Pieter Bruegel, o Velho – JOGOS INFANTIS

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

join     (Faça o curso gratuito de História da Arte, acessando: ÍNDICE – HISTÓRIA DA ARTE)

A composição denominada Jogos Infantis é uma obra do pintor Pieter Bruegel, o Velho, na qual ele mostra a importância de ter sido um pintor de miniaturas, ao agregar numa única tela, cuidadosamente organizada, mais de 230 figuras humanas, fato muito comum em suas pinturas. O artista tornou-se conhecido por suas obras, retratando o cotidiano dos camponeses — gente pela qual nutria grande admiração — tanto no trabalho quanto nos festejos. Mais uma vez Bruegel repassa a impressão de que o quadro foi pintado de cima, estando ele a olhar a cena embaixo, como acontece com várias de suas pinturas. Embora tenha pintado outros quadros que retratam a vida camponesa, Jogos Infantis é o único que apresenta predominantemente crianças, o que era incomum naquele período.

Em sua pintura Bruegel miniaturiza adultos, transformando-os em crianças, fato comum na iconografia medieval. As crianças variam de bebês a adolescentes. O artista representa um grande número de jogos e atividades lúdicas (em torno de 83) do século XVI, sendo muitos deles identificáveis e ainda usados até os dias de hoje, como as brincadeiras: pernas de pau, roda, pular corda, rodar aros, cavalo de pau, cata-vento, cabra-cega, pular carniça, soprar bexiga, esconde-esconde, jogar castelo, andar de cadeirinha, boneca, pião, cavalinho, boca de forno, bolhas de sabão, cabo de guerra, etc.

Algumas diversões são calmas, enquanto outras são mais agressivas. Muitas crianças brincam tranquilamente, mas há grupos envolvidos em puxões de cabelo, luta livre e brincadeiras violentas. Um dos grupos está se divertindo com um jogo em que alguém corre pelo meio de um túnel de crianças, tendo todas elas a chutar-lhe as pernas, numa espécie de corredor polonês. Nenhuma atividade mostra-se mais importante do que a outra nesta obra do artista. O rio com suas margens, à esquerda, alivia de certa forma a cena abarrotada de crianças.

Para melhor observação do leitor, listo alguns exemplos das brincadeiras: próximo à cerca vermelha um grupo de 11 crianças simula um casamento. A noiva, usando uma roupa escura que mais se parece com uma batina, traz uma coroa na cabeça, sendo ladeada por duas personagens. Atrás dela segue o séquito e à frente duas garotas levam um grande cesto com pétalas de flores que vão sendo espalhadas à passagem do grupo festivo. Também chama a atenção em primeiro plano a presença de dois grandes barris e aros, usados para entretenimento. Na janela da casa, à esquerda, uma criança usa uma máscara, tentando chamar a atenção dos que se encontram abaixo. Na parte inferior, à esquerda da tela, na entrada do edifício, três crianças cobertas com mantos seguem em procissão atrás daquela que leva um suposto bebê para ser batizado.

Nenhum espaço fica imune ao enxame infantil, espalhado por toda a imensa tela, ocupando praça, ruas, casas, jardins e até mesmo o rio e suas margens. As crianças que se encontram em primeiro plano são bem maiores, as demais vão diminuindo à medida que se distanciam do observador. Elas ocupam o grande edifício que domina a praça que pode ser uma prefeitura ou algum outro edifício cívico importante, possivelmente enfatizando a moral comum da época que rezava que os adultos que dirigem os assuntos cívicos são como crianças aos olhos de Deus.

As roupas infantis são coloridas, com a predominância das cores vermelha e azul que mais chamam a atenção. As cores alegres contrastam com o fundo amarelado da composição. São bem pequenas as diferenças fisionômicas entre uma criança e outra, assim como há pouca variação nas vestimentas. Ainda assim, a pintura não se mostra monótona, pois a postura dos corpos denota movimento, não havendo dois elementos iguais.

A falta de informações sobre quem encomendou a obra levou ao debate sobre o significado presente por trás da pintura.  E são inúmeras as teorias. Uma delas afirma que se trata de um ensinamento moral que usa os jogos infantis como metáfora para mostrar a loucura dos adultos. Uma ideia oposta, baseada na teoria humanista do século 16, argumenta que a pintura mostra a importância das brincadeiras no desenvolvimento infantil. Existe também a ideia de que esta composição tenha sido a primeira de uma série de pinturas representando a Idade do Homem, sendo essa a representação da “juventude”. Se foi esta a intenção do artista, é provável que não houve prosseguimento, pois não existe referência de pinturas relacionadas ao tema. Uma outra teoria revela que as crianças, focadas em suas brincadeiras, possuem a mesma seriedade demonstrada pelos adultos em suas atividades supostamente mais importantes, aos olhos de Deus, ou seja, os jogos dos filhos possuem tanto significado quanto as atividades de seus pais.

O fato é que tal quadro vem passando por inúmeras leituras e interpretações ao longo dos tempos, inclusive é um manual dos divertimentos e recreações da Europa Medieval, muitos dos quais continuam presentes nos dias de hoje.

Ficha técnica
Ano: 1560
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 118 x 161 cm
Localização: Museu de História da Arte, Viena, Áustria

Fontes de pesquisa
1000 obras-primas da pintura europeia/ Editora Könemann
https://chnm.gmu.edu/cyh/primary-sources/332
Bruegel/ Editora Cosac e Naify

 

24 comentaram em “Pieter Bruegel, o Velho – JOGOS INFANTIS

    1. LuDiasBH Autor do post

      Solange

      A composição “Jogos Infantis” é o quadro mais buscado neste site, estando no topo todos os meses. Agradeço a sua visita e comentário. Está convidada para o curso gratuito de HISTÓRIA DA ARTE.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  1. Denília Ferraz

    Lu
    O interessante deste quadro é a quantidade de gente num mesmo espaço. E o quanto parecem estar alegres.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Denília

      Esta obra possui um apelo que vai além da minha compreensão. Acredite, ele sempre liderou a lista dos mais vistos em todos os tempos de meu site.

      Amiguinha, vejo que gosta de arte. Faça o curso sobre a HISTÓRIA DA ARTE aqui neste espaço e conheça mais obras de Pieter Bruegel, o Velho.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Maria Vitória Camargo

    Achei super interessante saber que ainda convivemos com brincadeiras antigas. Adorei!

    Um beijão!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Maria Vitória

      Uma curiosidade acerca do quadro: é o mais acessado neste espaço. As pessoas estão sempre a pesquisar sobre as brincadeiras antigas.

      Adorei sua visita e comentário. Volte mais vezes.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. Rita de Cassia S. Meirelles

    Lu
    Achei muito interessante esses desenhos com cores fortes. Pinturas feitas com riquezas de detalhes e uma variação imensa de brincadeiras antigas que remetem à minha infância, fazendo com que eu fique com muitas saudades daqueles tempos em que brincávamos por todos os lugares com tamanha inocência!

    Vivíamos com grande vigor, eu nunca me cansava. Corríamos por todos os lados, brincando como se cada dia fosse o último de nossas vidas. Eu vivia sonhando com um futuro igual ao das princesas dos contos de fadas. Sempre gostei de livros com temas lúdicos e cores fortes que nos permitem viajar no tempo. Adoro escrever e amo artes, sempre sonhei em escrever um livro de memórias!

    Acho que o pintor Pieter Bruegel foi muito feliz com seu trabalho caprichoso. Eu sou suspeita a falar porque amo arte, especialmente pinturas, adoro miniaturas e tudo que está no contexto. As variedades das brincadeiras são muito apropriadas para trocas de ideias entre alunos e professores, principalmente nós docentes que atuamos na zona rural.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Rita de Cássia

      Há muito tempo que não recebo um comentário tão delicioso como o seu. Por termos tudo em comum, inclusive o fato de sermos educadoras e amarmos arte, apaixonei-me por você à primeira vista, ou seja, à primeira mensagem.

      Meus avós viviam no interior, assim como tinha tios donos de fazenda, e você me fez reviver a minha infância. Que delícia! Nós éramos tão ingênuos e puros. Ainda tenho tênues marcas no corpo de quedas de árvores, ao pegar mangas, abacate, pular de pontes nos rios, etc.

      Rita, esse quadro de Pieter Bruegel está no topo da lista dos mais buscados aqui no blogue. As pessoas sentem uma verdadeira paixão por ele, talvez por lhes lembrar a infância. Ele se encontra sempre na lista dos 20 mais lidos do mês. Também sou fascinada pelo trabalho desse artista maravilhoso. Vou lhe passar outros links de trabalhos dele.

      Amiguinha, fiquei muito feliz por encontrá-la neste espaço e não quero que suma mais. Quando a gente encontra uma pérola tem que conservá-la com muito carinho. Você é inteligente, escreve muito bem, repassa com graça e vivacidade o que sente (uma escritora nata) e irá escrever seu livro de memórias, sim. Sou revisora de livros e já me coloco à sua disposição para revisá-lo gratuitamente. Também quero que participe do Curso de História da Arte que estou dando gratuitamente aqui no blogue.

      Um beijo no seu coração,

      Lu

      Responder
  4. Ulderico José da Silva

    Lu
    Passa se um filme em nossa mente ao olharmos o quadro com mais atenção. Participamos de muitas dessas brincadeiras quando criança e hoje, só a vemos em periferia bem distante do centro, onde ao entardecer, os pais incentivam suas crianças a formar grupos na porta de suas casas, reunindo as crianças do quarteirão que, sob seus olhares, brincam, queimam energias e até atritam uns com os outros no momento lúdico de que estão participando. As tecnologias não deve sobrepor esses momentos e essa teria que deve ser a visão dos pais como educadores.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Ulderico

      Este quadro tem sido um dos mais buscados no blogue. Não há um só mês em que não se encontre entre os 20+. Realmente é como um filme que passa diante de nossos olhos. É uma pena que hoje os pais estão deixando para trás essas brincadeiras tão ricas e dando primazia aos eletrônicos. Nossas criança não mais conhecem os jogos ali presentes.

      Mais uma vez reafirmo o quanto me deixa feliz a sua presença aqui neste espaço. Fale para seus amigos sobre este nosso cantinho. Muitas vezes eu me assusto como as muitas asneiras propagadas pelo YouTub que ganham milhares de acessos por mês, quando aqui ficamos apenas acima de um milhão de acessos por ano.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  5. Rosemary

    Lu
    Você se importaria de me dizer onde você hospeda seu site? Estou trabalhando com “sevenhost”, mas meu portal vive dando problemas e como o seu me parece bem estável , fiquei curiosa em saber, para quem sabe migrar minha página para o mesmo local. Agradeço se puder me ajudar.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Nina

      Que coisa maravilhosa é saber que você usou meu texto para fazer seu trabalho!
      Muito obrigada por sua presença e comentário. Volte sempre!

      Abraços,

      Lu

      Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Raphaela

      Que coisa maravilhosa é saber que você usou meu texto para fazer seu trabalho!
      Muito obrigada por sua presença e comentário. Volte sempre!

      Abraços,

      Lu

      Responder
  6. José dos Anjos

    Em 2018 iniciou-se um projeto de retratar jogos e brincadeiras infantis de artistas brasileiros e europeus. Peter Bruegel será um deles. Estive na Espanha, em 2014, estudando os jogos infantis no Museu do Prado e trouxe ricos livros e informações sobre.
    Convido os acadêmicos que queiram entrar nessa empreitada que possam entrar em contato.
    José Luiz

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      José

      Que interessante!
      Coloco o site VÍRUS DA ARTE & CIA. à sua interira disposição. Por que não nos honra com alguns artigos sobre o assunto?

      Agradeço a sua visita, comentário e convite.

      Abraços,

      Lu

      Responder
      1. José dos Anjos

        Bom-dia, Lu!
        Vou me apresentar e falar de meus objetivos e gostaria que você se sentisse incluída no mesmo.

        Sou professor na UFES e pesquiso esportes e jogos tradicionais. Estive em alguns países, recentemente, pesquisando acerca de. Tenho intenção de publicar, até 2020, um livro que aborde os jogos infantis e esportes retratados nas obras dos artistas, brasileiros ou não, como exemplo: Jogos infantis de P. Brueghel (O Velho), Goya (existem diversas obras, como Los Zancos, brincadeiras dos meninos, etc), dança dos camponeses de Rubens, etc.

        Gostaria de convidar pesquisadores e professores que estejam engajados em Faculdades e ou Universidades e Grupos de estudos, etc., que queiram participar desta publicação.

        Se possível pudesse divulgar desde já, estou imensamente agradecido.
        Fico no aguardo de prestar mais informações.

        Prof. José Luiz

        Responder
        1. LuDiasBH Autor do post

          José dos Anjos

          O seu livro será um sucesso por tratar de um tema lúdico, que alude não apenas às crianças, mas também aos adultos em suas lembrança. Ainda me lembro, com muito carinho, dos meus jogos de amarelinha, castelos, roda, etc., dos meus tempos de menina. Fica uma dica para que não se esqueça de colocar os nomes regionais, pois os jogos infantis costumam mudar de denominação de uma região para outra.

          Além de Pieter Bruegel, que você acessou neste site, também encontrará “Dança dos Camponeses”, de Rubens, e alguns outros dos quais não me lembro mais. Como pesquiso sobre arte, publicando artigos diariamente, o que eu encontrar em outros pintores sobre esta temática, estudarei e farei a publicação, pensando em sua obra.

          Fica aqui a divulgação de seu trabalho. Meu site é acessado pelo Brasil inteiro e por 162 países.

          Sugestão: escreva um artigo com o título “Brincadeiras de Criança”, no final desse, coloque o seu convite e endereço para contato. Não precisa ser grande. Envie pelo meu e-mail.

          Abraços,

          Lu

  7. Leila Gomes

    Lu,

    Aconchegante a pintura do Pieter Bruegel. Me remeteu a minha infância e às brincadeiras de rua.

    Abraço

    Leila

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Leila

      Que coisa interessante é saber que ainda vivenciamos brincadeiras daqueles tempos. Infelizmente, as crianças de hoje estão cada vez mais apegadas ao mundo virtual, portanto, pressinto que elas não durarão tanto, pois irão sendo esquecidas com o tempo. O que não é vivido acaba caindo no esquecimento.

      Amiga, é sempre um prazer contar com a sua visita.

      Beijos,

      Lu

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.