentir o medo chegando, desviar a atenção para algo bom (ouvir uma música, conversar com alguém, brincar com o bichinho de estimação, etc.). 3- Pensar positivamente, lembrando-se sempre de que o medo não é real. 4- Lembrar-se de que as pessoas otimistas obtêm resultados positivos mais rapidamente. 5- Viver apenas um dia de cada vez.

Obs.: veja na internet:

  1. Teste para Ansiedade e Síndrome do Pânico
  2. (http://psycentral.com/quizzes/axienty.htm)
  3. Escala HAD – Avaliação do Nível de Ansiedade e Depressão (http://www.fmb.unesp.br/Home/Departamentos/Neurologia,PsicologiaePsiquiatria/ViverBem/had_com_escore.pdf)

Nota: Passadeiras, obra de Degas.

Fonte de Pesquisa
Revista Guia Minha Saúde/ Edição Especial

A CALMA DE QUEM SE SENTE FORTE
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria do Prof. Hermógenes

O Professor Hermógenes, um dos precursores da ioga no Brasil, escreveu mais de 30 livros sobre a saúde física e mental.  Neste texto retirado de seu livro “Yoga para Nervosos”*, ele nos ensina sobre a importância do contentamento.

A palavra Santosha quer dizer contentamento. Ela cura impotência, úlceras, insônia, hipertensão, prisão de ventre, asma. . . enfim, toda doença originária do nervosismo, da insatisfação, da ansiedade e da apreensão. Contentar-se é acomodar-se com o que se tem, inclusive mesmo uma úlcera, a qual, todos já sabem, agrava-se com a tensão psicossomática. Se o doente, conversar com ela e disser-lhe: “até ontem pudeste amedrontar-me, manter-me em estado de alarma ou sofrimento, mas hoje, está bem, eu a aceito, não significa grande coisa para mim”, ela infalivelmente vai melhorar.

Esta atitude psíquica alivia a tensão. A estratégia para vencer a coisa (crise de pânico) é também esta. Contentar-se até mesmo com a situação da carência, falência, queda, crise… é estratégia para libertar-se de tudo isto. Usar santosha vale por assinar um tratado de paz e, portanto, desmoralizar o “inimigo”. Contentamento é desafogo, pois liberta-nos da ânsia de obter cura ou triunfar. Veja bem: não é capitulação de covarde. É a calma de quem se sente forte.

Se, para vencer uma carência, o contentamento é valioso, para a manutenção de um estado de razoável tranquilidade o é ainda mais. Aliás, não haverá paz enquanto cobiçarmos algo, mesmo que seja a própria paz. Não alcança o céu quem por ele se consome de ansiedade. Uma forma de cair no inferno é tornar-se ansioso por ganhar o céu. Há um querer sereno, sem luta, sem tensões que abre a porta da vitória. Aprenda isto. Não há riqueza maior do que o sentimento de ter bastante, de contentar-se com o que se é, bem como com o que ainda não se é, ou ainda não se conseguiu ser. Tenho sabido de muita gente que perdeu a saúde exatamente pela ânsia de ser sadio e forte. Tenho conhecido quem se perdeu vencido exatamente pela luta por fazer-se santo e perfeito.

Estar contente, embora tendo mazelas, é o caminho certo para delas se libertar. Não se perturbe com as inferioridades que descobrir a seu respeito. Não permita que defeitos, sintomas e carências façam de você um ansioso ou um abatido. Lembre-se de nossa conversa sobre os “normais” e a normalidade em nível baixo. Ser “normal” não é ser perfeito. A vontade de ter o último modelo de carro ou de usar as roupas mais em moda, ou de ver o nome nas colunas sociais tem criado muitos problemas de nervosismo. Se a pessoa tem meios materiais para alcançar o objeto de seus desejos seria de esperar que se desse por satisfeita depois de atendê-los. E por que, ainda assim, surpreende-se terrivelmente infeliz e decepcionada?

Não é satisfazer a insatisfação o que nos faz felizes. O não ter a insatisfação, sim. Se você não descobrir um meio de sentir-se satisfeito com o que você faz, com seu trabalho, por exemplo, continuará irremediavelmente infeliz neste aspecto da vida. Nunca haverá tranquilidade para o comandante do navio que, a custo, suporta seu posto, enquanto almeja estar num hospital operando enfermos. É infeliz por não ser médico. É infeliz por ser um navegante frustrado. . .

Um advogado muito bem colocado chegou a tal ponto de ojeriza pelo escritório que, quando me procurou, estava há quase um mês sem voltar lá. O ambiente e a função davam-lhe náuseas, tonteira, angústia. . . Não procurei saber se o que desejava era ser banqueiro ou barqueiro, peão ou militar, mas vi que, sem dúvida, gostaria de ser outra coisa. Felizmente, no dia seguinte voltou sorrindo: tinha assinado um tratado de paz com a função. Estava contente. Seus sintomas haviam passado.

Qualquer que seja sua atual profissão, embora com seus mil defeitos, se você quiser, descobrirá que tem mil atrativos. A profissão que você desejaria ter, esteja certo, além dos mil encantos que você vê, oculta mil desvantagens que você não quer ver. Nenhuma profissão deixa de ser útil a milhares de milhões de seres humanos. Seja eficiente em sua profissão, desempenhando-a a serviço de Deus e dos homens. Mas, se o caso for de absoluta inadequação e você estiver sendo negociante por erro, ou necessidade, quando realmente nasceu para a arte, procure trocar, mas, por favor, faça-o sem ansiedade, sem aflição, sem precipitação.

Não confunda satisfação com covardia. Não confunda santosha com o conformismo dos fracos nem com a indiferença dos tolos. Se tal confusão todos fizessem, a civilização pararia e impossível seria o progresso. Satisfação não é contrária ao querer firme, constante e sereno dos sábios, mas é antítese da apressada, febril, rajásica, traumática, tensa e ansiosa caça ao sucesso em qualquer de seus aspectos. Não é bom negócio conquistar poderes, posses e posições e, em troca, perder a saúde e a paz.

*O livro “Yoga para Nervosos” encontra-se em PDF.

Nota: Gato Azul, Aldemir Martins

Claude Lorrain – PARNASO
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

O pintor francês Claude Lorrain (1600 – 1682), cujo nome legítimo era Claude Gellée, tornou-se conhecido como “Le Lorrain”, nome relacionado com a região em que nascera. Ao mudar-se para Roma, o artista teve como mestre o pintor de arquitetura Agostino Tassi, vindo ele posteriormente a estudar com Gottfried Sals, pintor de arquitetura e paisagens, quando se encontrava em Nápoles.  Acabou se tornando um dos famosos paisagistas de Roma, tendo se inspirado, inicialmente, nas paisagens idealizadas de Annibale Carraci e na dos pintores holandeses que residiam naquela cidade. Embora seu estilo fosse lírico e romântico, acabou, mais tarde, aproximando-se de Nicolas Poussin.

A composição intitulada Parnaso ou Apolo e as Musas e também Apolo e as Musas no Monte Hélicon é obra do artista e demonstra sua capacidade de dar à paisagem a grandeza da forma e a do espaço, sempre preocupado com a harmonia do conjunto. Esta paisagem caracteriza-se por sua beleza poética.

As Nove Musas, deusas das artes criativas, estão reunidas no bosque sagrado, na vertente do Monte Hélicon em torno de Apolo, deus da poesia e da música. Acima, à direita, está Pégaso, o cavalo alado que simboliza a imortalidade. Logo abaixo do local onde se encontram Apolo e as Musas está a fonte Hipocrene que, segundo a mitologia, era uma fonte de água doce consagrada a Apolo e às musas, tendo nascido de uma pedra onde Pégaso dera uma patada. Ali nadam sete graciosos cisnes. A fonte servia de inspiração para os poetas, pois, segundo diziam, quem bebia daquelas águas ficava em sintonia com as Musas.

Os nomes das nove Musas do Olimpo da mitologia grega, filhas de Zeus e Mnemose (a Memória) são: Calíope, Clio, Érato, Euterpe Melpômene, Polímnia, Terpsícore, Talia e Urânia. Com o passar do tempo elas se tornaram imagens ligadas às artes. As musas viviam em um templo que se chamava Museion,  termo que deu origem à palavra Museu.

Árvores luxuriantes embelezam o local. Acima do grupo está o templo jônico com sua arquitetura belíssima. Ao fundo, em segundo plano, veem-se o mar e as colinas. Um luz envolvente unifica todos os elementos da pintura.

Ficha técnica
Ano: 1680
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 98 x 135 cm
Localização: Museu de Arte, Boston, EUA

Fontes de pesquisa
Enciclopédia dos Museus/ Mirador

CONHECENDO A SÍNDROME DO PÂNICO
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

Somente quem vivenciou uma crise de pânico tem real noção da força dessa turbulência que surge do nada, quando menos se espera, trazendo sensações físicas amedrontadoras, como taquicardia, falta de ar, náuseas e, para piorar, a sensação de que se está sendo vítima de um ataque cardíaco. O medo de morrer aumenta ainda mais a ansiedade, deixando a vítima desesperada e ainda mais vulnerável. O fato é que os sintomas físicos – advindos de tal transtorno – são similares aos proporcionados por doenças cardíacas, neurológicas e respiratórias, o que faz com que, antes de ser diagnosticada com SP (Síndrome do Pânico), a pessoa tenha que passar por uma bateria de exames, adiando ainda mais o necessário tratamento. Enquanto isso, ela vive momentos de intenso desespero, imaginando estar com uma doença gravíssima.

As crises de pânico são tão brabas que a vítima passa a relacioná-las com situações, lugares e pessoas, buscando levar uma vida cada vez mais reclusa, amedrontada com a possibilidade de ter uma crise na rua ou em contato com pessoas que não sejam as de sua família. O seu lar passa a ser um abrigo, onde ela imagina encontrar-se a salvo. Contudo, apesar desse pavor, não existe um perigo real. Trata-se de um dos transtornos mentais mais comuns em todo o mundo, tendo como gatilho a ansiedade e o estresse. Segundo o Ministério do Desenvolvimento Social, as doenças psíquicas, dentre elas a Síndrome do Pânico, são hoje a quarta maior causa de licença no trabalho.

A SP (Síndrome do Pânico) atinge tanto mulheres quanto homens, sendo as primeiras em maior número (duas vezes mais). Atualmente, a agilidade de um diagnóstico correto que direciona a um tratamento específico tem sido bem mais animadora, pois há casos de pessoas que levaram muitos anos para serem diagnosticadas como portadoras de tal doença. Contudo, ainda é grande o número daquelas que escondem a sua condição de vítimas de tal transtorno ou que recusam a procura por ajuda médica, o que é uma pena, pois a Ciência caminha a passos largos na busca pela cura deste transtorno, possibilitando, através dos antidepressivos e psicoterapias, melhor qualidade de vida a seus portadores.

É bom que se saiba que uma crise de SP não apresenta todas as sensações de uma vez, tais como: aperto ou dor no peito, falta de ar, formigamentos, náuseas, ondas de calor, taquicardia, tremores, sensação de desmaio, sudorese, sensação de sufocamento, etc. Contudo, o medo de morrer ou o de enlouquecer está quase sempre presente. A agorafobia (medo doentio de encontrar-se em/ou atravessar grandes espaços abertos ou lugares públicos) ou a claustrofobia (medo patológico de permanecer em lugares fechados) são uma constante na vida de uma pessoa acometida por tal síndrome, quando não busca ajuda médica. Sua vida vai ficando cada vez mais limitada, pois ela teme se encontrar em situações das quais não possa se livrar facilmente (parques, praças, estradas, túneis, cinema, elevadores, aviões, etc.).

É fato que a vida atribulada de nossos dias em que a presença do estresse e da ansiedade – poderosos gatilhos para desencadear uma crise de pânico – é uma constante, faz com que um número cada vez maior de pessoas esteja sendo diagnosticado com SP. Contudo, essa senhora nada desejável traz em sua bagagem um bom número de séculos. Embora com outros nomes (histeria, hipocondria, delírios decorrentes de angústia e depressão ou loucura) suas pegadas já são vistas lá na Idade Média, conforme ilustra a literatura médica. Foi a partir de 1960 – ainda bem recente – que as pesquisas médicas passaram a diferir os ataques de ansiedade de outros tipos de doenças e, somente em 1980, aconteceu a classificação diagnóstica oficial de tal transtorno que – assim como as fobias – faz parte dos transtornos de ansiedade.

Nota: Relógio Derretido, obra de Salvador Dalí.

Fonte de Pesquisa
Revista Guia Minha Saúde/ Edição Especial

NÃO SE DEIXE FERIR!
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria do Prof. Hermógenes

O Professor Hermógenes, um dos precursores da ioga no Brasil, escreveu mais de 30 livros sobre a saúde física e mental.  Neste texto retirado de seu livro “Yoga para Nervosos”*, ele nos fala sobre a necessidade de não ferir e não ser ferido.

Evite ser agressivo ou violento. Aprenda a não reação. Gandhi, para conquistar a liberdade da Índia, usou a mais poderosa de todas as armas contra o Império Britânico: a mansidão. Ele acreditou em Jesus que no “Sermão da Montanha” prometeu que os pacíficos herdariam a terra.

Da próxima vez, quando você tiver ímpeto de ferir, seja com gesto, seja com palavras, olhares de ira, com desejos de prejudicar alguém (um empregado, um desconhecido, um parente), procure lembrar-se de que ele é uma expressão de Deus e, assim, nem com pensamento, nem com olhar, nem com palavras, nem com os nervos você o ofenderá.

Mais eficiente do que evitar agredir é, no entanto, passar à atitude de benevolência, isto é, querer bem a todos. Transforme-se em estação emissora de vibrações benevolentes, assim não terá que reprimir nada e não terá que sufocar emoções. Se o ahimsa (não reação) em relação aos outros lhes traz tanto bem, em relação a você mesmo chega a tornar-se condição indispensável à libertação.

Se você é benevolente para com os outros, porque há de ser demasiado severo em relação a si mesmo?! Use ahimsa (não reação) para quando se reconhecer fraco e imperfeito. Digamos que você quer deixar o álcool e não consegue, apesar dos grandes esforços que tem feito. Pois bem, não seja drástico. Principalmente não diga coisas negativas de si mesmo a si mesmo. Não se agrida. Isto complica tudo, pois é autossugestão negativa. Diante de suas capitulações ou quedas, use ahimsa. Relaxe. Você vai deixar de beber, mas sem violência. “Deixe cair a casca da ferida.” Não cometa a imprudência de arrancá-la à força.

 O que foi dito em relação ao alcoolismo é válido em relação a uma recidiva da “coisa” (crise do pânico), aos comportamentos compulsivos, obsessivos, irracionais e tudo quanto você chamaria de debilidades. Tenha ahimsa para si até mesmo quando não conseguir ter ahimsa para alguém que o ofendeu, quando não puder reprimir ou frustrar um revide à agressão sofrida. Mantenha os olhos no objetivo que quer alcançar. Mesmo que pareça difícil agora, com paciência você conquistará a não reação.

 Outra coisa muito importante. Aprenda a ser benevolente para si mesmo, mas defenda-se de cair no exagero de autocomplacência e autojustificação. Ahimsa significa não morder, não impede, no entanto, que se mostre os dentes. Jesus, que se deixou mansamente pregar na cruz, quando se encontrava no templo, numa demonstração de ira santa, virou as mesas dos imorais. O yoguin sabe que a ira é uma das emoções mais destruidoras e, por isto, evite-a, mas aprende a irar-se estrategicamente, isto é, por fora, conservando ahimsa, por dentro.

Dose ahimsa. Seja enérgico quando necessário e na medida necessária. Para chegar a não ferir ninguém aprenda a não se deixar ferir por ninguém. Suba a montanha até não ser alcançado pelas pedradas das crianças e pauladas dos tolos. Um ahimsa ilimitado também é imprudente. Não ofender é uma coisa. Não se defender da agressão é outra. Ramakrishna lembra que “a ira no sábio dura tanto como um risco que se faz na água”.

*O livro “Yoga para Nervosos” encontra-se em PDF.

Nota: imagem copiada de Blogs e Colunas – O Povo Online