Arquivo da categoria: Arte de Viver

São assuntos relativos ao nosso cotidiano, que têm por finalidade ajudar-nos a levar uma vida com menos estresse.

A PAIXÃO É UMA DROGA

Autoria de LuDiasBH

A atração entre os sexos nasce na cabeça. (Stefan Klein).

 O cérebro humano permite um grande número de manifestações amorosas — da timidez romântica à dominação agressiva e cruel. (Stefan Klein)

São poucas as pessoas que nunca sofreram por amor, tendo vivenciado uma enlouquecedora paixão em que a razão parece ter exaurido como éter, a exemplo da lenda celta de Tristão e Isolda (presente neste site). Passado o período do arrebatamento, muitos se perguntam como aquilo pode acontecer, sem entender o porquê de parecerem tão enfeitiçados. Não é à toa, portanto, que antigamente e ainda nos dias de hoje em certas culturas, esse amor tão desatinado seja creditado a algum tipo de magia. Quem nunca ouviu histórias sobre as famosas poções mágicas?

Quando apaixonada, a pessoa cria uma visão imaginária da pessoa amada, colocando-a num pedestal, vendo-a como um ente especial, ignorando seus defeitos e ansiando por sua presença, pois essa lhe traz uma grande euforia. A Ciência tem procurado estudar os efeitos da paixão nas pessoas, chegando à conclusão de que é similar ao de uma droga. Segundo os pesquisadores Barteles e Zeki, “O pensamento na pessoa amada gera no cérebro um padrão de atividade muito parecido com o que é desencadeado pelo consumo de drogas, sendo a euforia da paixão comparável aos efeitos alucinógenos da heroína e da cocaína”. A neurobiologia explica que as drogas têm a sua atuação sobre os mesmos circuitos cerebrais que os chamados elixires do amor — a oxitocina (hormônio que influencia a fêmea) e a vasopressina (hormônio que influencia os machos).

A paixão, portanto, não passa de uma dependência química e, como acontece com qualquer outra droga, seus efeitos vão se tornando menos intensos com o tempo. E aquele que se encontrava tomado por um intenso arrebatamento ou cegueira — para os mais realistas — acabam por “cair na real”. Contudo, existem grandes amores que duram para sempre — principalmente os não concretizados —, capazes de resistirem ao esfriamento tão comum ao que acontece com a maioria dos casais. Haja oxitocina!

Ao contrário do que reza a cartilha conservadora, o amor pode acontecer entre parceiros do mesmo sexo. O neurocientista Simon LeVay afirma que “nada impede que um corpo masculino contenha um cérebro de homem que se sente atraído por outros homens”. Tal afirmação também diz respeito ao cérebro feminino no que diz respeito a outra mulher.  Para o neurocientista a biologia concede uma ampla margem para todas as variantes da sexualidade, o que não significa que o homossexual do sexo masculino tenha cérebro de mulher e o do sexo feminino tenha sexo de homem. As mudanças encontram-se apenas nas regiões que determinam o desejo sexual.

Segundo o biofísico alemão Stefan Klein, “O desejo de um homem por outro homem (ou de uma mulher por outra mulher) não significa desvio de personalidade, e sim uma variação natural de uma predisposição fisiológica. Da mesma forma que existem destros e canhotos e pessoas com talentos diversos, alguns indivíduos apresentam uma inclinação sexual diferente, não havendo nada de anormal nisso. Existem todas as gradações possíveis entre a homossexualidade e a heterossexualidade. Só raramente o cérebro desenvolve uma polaridade inteiramente masculina ou feminina. Na maioria dos casos, a inclinação se mantém em algum lugar entre os dois extremos”.  A dedução, portanto, é de que somos “masculino e feminino” — como canta Pepeu Gomes — em proporções variadas.

Nota: ilustração – O Beijo, obra de Edvard Munch

Fonte de pesquisa:
A Fórmula da Felicidade – Stefan Klein – Editora Sextante

O QUE FIZ DE BOM HOJE PARA OUTREM?

Autoria do Dr. Telmo Diniz

        

Vivemos a época da rapidez e da pressa. Estamos sempre atrasados e sempre existe algo a ser feito. No meio de tanta correria fica difícil parar por alguns momentos para observar o outro em suas necessidades. Será que o senhor sentado ao meu lado está precisando de algo? Como anda a vida daquela menina que acabou de passar por mim? Como eu poderia deixar o dia de alguém melhor? Esse tipo de pergunta raramente passa em nossa mente. Falta espaço nos dias de hoje para um bem maior – a gentileza.

A gentileza é uma forma de atenção e de cuidado que torna os relacionamentos mais humanos e menos ríspidos. Quem a pratica tem boa vontade, é uma pessoa cuidadosa e delicada com com as pessoas que encontra. Fazer as coisas pelos outros é uma poderosa ferramenta para reforçar nossa saúde e felicidade, como veremos no transcorrer deste texto.

Estudos científicos mostram que ajudar os outros tem diversos benefícios, a citar:

  • impulsiona a felicidade;
  • aumenta os níveis de satisfação pessoal;
  • aumenta nossa sensação de competência;
  • melhora o humor e reduz o estresse;
  •  ajuda também a mudar o foco de nossos problemas cotidianos.

Em outras palavras ajudar o outro significa, em última instância, ajudar a si próprio. Já pensou nisso?

Estudos sugerem que há forte relação entre a felicidade e ajudar o próximo em cada uma das idades. Por exemplo, crianças na pré-escola e, que são mais empáticas, têm um “estado de espírito” mais feliz; estudantes do ensino médio que se envolveram com o voluntariado de alguma forma são mais produtivos. De igual forma, trabalhadores adultos que estavam mais felizes no local de trabalho foram mais propensos a ajudar os outros. Voluntariar-se também apresentou muitos benefícios para pessoas idosas, incluindo mais felicidade e satisfação em viver. Uma organização nascida em São Paulo e fundada por Renata Quintella (www.institutoanossajornada.org/por-renata-quintella/) tem foco no conceito: “O que posso fazer por você agora?”. Tem uma fórmula simples, sair às ruas para ajudar pessoas desconhecidas. Vale a pena entrar no site e conferir.

Atualmente já existem evidências de que tudo isso leva a um círculo virtuoso – felicidade nos faz doar mais, doar mais nos faz mais feliz, e assim por diante. Cientistas estão explorando a evolução do altruísmo, da cooperação, da compaixão e da gentileza. Se as pessoas se comportam de modo altruísta, muito provavelmente serão mais queridas e assim geram e fortalecem os contatos sociais. É certo que o trabalho voluntário e outras atividades sociais de ajuda ao próximo são um indicador de quão satisfeitas estão as pessoas. O egoísmo não leva ninguém a lugar nenhum. Temos que ajudar o outro para termos ajuda. Tudo nessa vida é recíproco, tudo que fazemos, seja de bom ou ruim, sempre volta, e volta em dobro. Encontre dentro de você a motivação para ajudar pessoas, mostrando que existem soluções para os problemas do dia a dia. Ajudar o outro é se encontrar. Então, o que você pode fazer por alguém hoje?

Nota: imagem copiada de Meus sonhos de vida!!!

DE MAL COM A VIDA

Autoria do Dr. Telmo Diniz

A ira não só faz parte dos sete pecados capitais, mas é a expressão máxima do nosso descontrole emocional.

Você, caro leitor, já ficou irritado com alguém ou com alguma situação? Para a maior parte das pessoas, a resposta possivelmente seria um “sim”. Entretanto, a ira vai muito além de uma simples irritação. Não só faz parte dos sete pecados capitais, mas é a expressão máxima do nosso descontrole emocional. Vejamos, então, como é possível reverter a energia de um episódio de fúria a nosso favor – e de terceiros.

Normalmente o que se espera de uma pessoa frente aos problemas e obstáculos que a vida impõe é que ela tenha autocontrole, sem irritabilidades e explosões de fúria. Porém, uma pessoa cronicamente estressada e irritada começa a achar “normal” seus quadros de mau humor crônicos, e isso vai se tornando um ciclo vicioso. A irritação e os acessos de raiva, em geral, não estão direcionados a uma pessoa ou a uma situação em particular. O sujeito simplesmente sente uma impaciência o tempo todo, o que gera intolerância, aborrecimento, vazio e um tédio que parece não acabar. Há dias em que a pessoa não aguenta a si própria. A vida vai ficando em “preto e branco”.

Existem sintomas que precedem os episódios de ira. Entre os mais comuns estão o baixo controle dos impulsos e o descontrole emocional. A pessoa tende a reagir de modo exagerado a determinados estímulos que outras pessoas conseguem suportar melhor, ou seja, existe uma baixa tolerância às frustrações. É o que a gente costuma chamar de “estopim curto”. Ocorrem desgastes pessoais e uma sensação de total intolerância. A pessoa tende a se tornar ranzinza e a se isolar socialmente.

Pessoas assim compartilham alguns comportamentos, como:

  • gritar e/ou permanecer inquietas;
  • normalmente, estão sempre tensas;
  • frequentemente têm comentários críticos a fazer;
  • sofrem com problemas digestivos
  • e têm dificuldades em ter um sono reparador.

É importante observar que acordar de mau humor depois de uma boa noite de sono deve ter algum significado.

Irritações e episódios de fúria podem estar relacionados a vários fatores clínicos e/ou psicológicos, como:

  • intestino preso (constipação),
  • enxaqueca ou dor de cabeça crônica,
  • anemias por deficiência de ferro,
  • doenças da tireoide,
  • tensão pré-menstrual (TPM),
  • insônia,
  • infecções,
  • transtorno de humor (distimia),
  • transtorno de ansiedade,
  • depressão,
  • fadiga crônica, etc.

A persistência de uma irritabilidade constante, por dias e até meses, pode ser um problema médico e/ou psicológico sério. Portanto, uma ajuda especializada pode se fazer necessária. Pense que, para expressar mau humor, você precisa movimentar 102 músculos da face. Ao contrário, para sorrir, apenas seis. Tente enxergar a vida mais colorida.

O filósofo grego Sêneca disse, em uma de suas passagens que “uma ira desmedida acaba em loucura; por isso, evite a ira, para conservar não apenas o domínio de si mesmo, mas também da sua própria saúde”.

OH! CÉUS, OH! VIDA, OH! AZAR!

Autoria do Dr. Telmo Diniz

Os leitores de mais idade vão se lembrar do desenho animado criado pelos estúdios Hanna-Barbera (EUA), no qual os dois personagens viajam pelo mundo em busca de uma vida tranquila e de sucesso e fortuna. O leão Lippy é um otimista nato e acredita que tudo vai dar certo. Já a hiena Hardy é o típico reclamador contumaz. No texto desta semana vamos ver como identificar esse tipo de pessoa e saber observar suas diversas facetas.

O reclamador contumaz é aquele que reclama de tudo. Nunca nada está bom. Aliás, sempre pode piorar. É igual o personagem da hiena Hardy, que repete o bordão: “Oh vida, oh céus, oh azar… isso não vai dar certo!”. É um pessimista nato. Sofre nas filas de hospital, nas filas do banco ou em qualquer lugar que tenha que esperar. Tem um semblante pesado, anda curvado e nunca demonstra atitudes de proatividade.

Indignado com o mundo e com tudo que o cerca, o reclamador habitual sabe de todas as mazelas e notícias ruins que saem nos noticiários. É difusor de péssimas notícias. Reclama muito, mas não tem resolução para quase nada. Aliás, nunca pergunte como andam as coisas, pois se o fizer, se prepare! Puxe uma cadeira e senta, pois vai demorar.

Muitos dos reclamadores estão desiludidos com tudo e com todos – “os homens não prestam, as mulheres são todas iguais e a família é uma instituição falida”. Já outros adoram sofrer compulsivamente, pois seus problemas são sempre piores, maiores, mais complexos que o dos outros! Eles querem demonstrar que sua força está em aguentar todas as mazelas que podem suportar. Por fim, existem os reclamadores que estão sempre atarefados, reclamam que nunca têm tempo pra nada e que estão sempre ocupados. Colocam-se sempre açodados e com algo a fazer, entretanto, são procrastinadores diários.

O fato é que a lamúria e a constante reclamação criam conexões neurais que vão estimular a produção de cortisol e adrenalina (hormônios do estresse) que provocam estados de tensão e esgotamento. E isso, no longo prazo, pode acarretar doenças. Por outro lado, quem tem pensamentos positivos cria conexões neurais que estimulam a produção dos “hormônios da tranquilidade” – endorfina e serotonina. É simples! Pensamentos positivos trazem boas coisas e pensamentos negativos certamente vão andar de mãos dadas com a hiena Hardy.

Para não nos tornarmos pessoas reclamadoras, a atitude a ser adotada aponta para o desenvolvimento da inteligência emocional, que tem, entre suas características, a capacidade de controlar impulsos, canalizar emoções para situações adequadas, praticar a gratidão e passar a motivar as pessoas ao seu redor. Para ser otimista, treine o cérebro e seu corpo com hábitos simples. Primeiramente, pratique a meditação por 15 minutos diários. Faça 30 minutos de exercícios físicos e seja uma pessoa engajada, ou seja, envolva-se em atividades que tenham real significado para você, como a profissão, um hobby, esportes ou mesmo o voluntariado.

Vá e faça, mas deixe de reclamar!

EXERCÍCIOS FÍSICOS EM TODAS AS IDADES

Autoria do Dr. Telmo Diniz

Nunca é tarde para iniciar atividades físicas. Isso é o que apontam alguns estudos relacionados ao tema. Portanto, se o seu caso está ligado ao sedentarismo e à preguiça  não permite que você volte a se exercitar, não se preocupe, porque ainda é “tempo de correr atrás do prejuízo”.

Um desses estudos foi apresentado no Congresso EuroPRevent, na França, e apontou que começar a fazer exercícios antes dos 30 ou depois dos 40 anos oferece os mesmos efeitos positivos ao coração. Com isso, os pesquisadores concluíram que iniciar a prática de atividade física após os 40 anos não é tarde demais para beneficiar o sistema cardiocirculatório.

Nessa pesquisa, metade dos homens começou a prática de exercícios antes dos 30 anos e a outra metade depois dos 40. Os voluntários passaram por vários exames, como medição da frequência cardíaca e da pressão arterial, ecocardiograma e testes durante os exercícios. Foi verificado, em paralelo e durante o estudo, que houve benefícios extras, com melhora da densidade óssea e da massa muscular. Mesmo considerando as mudanças biológicas que ocorrem com a idade, o coração, segundo os pesquisadores, é capaz de melhorar sua função quando se começa a praticar exercícios após os 40 ou 50 anos. A conclusão final é que o benefício é geral para todas as idades, independentemente do tempo de início das atividades.

O exercício físico regular traz benefícios diversos:

  • Melhora e fortalece todo o sistema cardiorrespiratório – o que inclui coração e pulmões.
  • Melhora a coordenação motora e a flexibilidade corporal e modula medidas importantes, como o colesterol, a glicemia e a pressão arterial.
  • E vai além, pois pode prevenir processos neoplásicos e degenerativos, como as artroses.
  • Benefícios extras, como redução do estresse, de quadros depressivos e dos episódios de ansiedade, são nitidamente observados devido à melhora do estado de humor.

Entretanto, a pessoa sedentária tem que iniciar as atividades de forma mais leve e, se possível, sob supervisão médica ou de educador físico. Começar caminhando é uma boa ideia, pois não se esgota um corpo que ainda não está preparado para exercícios mais intensos. O tempo necessário para ir ganhando um bom condicionamento físico é de 150 minutos divididos em cinco vezes na semana. Em outras palavras, praticar atividade física por 30 minutos ao dia é o ideal e não provoca fadiga.

Os três primeiros meses normalmente são os mais difíceis. É o tempo que o corpo leva para entender um novo padrão de comportamento. Você deve ter a consciência de que, no início, tudo é mais difícil e que vai sentir preguiça, mau humor e uma profunda vontade de desistir. A dica é ter regularidade e não se preocupar com a intensidade. Pense como se fosse uma conta que você vai ter que pagar. Se passar do dia do vencimento, a fatura vai aumentando aos poucos e vai cobrar seu preço no futuro. Portanto, pare e pense! Você tem de pagar uma conta de 30 minutos diários para não ficar endividado com sua saúde.

BUSCANDO UM PROPÓSITO DE VIDA

Autoria do Dr. Telmo Diniz

Um objetivo na vida é a única fortuna valiosa que se pode encontrar. Não se deve procurá-lo em terras estranhas, mas dentro do coração. (Robert Louis Stevensos)

Caro leitor, você tem um propósito de vida? Bom, primeiramente é importante sabermos do significado do que é ter um propósito de vida. É tudo aquilo que orienta nossa trajetória e está intimamente relacionado com a nossa personalidade. É o que justifica o porquê de levantarmos da cama todos os dias. Ter propósito, em última instância, está relacionado com nossos talentos, ações, objetivos, sonhos e aspirações.

A vida é bem complexa, e colocar nela um propósito verdadeiro certamente vai ajudar a fazer com que se torne mais colorida. Seu propósito é o que vai lhe dar alívio nas horas mais duras e difíceis. Todos os dias, bilhões de pessoas ao redor do mundo seguem suas rotinas sem se perguntar qual é o propósito de suas vidas. Entretanto, temos de parar em meio à correria do dia a dia e nos perguntar: para onde isso que eu faço todos os dias vai me levar?

Um estudo conduzido por três pesquisadores de universidades inglesas (College London, Princeton University e Stony Brook University) revelaram que pessoas que viam sentido real no que faziam tinham 30% menos chances de morrer precocemente do que as demais. A pesquisa acompanhou um grupo de 9.050 ingleses, com idade média de 65 anos, e dividiu os participantes em quatro grupos: desde os que tinham um claro propósito de vida até os que não tinham nenhum. O resultado apontou que 9% dos que tinham um propósito faleceram durante o estudo, contra quase 30% dos que não tinham nenhum propósito. Ou seja, quem tem propósitos de vida firmes vivem mais e melhor.

Quem não tem algo no que acreditar ou que faz seu coração bater mais forte costuma andar em trevas pela vida. Podem entrar em depressão por não ter certeza de qual é o seu lugar no mundo. Encontrar seu propósito de vida parece ser uma tarefa complexa, mas a partir do momento em que você passa a se conhecer melhor e passa a obter as respostas certas, passará a dar passos mais firmes em direção a seus objetivos.

Portanto, tire alguns minutos de seu tempo para refletir. Dê preferência a um local onde não possa ser interrompido. Pegue papel, caneta e responda às perguntas de maneira totalmente honesta consigo mesmo:

  • Quem eu realmente sou?
  • Qual a minha importância para o mundo?
  • Quais são minhas qualidades e como posso utilizá-las dando minha contribuição?
  • Quais são meus maiores talentos?
  • Quando penso em mim, quais são as principais características que me vêm à mente?
  • O que realmente me dá prazer e que eu gostaria de fazer?
  • O que me faz vibrar?
  • O que me faz feliz?
  • O que me faz sorrir?
  • O que faz meu coração bater mais forte?
  • Qual a atividade que me leva a esquecer do tempo?
  • O que eu defenderia com unhas e dentes?
  • Como eu quero que os outros se lembrem de mim?
  • Qual o legado gostaria de deixar?

As respostas verdadeiras irão ajudá-lo a definir seus propósitos de vida.

Robert Louis Stevensos, escritor britânico, falou que “um objetivo na vida é a única fortuna valiosa que se pode encontrar. Não se deve procurá-lo em terras estranhas, mas dentro do coração”.