QUEM MUITO ABAIXA A BUNDA APARECE

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH bunda

Este é um ditado muito comum, conhecido em todo o Brasil, apresentando pequenas variações, tais como: “quem muito abaixa o cu aparece” ou ainda “quem muito abaixa mostra a bunda”.

O ditado em questão originou-se de “quem muito se abaixa, oculto padece”, mas como a língua tem essa capacidade fantástica de modificar-se através dos tempos, pois ela é viva, moldando-se ao sabor dos ventos e das culturas,  o “oculto padece” cedeu lugar à “bunda aparece”. Talvez seja porque nos dias de hoje essa parte carnosa de nossa anatomia anda em alta, abundando e desbundando sem nenhum acanhamento, podendo se abaixar à vontade.

E por falar em abaixar-se, estupefata fiquei eu, ao saber que certas garotas abrem mão de determinada peça interna do vestuário feminino, responsável por cobrir e proteger os “países baixos”, quando nos bailes funks, apesar do sobe e desce dos requebros e dos micro vestidos. É o fim do mundo! – diria minha avó Otília, se viva estivesse.

Voltando ao dito popular “quem muito se abaixa a bunda aparece”, este alude-se às pessoas que se tornam servis em demasia para agradar outrem, sem nunca expor suas convicções, seus pontos de vista. Acabam perdendo o respeito dos outros por elas e sujeitando-se a abusos de todo tipo.

16 comentaram em “QUEM MUITO ABAIXA A BUNDA APARECE

    1. LuDiasBH Autor do post

      Lúcia

      Obrigada pela visita e comentário. Será um prazer recebê-la aqui, sempre!

      Abraços,

      Lu

      Responder
  1. Adevaldo R. de Souza

    Lu

    Hoje em dia quem está abaixando muito corre o risco de mostrar tudo. Alguns podem até levar um pé na bunda.

    Parabéns pela iniciativa de trabalhar com ditos populares.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Adevaldo

      É verdade! Nada como expressar a sabedoria popular através de seus ditos.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Vanessa

    Lu
    Minha avó tinha uma outra variação: QUEM MUITO ABAIXA A CABEÇA, ACABA MOSTRANDO A CALCINHA. Levo isso sempre comigo, lembro-me de deixar claro os limites por mais duros que sejam.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Vanessa

      Achei muito legal. Realmente há momentos em que é preciso mostrar os limites aos intolerantes e espaçosos.

      Obrigada por sua visita. Volte mais vezes.

      Beijos,

      Lu

      Responder
  3. Edward Chaddad

    LuDias

    Há muitas verdades neste texto.

    Está cada vez mais difícil entender as nuanças de nosso mundo. A falta de limites está nos levando à exposição de nossos sentimentos. Quando se trata de um bem humano como a vida, aí temos um quadro dramático e inaceitável. Pessoas matam outras pelo simples entendimento de que podem tudo, pois não têm limites. Nada os pode deter.

    Como resolver? Talvez a resposta possa estar no sentido verdadeiro da expressão. Temos que nos indignar, mesmo que venhamos a não agradar a outras pessoas, por vezes nossos patrões de quem dependemos. É difícil expor nossas convicções, pois há cérebros humanos tão devastados pelo consumismo, que poucos podem entender.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Ed

      O consumismo é a traça da vida moderna. Compra-se tudo, exceto o amor que é invendável.

      Ainda hoje uma amiga é eu estávamos comentando sobre a grande maioria dos brasileiros que viaja para o exterior com uma única preocupação: comprar. Não busca conhecer um pouco da cultura do povo visitado, não visita um museu ou qualquer outra fonte de cultura.

      Não podemos, realmente, curvar-nos diante da prepotência. Os arrogantes estão aí, aos montões, querendo dominar tudo e todos. A falta de limites é o mal maior de nosso dias, que dá vida a muitos outros. Hoje é possível ver crianças mandando nos pais, desrespeitando as pessoas, como se isso fosse normal. E é em casa que se aprende onde ficam os limites.Os excessos são um grande mal. Nós precisamos encontrar o equilíbrio tão preconizado por Buda.

      Abraços,

      Lu

      Responder
        1. Mário Mendonça

          Lu Dias

          Quanto ao baile funk, a falta da calcinha é pela luxuria e pela facilidade do coito na dança. As músicas, muitas vezes, são próprias pra isso.

          Abração

          Mário Mendonça

        2. LuDiasBH Autor do post

          Mário

          Você está certo. O “amor” com minúscula vem sendo comprado por aí. Que o diga o dono da Playboy que, com quase 90 anos, casou-se com uma gatinha de 26.

          Abraços,

          Lu

        3. LuDiasBH Autor do post

          Mário

          Estou navegando na maionese…
          A que se refere?

          Abraços,

          Lu

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.