CARL SAGAN – VISÕES VERDADEIRAS X VISÕES FALSAS (X)
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Lu Dias Carvalho

A mente crédula experimenta um grande prazer em acreditar em coisas estranhas, e quanto mais estranhas forem, mais facilmente serão aceitas, mas nunca leva em consideração as coisas simples e plausíveis, pois todo mundo pode acreditar nelas. (Samuel Butler)

Apesar de a humanidade já ter adentrado no século XXI, pessoas há em que a imaginação foge aos parâmetros da normalidade, sendo capazes de expulsar qualquer laivo de razão, para acreditar em qualquer lorota. Indivíduos, assim, vivem à margem da realidade, num universo paralelo. Qualquer mentira é capaz de sugestioná-los, levá-los a acreditar naquilo piamente. Não é à toa que as “fakes news”, como ervas-daninhas, expandem-se cada vez mais nos nossos tempos.

A fim de diferir visões verdadeiras de visões falsas é preciso iniciar o raciocínio, sempre partindo do pensamento cético, livre de quaisquer credulidades. Somente assim será possível chegar a um argumento racional, livrando-se de uma argumentação falaciosa ou fraudulenta, baseada no que se lê ou ouve. É preciso muito cuidado na conduta, pois nós temos a propensão de acreditar muito facilmente nas coisas absurdas,  sem fazer qualquer questionamento, o que pode nos levar a um caminho totalmente enganoso, passando por vaquinhas de presépio. É preciso muita atenção, principalmente no campo político e religioso, onde a mentira, o engodo, a trama e a falácia imperam. Antes de aceitar qualquer expressão como verdadeira, devemos colocar o nosso raciocínio para funcionar e fazer pesquisas através da mídia séria.

Transcrevo abaixo o pensamento de alguns grandes nomes da história sobre o tema:

“O homem acredita mais facilmente no que gostaria que fosse verdade. Assim, ele rejeita coisas difíceis pela impaciência de pesquisar; coisas sensatas, porque diminuem a esperança; as coisas mais profundas da natureza, por superstição; a luz da experiência, por arrogância e orgulho; coisas que são comumente aceitas, por deferência à opinião do vulgo. Em suma, inúmeras são as maneiras, e às vezes imperceptíveis, pelas quais os afetos colorem e contaminam o entendimento.” (Francis Bacon)

“É melhor a verdade dura do que a fantasia consoladora, pois no cômputo final, revela-se frequentemente que os fatos são mais consoladores que a fantasia. […] A cultura comercial está cheia de informações errôneas e subterfúgios à custa do consumidor”. (Carl Edward Sagan)

“A descrença não consiste em acreditar, nem em desacreditar; consiste em professar que se crê naquilo que não se crê. É impossível calcular o dano moral, se é que podemos chamá-lo assim, que a mentira mental tem causado à sociedade. Quando o homem corrompeu e prostituiu de tal modo a castidade de sua mente, a ponto de empenhar a sua crença profissional em coisas em que não acredita, ele está preparado para a execução de qualquer outro crime. […] O fato de nos acostumarmos com mentiras cria o fundamento para muitos outros males.” (Thomas Paine)

Ilustração: O Charlatão, c. 1502, obra de Bosch

Fonte de pesquisa
O mundo assombrado pelos demônios/ Companhia de Bolso

Indicação: Site “Além da Fé” no You Tube.

Perugino – APOLO E MÁRSIAS
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Lu Dias Carvalho

O pintor italiano Pietro Perugino (c.1448-1523) é tido como um dos mais renomados mestres da Escola da Úmbria e um precursor do Alto Renascimento. Fez parte da guilda de pintores de Florença, podendo ter sido aluno de Andrea Verrochio e Piero della Francesca. É dono de um colorido suave e de composições equilibradas. Foi professor do maravilhoso Rafael Sanzio. A pintura acima foi atribuída a ele.

A composição denominada Apolo e Mársias, também conhecida como Apolo e Dafne, é uma obra do artista, baseada na mitologia grega. Conta a lenda que a deusa Minerva inventou a flauta e pôs-se a tocá-la, mas Cupido ficou rindo dela por causa de suas bochechas infladas. Aborrecida, ela acabou jogando seu instrumento fora, mas esse foi encontrado pelo sátiro Mársias, que se pôs a tocá-la maravilhosamente. Embevecido com o próprio dom, o flautista teve a audácia de desafiar o deus Apolo para uma competição musical. No trato o vencedor teria direito a dar uma punição ao perdedor. Ao vencê-la, Apolo ata o sátiro a uma árvore e esfola-o como castigo. Segundo a lenda, do sangue do perdedor nasce o rio Mársias, situado na Frígia.

O artista retrata o momento em que os dois competidores encontram-se em ação. Eles estão em primeiro plano, nus, de frente para o observador.  Mársias está sentado, à esquerda, tocando sua flauta, com os olhos voltados para ela, em total concentração. Apolo encontra-se de pé, à esquerda, segurando um bastão com a mão esquerda, enquanto a outra se encontra na cintura. À sua direita está sua lira, pendurada num tronco. Sua cabeça está voltada para o rival. Ao fundo desenrola-se uma paisagem com edificações, lago, árvores e montanhas.

Ficha técnica
Ano: c. 1495
Técnica: óleo sobre madeira
Dimensões: 39 x 29 cm
Localização: Museu do Louvre, Paris, França

Fontes de pesquisa
Enciclopédia dos Museus/ Mirador
1000 obras-primas da pintura europeia/ Könemann
http://www.wga.hu/html_m/p/perugino/z_other/apollo_m.html
https:// Apollo_and_Marsyas_-_Pietro_Perugino_-_Louvre_RF_370

BIPOLARIDADE – ATÉ ONDE É POSSÍVEL SER COMPANHEIRO(A)?
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Rodrigo Morais

Conviver com a minha companheira tem sido muito difícil para mim.  Ela tem TAB (Transtorno Afetivo Bipolar) e depressão. Estamos tentando tratamento já faz algum tempo. Temos uma filha e tenho receio de que, à medida que ela cresça, esses problemas se tornem mais aparentes e a influenciem da mesma forma que aconteceu com a minha companheira que viveu uma relação familiar bastante disfuncional, pois seu pai também tinha TAB e depressão e, na idade avançada, desenvolveu Alzheimer. Era desequilibrado e agressivo com a mãe e a filha.

Antes de qualquer coisa, não quero me colocar como “o certo” da história, porque também tenho os meus desafios e pontos a melhorar. Passei a ler, a me informar, e a integrar grupos de apoio sobre TAB. Sei que muitas coisas não são escolhas da pessoa com transtornos mentais, e sim, impostas por sua própria condição. Entre namoro e união estável nós estamos juntos há cinco anos. Ela possui dificuldade (ou talvez seja impossibilidade) de fazer autocrítica, de admitir suas falhas ou erros, de se desculpar e de agradecer.

Descobrimos a gravidez quando tínhamos terminado o namoro, numa dessas suas fases de fantasia/idealismo. Ela estava flertando com a ideia de ter um relacionamento aberto – o que eu não critico no aspecto moral, embora não seja o que busco para mim. Acho bem delicado que alguém que tem dificuldades em lidar consigo mesma ou com uma segunda pessoa possa se estabilizar num tipo de relacionamento muito mais complexo. Após um processo delicado de conversas e entendimentos, combinamos que ela viria morar comigo (ela morava com os pais e fazia alguns bicos na sua área de atuação). Iríamos nos esforçar, reatar o relacionamento e criar a nossa filha juntos. Estabelecemos uma união estável.

Minha companheira desejava um parto natural. Fui atrás, fiz tudo o que era necessário, acompanhei todas as idas ao médico, montamos um quarto lindo para nossa filha, arquei com psiquiatra, terapias, agrados… Trabalhei duro durante os nove meses da gravidez para que absolutamente nada lhe faltasse. Hoje nossa filha tem um ano e meio, é linda e saudável. Minha mulher ficou esse período todo em casa cuidando da nenê, amamentando… Combinamos que ela cuidaria disso por agora e eu trabalharia fora durante essa primeira etapa. Financeiramente eu arco com tudo, cubro todas as despesas.  Não nos falta nada, moramos num ótimo lugar.

A família de minha mulher tem um histórico de não saber lidar com dinheiro. O pai era inconstante, ganhava bem, mas afundou a família em dívidas e a mãe não tem controle de gastos. Minha esposa tem questões não resolvidas em relação ao trabalho. Costuma entrar em devaneios, dizendo que deveria ganhar bem para cuidar da filha, ora me crítica porque tenho independência financeira e ela não, sendo que toda a minha vida profissional foi construída antes de conhecê-la. Ela exige bastante de mim. Nunca teve bons exemplos de relacionamento entre os pais e da gestão financeira de um lar. Vive em conflito comigo e credita tudo ao “machismo”. Sei que vivemos num mundo machista e isso requer algumas desconstruções, mas não importa o que eu faça para mudar, ela diz que não é suficiente.

No que diz respeito ao nosso relacionamento, ela se esquece de muitas coisas, e cria outras completamente diferentes. Por diversas vezes, no seu nervosismo, fala ou faz algo e depois nega, até o ponto de ironizar, dizendo que eu que preciso de tratamento, que estou inventando coisas. Para os outros (vizinhos, parentes) coloca-se como uma pessoa razoável e controlada, mas dentro de casa vive no limite, ofende-se e se irrita por qualquer coisa.

Vida sexual praticamente não temos, raramente percebo algum interesse. Ela já chegou a admitir que tem baixa libido. Não era assim no namoro. Eu compreendo que os remédios controlados têm efeitos colaterais, mas passam semanas e nada de intimidade, zero iniciativa por parte dela. E em todos esses pontos ela busca comparações, equivalências distorcidas para sustentar a ideia de que o comportamento dela é normal… Ela vai atrás de casos de exceções para citar como exemplos e dizer “olha, fulana, sicrana também é assim”. E desse jeito vai tentando ajustar o mundo e as coisas numa leitura distorcida para não ser confrontada.

Minha vida profissional já está sendo afetada. Coordeno uma equipe e preciso me motivar, para motivar os outros. Ultimamente está bem difícil, pois chego em casa e não carrego minhas baterias, pois as discussões por motivos banais sugam minha energia… É como se eu tivesse de ser forte o tempo inteiro, porque ela nunca tem condição de “segurar a onda” num dia ruim.

Iniciamos uma terapia de casal, mas bastou a terapeuta dizer que o trabalho de cuidar de uma criança era mais prazeroso do que trabalhar “fora” numa empresa, para que ela a rotulasse  de machista e não quisesse mais voltar.

Está bem difícil. As oscilações acontecem com frequência. Eu gosto muito dela, mas não estou conseguindo mais viver assim. Seu pai, os tios, a mãe, a família, todos têm algum problema psicológico. É inútil pedir ajuda, pois são passionais, acham que eu estou criticando minha esposa. E ela não admite que possui um problema, na verdade finge não ter e, quando eu toco no assunto, vem na ofensiva. Não sei mais o que fazer, mas não quero ver a minha família se esfacelar diante dos meus olhos. Tenho receio, principalmente, em relação à criação da minha filha. Vamos novamente para mais uma tentativa juntos…

Agradeço o conteúdo que este site sempre publica.

Ilustração: Mulher com Gato, 1953, obra de Di Cavalcanti

CARL SAGAN – ALUCINAÇÕES DE COMANDO (IX)
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Lu Dias Carvalho

Os cristãos primitivos tinham a firme convicção de que o ar que respiravam estava povoado de inimigos invisíveis; de inumeráveis demônios que observavam todos os acontecimentos e assumiam todas as formas para aterrorizar e, acima de tudo, para tentar a sua virtude desprotegida. (Edward Gibbon)

A aceitação acrítica do misticismo e da superstição contribui para que se trapaceie, humilhe e às vezes até mate. […] Muitos são os charlatões conscientes vistos nas igrejas dos mais variados credos. (Carl Sagan)

Todo estudioso das crenças antigas sabe que a Grécia e a Roma antigas possuíam deuses para quase todos os fins. Segundo a mitologia oriunda desses povos, seus deuses podiam assumir as mais diferentes formas (touros, chuvas de ouro, cisne, etc.) para fecundar as mulheres pelas quais se apaixonavam, o que nos legou inumeráveis lendas. E não é que a Bíblia (Gênesis) também apregoa que demônios copulam com as “filhas dos homens”? O que vemos é que a religião cristã também imergiu no universo das religiões pagãs e dali retirou muitas bizarrices. Muito do que há no livro dos cristãos foi retirado de credos que existiram antes de Cristo, como comprovam os estudiosos de textos sagrados das mais diferentes religiões.

Muitas culturas antigas acreditavam que as ejaculações noturnas de sêmen eram instigadas por súcubos (segundo o Dicionário Aurélio – demônios femininos que, segundo uma velha crença popular, vem pela noite copular com homens, perturbando-lhes o sono e causando-lhes pesadelos). Dizia tal crença que Merlin (profeta, mago e conselheiro), Platão (filósofo e matemático do período clássico da Grécia Antiga),  Alexandre, o Grande (imperador do reino grego antigo da Macedônia), Martinho Lutero (monge agostiniano e professor de teologia germânico que tornou-se uma das figuras centrais da Reforma Protestante), e muitos outros, assim foram gerados.

O demônio não molestava apenas as classes baixas, sendo neste ponto bem imparcial. Estava também presente nas altas, como comprova o livro escrito por Jaime I, rei da Inglaterra, quando vivia amedrontado com a existência de Satã. Ele apregoava que o tabaco era a “erva-daninha do diabo”. Contudo, o supersticioso rei veio a tornar-se um grande cético ao descobrir que adolescentes fingiam estar possuídas pelo demônio e, no suposto estado, acusavam pessoas inocentes de bruxarias, levando muitas delas à forca, enquanto outras, no entanto, passavam por “alucinações de comandos” esquizofrênicas.

“Alucinações de comandos” esquizofrênicas, segundo Carl Edward Sagan – cientista planetário, astrônomo, astrobiólogo, astrofísico, escritor, divulgador científico e  autor de mais de 600 publicações científicas e também de mais de vinte livros de ciência e ficção científica – imputa a uma figura mítica (ou tida como  tal) a ordem de fazer isso ou aquilo, até mesmo o cometimento de crimes contra a vida, como foi o caso de James Warren “Jim” Jones, fundador e líder da seita Templo dos Povos, responsável pelo suicídio/assassinato em massa  de 918 dos seus membros em Jonestown, Guiana, além do assassinato do congressista Leo Ryan e de quatro mortes adicionais em Georgetown, capital guianense, em novembro de 1978.

“Alucinações de comandos” são advindas de mentes esquizofrênicas, tornando-se ainda mais perigosas quando encontram um campo fértil para se espalhar. Grupos excessivamente sugestionáveis podem levar a sério quaisquer que sejam os seus mentores, sem qualquer posicionamento crítico.  Com eles se integram, interagem e agem no cometimento de atos insanos contra a sociedade em que se inserem, como vimos acontecer com Adolf Hitler (político alemão que foi líder do Partido Nazista, Führer da Alemanha Nazista de 1934 até 1945, principal instigador da Segunda Guerra Mundial na Europa e figura central do Holocausto). Seus seguidores julgavam-no um “ser supremo”, acima do bem e do mal.

Grupos que se deixam guiar por “alucinações de comandos”, são desprovidos de consciência crítica, ignoram a Ciência e apostam no caos como resolução de seus problemas. Não aceitam os fatos como são, mas como acham que deveriam ser e, por isso, tentam moldá-los à sua vontade, como se fizessem parte daquele joguinho infantil tão conhecido como “Siga o Líder”. Faz-se necessário coibi-los, sem jamais estimulá-los, pois uma mente doentia aguarda apena um gatilho para cometer insanidades.

Ilustração: A Carroça de Feno, obra de Bosch criada entre 1485 e 1500.

Fonte de pesquisa
O mundo assombrado pelos demônios/ Companhia de Bolso

Indicação: Site “Além da Fé” no You Tube.

Joseph Heintz – VÊNUS E ADÔNIS
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Lu Dias Carvalho

O pintor suíço Joseph Heintz (1564-1609) foi possivelmente aluno de Hans Bock, o Velho. Foi nomeado pintor da corte de Rudolf II, em Praga, onde permaneceu por dois anos. Também passou cerca de alguns anos em Roma, onde foi aluno de Johann von Aachen. Suas pinturas incluíam imagens religiosas, retratos e temas mitológicos eróticos.

A composição intitulada Vênus e Adônis, tema mitológico comum a muitos outros pintores, é uma obra do artista. O casal é retratado no momento em que Adônis despede-se de Vênus para ir caçar, mas será morto por um javali, conforme conta o escritor Ovídio em “Metamorfoses”. Este tema esteve muito em voga no fim do século XVI, sendo muito apreciado pelos colecionadores.

A deusa da beleza e do amor, seminua, está abraçada ao jovem Adônis, impedindo que ele parta para a caçada. O olhar do moço, voltado para baixo em direção aos Cupidos e aos cães, indica sua pressa em partir.

Este quadro foi executado por Joseph Heintz quando ele se encontrava na corte do Imperador Rodolfo II, em Praga, um dos mais importantes centros de cultura e arte da Europa. Ali o artista executou inúmeras cenas mitológicas carregadas de sensualidade. O trabalho feito em cobre mostra o nível da refinada pintura maneirista naquela corte.

Ficha técnica
Ano: na segunda metade do século XVI
Técnica: óleo sobre cobre
Dimensões: 40 x 31 cm
Localização: Museu de História da Arte, Viena, Áustria

Fontes de pesquisa
Enciclopédia dos Museus/ Mirador

TER FILHAS É TER PROBLEMAS
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Lu Dias Carvalho

negras a

Dez filhas magníficas valem menos do que um filho com deficiência. (Provérbio chinês)

Muitos filhos, muitas bênçãos de Deus, muitas filhas, muitas desgraças. (Provérbio alemão)

 As meninas sempre estiveram numa posição inferior à dos meninos na maioria das culturas, principalmente nas mais subdesenvolvidas, naquelas em que religião e Estado vivem de mãos dadas. Enquanto os filhos homens são recebidos com júbilo, as filhas são aceitas com pesar pela família. Tais culturas ignoram ou não valorizam o fato de que a mulher é imprescindível na perpetuação da espécie e na organização de uma sociedade. Esta diferenciação, que vem perdurando ao longo dos séculos em muitos países, é responsável pelo modo como homem e mulher encaixam-se dentro de tais culturas. Quanto mais severas forem as diferenças, mais díspares serão os papéis de ambos dentro da sociedade e menos valorizada será a mulher. Trata-se de um canteiro bem fértil para o feminicídio*.

Os provérbios são praticamente unânimes em reforçar a diferença entre filhas e filhos, apontando a inferioridade da mulher em relação ao homem. Vejamos alguns:

  • A casa paterna é território dos rapazes e restaurante das moças. (Chinês)
  • A jovem que se casa perde o parentesco. (Coreano)
  • Cada filha é uma mão cheia de problemas. (Árabe)
  • Quem tem um filho não morre completamente. (Dinamarquês)
  • A mulher não é parenta de ninguém. (Mongo)
  • Um filho tolo é melhor do que uma filha habilidosa. (Chinês)
  • Ter um filho é uma bênção, ter uma filha é uma desgraça. (Chinês)

Em muitas culturas, quando o homem se casa, sua esposa é obrigada a acompanhá-lo, cortando todo o vínculo com a sua família de sangue. Ela e seus descendentes passam a ser propriedade do marido, fazendo parte unicamente de seu clã. O nascimento de uma menina em certas sociedades é visto como um castigo para os pais. Mas, por que tamanha diferenciação entre homem e mulher? Não resta dúvida de que tudo isto está embutido, principalmente, numa visão machista, pois quanto mais machista é a cultura, mais insignificante torna-se a mulher, a ponto de garotos de tenra idade darem ordens em casa, subjugando a mãe e as irmãs.

Outro fator concernente ao jugo da mulher diz respeito ao provimento da família. Por mais simples que seja uma cultura, a subsistência é a sua preocupação primordial. As famílias pesam a importância dos filhos e das filhas dentro delas. Como visto acima, em muitas sociedades, quando a filha se casa, ela deixa a sua família de origem e passa a fazer parte da família do marido, sendo mais um membro na força do trabalho doméstico do novo clã, uma vez que é proibida de trabalhar fora de casa.

Ao olhar sob a ótica da desvinculação da filha de sua família de sangue, as filhas trazem prejuízos para seus pais e irmãos – concluem eles – ao criá-las e depois repassá-las para uma nova família. Elas não são, portanto, um bom negócio, ainda que tenha trabalhado como burro de carga durante muitos  anos em sua família de origem. O filho, por sua vez, jamais perde o vínculo com os pais, sendo responsável por eles na velhice. Um provérbio chinês diz que “O destino da filha é desaparecer e o do filho é permanecer”, ou seja, ela deixa os seus, enquanto o filho continua ajudando-os.

Só para se ter uma ideia do desencanto de um pai ruandês quando nasce uma filha,  existe até um provérbio que vem em seu socorro: “Não se deve insultar quem tiver uma filha, se puder continuar tentando” (ter um filho). Um provérbio coreano é mais consolador: “Uma família sem uma única filha é como um fogo apagado”, enquanto outro alerta para a importância de uma menina, pois “A filha mais velha é a ama dos irmãos”. Mesmo quando se tenta valorizar a menina, pensa-se nos serviços domésticos que ela irá prestar.

*”O feminicídio é o homicídio praticado contra a mulher em decorrência do fato de ela ser mulher (misoginia e menosprezo pela condição feminina ou discriminação de gênero, fatores que também podem envolver violência sexual) ou em decorrência de violência doméstica. A lei 13.104/15, mais conhecida como Lei do Feminicídio, alterou o Código Penal brasileiro, incluindo como qualificador do crime de homicídio o feminicídio.” Veja mais sobre “Feminicídio” em: https://brasilescola.uol.com.br/sociologia/feminicidio.htm

Fontes de pesquisa:
Nunca se case com uma mulher de pés grandes/ Mineke Schipper
Livro dos provérbios, ditados, ditos populares e anexins/ Ciça Alves Pinto
Provérbios e ditos populares/ Pe. Paschoal Rangel

Ilustração: Imagem da cerâmica do Vale do Jequitinhonha