DEPRESSÃO – USANDO A TERAPIA DE R. CRUSOÉ

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Lu Dias Carvalho

A apatia ocasionada pelo estado depressivo não é tão dolorosa quanto os pensamentos negativos o são. Embora o corpo mostre-se inerte, sem qualquer vontade de exercitar, a mente trabalha atabalhoadamente, produzindo um sem conta de pensamentos sombrios. E pior, o depressivo não sabe como mudar sua perspectiva de vida. Em tudo o que acontece à sua volta, ele vê apenas o sinal da confirmação de seus imaginários temores. Até mesmo o fato de um conhecido, passar sem cumprimentá-lo, já gera um encadeamento de mirabolantes questionamentos negativos. Jamais imagina que o amigo pode não o ter visto.

O biofísico Stefan Klein ensina que “A primeira recomendação é perceber tais pensamentos. Existem diversas estratégias para isso. Uma das mais eficazes é a que Robinson Crusoé utilizou. Devemos anotar os temores, as autocríticas e as dúvidas quanto ao nosso próprio destino. O simples fato de colocarmos no papel tudo o que nos atormenta já é um primeiro passo para nos livrarmos dessas aflições. Ao mesmo tempo permite-nos formar uma ideia mais precisa sobre esses pensamentos sombrios acerca do futuro ameaçador e dos julgamentos depreciativos que fazemos a nosso respeito. Parece que o que está no papel torna-se mais concreto e mais fácil de analisar, do que as fantasias que se desenvolvem em nossa mente”.

Se a pessoa, após ser inundada por pensamentos pessimistas, não consegue eliminá-los assim que os percebe, é necessário voltar a sua atenção para outras coisas. Portanto, nada melhor que usar o método de Robinson Crusoé, listando as coisas boas e as ruins. É possível que, ao listar as boas, ele consiga escrever que “a pessoa pode não o ter visto”, como no exemplo acima. Eu, por exemplo, ponho-me a construir um romance imaginário da minha mente, mesmo sabendo que nunca venha a escrevê-lo.

Alguns podem até mesmo achar que terão que andar com um caderno de anotações a vida inteira. Nada disso! Já aprendemos aqui neste site que o nosso cérebro possui a capacidade de mudar ao longo de nossa vida. Trata-se da chamada plasticidade cerebral. A capacidade de adaptação do Sistema Nervoso Central é surpreendente. Ele tem a habilidade para modificar sua organização estrutural e funcional, como resposta às experiências vividas, ou seja, aos estímulos ambientais. O cérebro humano é capaz de se reorganizar, usando novas conexões entre os neurônios.

A constância da atividade de listar as coisas ruins e as coisas boas, advindas de uma determinada situação, faz com que “O autocontrole sobre os pensamentos sombrios e as sensações ruins torne-se um hábito.  E à medida que essa habilidade se aperfeiçoa, vão desaparecendo também os sentimentos amargos”, conforme explica Klein.

Fonte de pesquisa:
A Fórmula da Felicidade – Stefan Klein – Editora Sextante

Visits: 1

COMBATENDO A ANGÚSTIA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria do Dr. Telmo Diniz can,123456

Chamamos de angústia uma forte sensação psicológica, caracterizada por “abafamento”, insegurança, humor irritadiço, opressão no peito e “fôlego curto”. A angústia é também uma emoção que precede algo, como um acontecimento, uma ocasião ou uma circunstância. A pessoa sente fisicamente que algo ruim ou inesperado poderá ocorrer. Pode, também, a angústia chegar através de lembranças traumáticas que ocorreram no passado. Os sintomas da angústia podem simbolizar situações reais ou imaginárias.

Subitamente, e sem aviso prévio, vem aquele aperto no peito e uma “falta de ar”. Surge em qualquer momento, hora ou lugar, como se uma grande mão apertasse o peito. Em seguida, vem uma sensação bem esquisita de opressão. A pessoa quer se livrar dela, mas não consegue. O coração acelera. Num determinado momento, ela está bem e noutra a apreensão surge sem pedir licença. Em outros, a angústia está associada a alguma preocupação ou sensação de insegurança. Se você vive um momento confuso ou difícil, ela pode se instalar, gerando medos e uma terrível insegurança. Em casos mais graves a pessoa pode sentir-se perseguida, com típicos quadros de paranoia.

Partindo para a filosofia da angústia, o filósofo Arthur Schopenhauer tinha uma visão extremamente pessimista da vida, onde “viver é necessariamente sofrer”. Para ele, a própria vontade de ter algo é um mal, pois isso gera angústia e dor. Nietzsche, outro filósofo, concluiu que “é preciso ter consciência de que a vida é, sim, uma tragédia, para que possamos desviar um instante os olhos da nossa própria indigência, desse nosso horizonte limitado, colocando mais alegria em nossas vidas”. Já Jean-Paul Sartre, filósofo francês, defendeu que a angústia surge no exato momento em que o homem percebe a sua condenação irrevogável à liberdade, isto é, o homem está “condenado a ser livre”. Ao perceber tal condenação, ele se sente angustiado em saber que é senhor de seu destino.

Filosofias à parte, para a ciência, mais especificamente para a psiquiatria, a angústia, se não tratada, pode evoluir para a depressão. As pessoas que apresentam quadro de angústia e não têm acompanhamento profissional desenvolvem outros distúrbios emocionais, como cansaço físico e mental, comportamento inadequado e baixa autoestima.

Ficamos angustiados por opção, por força de nossas próprias escolhas, por causa de coisas e pessoas. Assumimos compromissos financeiros que não podemos saldar, adquirimos bens pelos quais não podemos pagar. Tudo em busca de status. Compramos o que não precisamos, com o dinheiro que não temos, para mostrarmos a pessoa que não somos. O ato da compra é sublime e fugaz. A obrigação decorrente é amarga e duradoura. É angustiante.

O tratamento deve ser feito com as medicações psicotrópicas, com tranquilizantes e/ou antidepressivos. Elas ajudam a pessoa a superar os sintomas que acompanham a angústia. Porém, a psicoterapia cognitivo-comportamental é de suma importância para a prevenção. Para as pessoas com religiosidade, sugiro que voltem a alimentar o espírito, com prática de atividades físicas, mais lazer e, principalmente, voltem a respirar fundo e ter fé em si, para ultrapassar os limites e superar seus medos e receios.

Visits: 1

ANATOMIA DA INFELICIDADE

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Lu Dias Carvalho

O ânimo para viver depende tanto da realidade de uma situação quanto da avaliação que fazemos dela. (Stefan Klein)

 Não resta dúvida de que os acontecimentos externos interferem em nosso ânimo e quanto piores forem, maior é a sua intervenção em nossa vida. Contudo, para que não nos transformemos em sacos de pancada de tais ocorrências, temos que pensar em nós mesmos, desenvolvendo uma maneira de proteger a nossa saúde física e mental ao avaliá-los, o que não significa cruzar os braços, tornando-se omissos. Nada mais racional do que a oração de São Francisco para guiar a nossa conduta de modo a tornar nossa existência mais leve:

“Senhor, dai-me força para mudar o que pode ser mudado, resignação para aceitar o que não pode ser mudado e sabedoria para distinguir uma coisa da outra”.

Muitas pessoas, ao se verem vitimadas pelos acontecimentos nefastos, entregam logo os pontos, dizendo para si mesmas que nada que façam irá adiantar. Achar que “não há nada a fazer” é o lema dos deprimidos e derrotados que preferem jogar a toalha. Quando isso acontece, mente e corpo apresentam-se totalmente enfraquecidos, havendo uma redução do impulso vital. Pesquisas científicas através de exames de tomografia já são capazes de revelar com nitidez o quanto a atividade do hemisfério esquerdo do cérebro diminui sua atividade quando em tal estado.

Segundo o biofísico Stefan Klein, “Como a área do hemisfério esquerdo é responsável tanto pela motivação e pelo prazer quanto pelas emoções negativas, a melancolia acaba prejudicando o bem-estar mental por esses dois caminhos. A pessoa necessita de motivação, mas ao mesmo tempo apresenta grande dificuldade para vencer a tristeza, a vergonha e também o medo do futuro. Por um lado, a depressão é uma decorrência dos sentimentos negativos e por outro  é uma consequência da ausência de prazer”.

Os neurologistas londrinos, Chris Frith e Raymond Dolan, descobriram em suas pesquisas que basta muito pouco para que o desânimo apodere-se até mesmo de pessoas consideradas psicologicamente saudáveis. Eles usaram frases negativas (A Vida não Vale a Pena, Nada Faz Sentido, O Futuro é Péssimo…), acompanhadas de uma música fúnebre em suas pesquisas e logo viram os voluntários demonstrarem sensações de desânimo, desinteresse e inutilidade. O cérebro deles mostrava o mesmo padrão observado em pessoas sob tratamento de transtornos depressivos. Contudo, não levou muito tempo para que recuperassem o equilíbrio. Disso, eles chegaram à conclusão de que “o abatimento comum é efêmero — e é isso que o diferencia da depressão clínica que se apresenta como um túnel sem saída —, mas o efeito emocional é o mesmo nos dois casos”.

É fato que acontecimentos negativos alteram o nosso estado de ânimo, assim como o nosso humor influencia a maneira como sentimos e percebemos qualquer situação na qual nos encontramos. Para mudar essa relação, precisamos aprender a avaliar os acontecimentos, impedindo que esses nos derrubem. A escritora Eleonor H. Porter em seu livro “Pollyana”, publicado em 1913, mostra que em qualquer que seja o acontecimento que nos machuca no agora, sempre existirá uma janelinha aberta para a positividade.

O biofísico Stefan Klein explica que “A área frontal do cérebro exerce uma forte influência sobre os nossos estados de ânimo, pois funciona ao mesmo tempo como memória de trabalho, armazenando temporariamente as informações que voltaremos a necessitar em breve. É por esse motivo que a disposição de espírito está profundamente relacionada ao modo como lidamos com o que acabamos de ver, ler e ouvir. Quando começamos a ver o mundo com tristeza, o cérebro procura manter o estado de ânimo negativo, escolhendo os estímulos que combinem com esse quadro”.

Está explicado, portanto, o porquê de os pensamentos ruins, as experiências desprezíveis e as lembranças dolorosas terem prioridade de acesso na nossa consciência. Nós somos os responsáveis por cultivá-las, regando-as todos os dias com a nossa negatividade. Portanto, cabe somente a nós lidarmos melhor com os acontecimentos, quaisquer que sejam eles.

Nota: ilustração – Campo de Trigo com Corvos, obra de Vincent van Gogh

Fonte de pesquisa:
A Fórmula da Felicidade – Stefan Klein – Editora Sextante

Visits: 3

A SOLIDÃO MACHUCA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Lu Dias Carvalho

Estudos clínicos e neurobiológicos atestam que a solidão gera um estresse sombrio para o corpo e a mente. As pessoas que vivem isoladas mostram-se tristes e doentias. Isto porque a capacidade de compreensão e a sensibilidade do solitário acabam se tornando insensibilizadas pelos efeitos do hormônio do estresse, o que compromete sua saúde, ao enfraquecer seu sistema biológico.

É interessante notar como certas culturas enaltecem a solidão (a alemã, por exemplo) enquanto outras abominam-na (a exemplo da indiana). Ao contrário dos asiáticos, os europeus não conseguem entender o porquê de eles sentirem tanta necessidade de contato social. De acordo com o Professor Martin Seligman, o pai da psicologia positiva, “O individualismo ocidental é o responsável pela disseminação quase epidêmica da depressão entre nós”.

O que dizer, então, do mundialmente conhecido provérbio que reza “Antes só do que mal acompanhado”? Ele contém uma grande verdade, não se opondo à necessidade de contato social, ao contrário, apenas reafirma-a. O que ele quer dizer é que o convívio social é tão importante e exerce tamanha influência nas pessoas que uma companhia ruim pode causar um grande dano, tanto ao equilíbrio psíquico como ao corpo.

Os casais que vivem mal, por exemplo, têm o sistema imunológico afetado. E quanto maior for a hostilidade entre eles, mais desregulado torna-se tal sistema “responsável por combater as invasões de germe no organismo”, uma vez que o estresse enfraquece as defesas imunológicas, segundo pesquisa realizada pela psiquiatra Janice Kielcot-Glaser e seu marido, o imunologista Robert Glaser. Portanto, quando não se tem simpatia pela pessoa com quem se convive, e não há uma maneira para reverter a situação, o melhor mesmo é colocar o provérbio acima em ação. Forçar um convívio estressante resultará em sérios danos à saúde.

Pesquisas mostram que as pessoas solitárias tendem a perder a autoestima. Como ser social, que gosta de compartilhar suas alegrias e tristezas, o homem necessita de contato com os de sua espécie, tanto é que as substâncias da felicidade (já estudadas em outro texto) também estimulam o contato social. Por que somos mais sociáveis, quando estamos de bom humor? A resposta é muito simples. Quando está bem-humorada, a pessoa sente-se mais confiante para travar relações. Seus temores de ser rejeitada ou julgada desaparecem.

O neurocientista e psicobiólogo Jaak Panksepp, responsável por cunhar o termo “neurociência afetiva” (nome do campo que estuda os mecanismos neurais da emoção), relatou em seus estudos que “a busca de contato com outras pessoas deve-se, sobretudo, ao medo que temos da solidão”. Por sua vez Stefan Klein, biofísico alemão, afirma que “quanto mais próximos estamos uns dos outros, mais doamos de nós mesmos; e quanto mais damos e recebemos, mais unidos nós nos sentimos”.

Nota: ilustração – Melancolia, obra de Edvard Munch

Fonte de pesquisa:
A Fórmula da Felicidade – Stefan Klein – Editora Sextante

Visits: 6

COMO VENCER NOSSOS MEDOS

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria do Dr. Telmo Diniz

o grito

Domine os Seus Medos

O medo é uma sensação que proporciona um estado de alerta demonstrado pelo receio de fazer alguma coisa, geralmente por se sentir ameaçado, tanto fisicamente como psicologicamente. O medo nos congela e atrapalha a conquista de nossos objetivos, mas, se usado da forma correta, também pode ser uma forte motivação. Basta aprender a enfrentar a paralisia que nos ataca nesses momentos e a transformar a ansiedade em ação.

Quando temos medo, geramos uma resposta de alerta no organismo. Essa reação inicial dispara liberando os hormônios do estresse (adrenalina e o cortisol) preparando o indivíduo para lutar ou fugir, reação mais conhecida por “reação de luta ou fuga”. Isso gera no nosso organismo aceleração dos batimentos cardíacos, tremores, arrepios e uma série de outros sintomas desagradáveis. Toda reação de medo é precedida pela ansiedade que, se não tratada de forma conveniente, pode evoluir para quadros severos de fobias.

 Atitudes

Você tem medo de agir e tomar atitudes? Tem medo de situações que te deixam paralisado e sem ação? Eu lhe digo que existem formas de atenuar e até eliminar estas situações, que o deixam apavorado. A técnica mais utilizada pelos psicólogos para tratar o medo se chama dessensibilização sistemática. Com ela se constrói uma escala de medo, da leve ansiedade até o pavor, e, progressivamente, o paciente vai sendo encorajado a enfrentar os seus medos. Ao fazer isso, o paciente passa, gradativamente, por um processo de reestruturação cognitiva em que ocorre uma reaprendizagem da reação que anteriormente gerava a resposta de alerta no organismo para uma reação mais equilibrada. Em vários casos pode ser necessário o uso de medicações ansiolíticas e/ou antidepressivas, com o devido acompanhamento médico.

No caso dos medos extremos, ou seja, em que a pessoa é exposta a situações que considera pavorosas, ela tem de ser ensinada a entrar em contato, aos poucos, e aprender com o objeto causador do medo. Para decidir o melhor caminho a tomar, fale com quem conseguiu alcançar a meta com que você sonha. Por exemplo, se não tem nem ideia de como começar o seu próprio negócio, procure ajuda especializada (tipo Sebrae) e tente entender seus concorrentes. Isso se chama de programação. Temos de minimizar os erros. É essencial também deixar bem claro o que você realmente quer e deseja. Seja pragmático. Toda vez que passar pela sua cabeça, pensamentos do tipo: “não sei se consigo fazer isso”, mude para “eu sei que consigo fazer isso”. Pensamentos positivos nos fortalecem, sempre!

Outra forma de começar a tirar vantagem do medo é se tornando consciente dele o tempo todo. Como fazer isso? Pense nos objetivos que mais o assustam: correr uma maratona, abrir um negócio próprio ou qualquer outra coisa que o deixe ansioso para tomar uma decisão. Depois, imagine a si mesmo daqui a vários anos, ou décadas, sem ter realizado nenhum dos seus sonhos. Isso seria uma tragédia para o ego. Devemos ter como certeza que o resultado da falta de ação é um fator que deve ser combatido. Devemos ter o pensamento de que “Vou me arrepender mais das coisas que deixei de fazer e não pelas coisas que fiz e em que acreditei.”.

(*) O Grito – Edvard Munch

Visits: 3

TRAUMA – PSICOLOGIA ADLERIANA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

Nenhuma experiência é, em si mesma, a causa de nosso sucesso ou fracasso. Nós não sofremos do choque de experiências – o chamado trauma –, mas o transformamos em algo que atende aos nossos propósitos. Não somos determinados por nossas experiências, mas o sentido que damos a elas é autodeterminante. (Alfred Adler)

Somos nós que determinamos nossa vida de acordo com o sentido que damos às experiências passadas. Sua vida não é algo que alguém dá a você, mas algo que você próprio escolhe, e é você quem decide como viver. (Ichiro Kishimi e Fumitake Koga)

No início do século XX, o psicólogo Alfred Adler, visto hoje ao lado de Freud e Jung como um dos três grandes pilares no campo da psicologia, traz-nos uma visão bem interessante sobre determinados temas, contrariando a linha dos outros dois. Dentre esses ele destaca o “trauma”, chegando mesmo a negá-lo. Foi tendo por base o pensamento de Alfred Adler que os escritores japoneses Ichiro Kishimi e Fumitake Koga escreveram o livro “A Coragem de Não Agradar” que acabo de ler. Tomando como fonte esse instigante livro, repasso aos meus leitores sua ideia central.

A Ciência comprova que para todo efeito existe uma causa. Baseando-se em tal conceito, muitas pessoas julgam que são hoje o efeito de determinadas causas que lhes ocorreram no passado, como se os fatos do ontem determinassem o presente. Se a relação entre causa e efeito é assim tão preponderante, somos levados a acreditar na teoria do “determinismo” (parte da premissa de que os fatos e ações humanas estão conectados ou são determinados por fatos e ações anteriores, sendo, portanto, consequências dos que os antecederam).

A psicologia adleriana refuta tal pensamento. Ao invés de trabalhar com as “causas” do passado, ela leva em conta as “metas” do presente, ou seja, a nossa mente é capaz de criar desvios que nos favoreçam, ainda que inconscientemente, para dar firmeza às nossas “metas”. Por isso ela prefere estudar a teleologia (o estudo do propósito de determinado fenômeno em vez de suas causas), ao passo que a etiologia estuda apenas as causas. Para os seguidores da psicologia adleriana, muitos psicólogos e psiquiatras continuam a tratar seus pacientes seguindo a linha etiológica.

Ao contrário de Freud, para quem os traumas deixam grandes feridas, levando à infelicidade, Adler nega a existência do trauma, afirmando que “o ‘eu’ não é determinado por nossas experiências, mas pelo sentido que damos a elas”.  Explica que a vida de uma pessoa não é determinada por um incidente terrível pelo qual passou na infância, por exemplo, mas pelo modo como seguiu em frente.

Segundo os dois escritores seguidores de Adler (Ichiro Kishimi e Fumitake Koga), o medo e a ansiedade, por exemplo, poderiam ser uma “meta” criada pela pessoa para não sair de casa ou para chamar a atenção dos familiares que lhes proporcionarão cuidados especiais. Outro exemplo é a raiva incontida. A pessoa passa por uma explosão de raiva, mas, se o seu chefe lhe liga em meio ao acesso, ela é capaz de mudar o tom e falar com refinada educação, dando continuidade à raiva só após desligar o celular. Trocando em miúdos, qualquer um pode muito bem fazer uso de sua raiva como bem quer. Assim sendo, a raiva é também um meio de alcançar uma meta, segundo a teleologia.

A psicologia adleriana não nega a existência das emoções, totalmente oposta ao niilismo (ponto de vista que afirma serem as crenças, as verdades e os valores tradicionais desprovidos de fundamento, de sentido e de utilidade), mas contesta o fato de que as pessoas não possam domá-las, resistir a elas. Em razão disso, afirma que “se não somos controlados pelas emoções, também não somos controlados pelo passado”.

 

Visits: 56