APEGO X AUTOCONHECIMENTO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

O apego é o oposto do amor.  O apego diz: Eu quero que você me faça feliz. O amor diz: Eu quero que você seja feliz. (Jetsunma Tenzin Palmo)

A salvação não vem lá de cima, vem de si mesmo, do autoconhecimento. (Filosofia Budista)

 A vida do jeito que levamos não é satisfatória. Há uma falta interior, um vazio interior, um sentimento interior de falta de sentido que não se pode preencher com coisas ou pessoas. (Buda)

Quem vence alguém é um vencedor, quem vence a si mesmo é invencível (Morihei Ueshiba)

É sabido que muitos de nós chegam ao final do dia extenuados, não pelo excesso de trabalho feito, mas pelo peso dos pensamentos e sentimentos sombrios e pelos desejos insatisfeitos, o que gera um grande vazio e um sentimento de inutilidade diante da vida. É preciso impedir que os desejos de posse e os pensamentos desmancha-prazeres intrometam-se. Mas como? Evitando-se as maléficas armadilhas mentais que tantos danos nos causam, usando o autoconhecimento – fundamental para pôr fim a esse fardo tão fastidioso.

Já foi explicado, através dos muitos textos postados neste site, que a mente prega muitas peças e que é preciso estar atento às suas imaginações delirantes, não se permitindo entregar aos seus delírios. Ela é capaz de transformar os pensamentos comuns ao dia a dia em esparrelas, verdadeiros alçapões que tiram o gosto pelo existir. É necessário muito empenho a fim de não carregar os pensamentos e sentimentos vida afora. Faz-se necessário botar um freio no sofrimento sem razão de ser – efeito de nossas tolas ilusões. Inúmeros textos científicos têm nos ensinado como agir de modo a viver da melhor maneira possível. O Budismo também nos ensina como trabalhar a nossa mente através do autoconhecimento.

A filosofia budista, ao ensinar a prática da meditação e também que a ética engloba o respeito a si mesmo, aos outros e a todos os seres vivos, ajuda as pessoas na superação do sofrimento. Enfatiza, sobretudo, que nenhuma mudança poderá acontecer, se a pessoa não começar olhando para si mesma, ao invés de encontrar os problemas nos que a rodeiam. Ensina que é impossível respeitar os outros, quando não se tem respeito por si próprio e que não adianta fazer do dia a dia um rosário de tormento – muitas vezes levando sofrimento a quem está por perto e que não nenhuma culpa possui. Afirma que tudo que existe no mundo é impermanente (fato comprovado pela Ciência) e, portanto, todos devem aprender a lidar com as transformações, doenças e perdas presentes neste mundo.

Não é preciso ser um devoto budista para conhecer as “quatro grandes verdades” do Budismo. São elas:

  1. o sofrimento é inevitável, ou seja, ser humano algum passa pela vida sem sofrer, ainda que seja um príncipe ou um miserável;
  2. para superar o sofrimento é preciso eliminar o apego, isto é, eliminar a persistência em querer sempre mais e mais, achando que tudo é pouco, esquecendo-se de que somos apenas passageiros do tempo, de modo que o que possuímos apenas nos é emprestado por um determinado período;
  3. é possível alcançar a libertação do sofrimento, ou seja, existe possibilidade de    nos livrarmos do apego às ilusões e, em consequência, eliminarmos o nosso padecimento;
  4. elimina-se o apego através de práticas corretas, ou seja através do conhecimento encontrado no estudo dos textos, mantras, meditação, etc.

Observe o leitor que as duas pri­mei­ras “Nobres Verdades” têm rela­ção de causa e efei­to entre si: o apego – causa de toda dor e desgraças existentes no mundo – é o responsável por gerar o sofrimento. Por sua vez, ao eliminar o apego (às pessoas e às coisas) através do autoconhecimento, chega-se à iluminação, ou seja, ao cessar do sofrimento.

Segundo Buda, o apego é fruto da ignorância humana, incapaz de compreender a forma real das coisas, não reconhecendo, sobretudo, sua impermanência. O cantor Lulu Santos afirma com sabedoria em sua música “Como uma Onda” que:  Nada do que foi será/ De novo do jeito que já foi um dia/ Tudo passa, tudo sempre passará…

O ser humano não conhece a sua verdadeira natureza – sua essência – sendo exatamente isso o que o leva sempre a se agarrar em algo externo. Por não se conectar consigo mesmo, toma seu “eu” egoísta como senhor ou outras pessoas como modelo, o que acaba gerando um vazio interior cada vez maior. Sem o autoconhecimento, o homem acaba cedendo ao apego às coisas e às pessoas, achando que está indo ao encontro da segurança e consequentemente da felicidade. Ledo engano, pois somente o autoconhecimento é capaz de tornar-nos pessoas melhores e felizes, capazes de amar a nós mesmos e aos outros, como canta nosso inesquecível Renato Russo:

“É preciso amar como se não houvesse amanhã”.

Nota: a ilustração é Mulher ao Espelho, obra de Richard Emil Miller.

10 comentários em “APEGO X AUTOCONHECIMENTO

  1. Rodrigo

    “I let go. Lost in oblivion. Dark and silent and complete. I found freedom. Losing all hope was freedom”

    Chuck Palahniuk em Clube da Luta

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Rodrigo
      Maravilha de pensamento, pois a esperança não deixa de ser uma forma de aprisionamento.

      “Eu deixo ir. Perdido no esquecimento. Escuro, silencioso e completo. Eu encontrei liberdade. Perder toda a esperança era liberdade ”
      Chuck Palahniuk no Clube da Luta

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Fabiane Marins

    Lu e amigos,

    estou passando para dar um oi e dizer que continuo firme na minha caminhada e estou aprendendo a me conhecer melhor.
    Gratidão e ótima semana!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Fabiane

      Estamos todos felizes com o seu progresso. Você é realmente POP! Parabéns, lindinha!

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. Hernando Martins

    Lu,

    “Quem vence alguém é um vencedor, quem vence a si mesmo é invencível” (Morihei Ueshiba)

    Acredito que é através do autoconhecimento que conseguimos entender a nossa verdadeira essência, libertando-nos de todas as correntes que aprisionam o nosso ser.

    O mal maior que a humanidade vive é a falta de autoconhecimento, muitas vezes impedida por um sistema opressor que dita as regras estabelecidas com intuito de moldar as pessoas, padronizando o estilo de vida e costumes, a fim de manipular e promover a dominação. Todos os vazios e falta de originalidade que permeiam a vida das pessoas criam um obscurantismo nefasto, capaz de promover doenças psíquicas e físicas no cotidiano de todos.

    A ilusão da posse como forma de obter a felicidade é muito fugaz, porque a satisfação é algo que surge de dentro para fora, não pode ser imposta de uma forma impositiva. O importante é SER verdadeiros conosco e não TER, no sentido de posse. Na verdade,ninguém é dono de nada, tudo é passageiro, inclusive nós mesmos.

    Como disse o cantor Renato Russo:

    “É preciso amar como se não houvesse amanhã”.

    Temos que semear amor por todos os cantos,através de sementes de bondade, lealdade, seriedade e desprendimento no intuito de colher um mundo mais justo e fraterno.

    Hernando

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Hernando

      Como sempre o seu comentário é um adendo importantíssimo aos textos que escrevo, corroborando as verdades em que acredito e reafirmando-as de uma maneira ainda mais sábia. Portanto, é importante eu lhe dizer o quanto prezo a sua presença neste espaço, como um mestre extremamente sábio. Peço-lhe permissão para acrescentar ao texto as duas citações presentes em seu comentário.

      Abraços,

      Lu

      Responder
      1. Hernando Martins

        Lu

        É uma honra os seus elogios e, com certeza, poder incluir algumas palavras minhas só me enaltece!

        Abraços,

        Hernando

        Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *