COMO EVITAR A DEPRESSÃO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Edward Chaddad

Sempre que buscamos olhar para o nosso entorno, evitamos que o cérebro seja preenchido pelas nossas preocupações que semeiam os maus pensamentos e que nos levam à depressão. Realmente, não somos uma ilha! Nós temos muitos problemas em nossa vida, os quais devemos enfrentar com coragem, pois tudo passa muito rápido. Não podemos perder noites de sono para pensar em como agir diante de nossos desafios. Temos que viver o “dia de hoje” sempre. Nos afazeres da vida, cansados, certamente iremos dormir sem pensamentos que nos ofusquem o descanso noturno.

Devemos sempre pensar, dialogar e refletir sobre como iremos enfrentar o agora. É importante resolver as questões imediatas. Buscar preparar nosso futuro, economizando e construindo outros degraus de nossa escada vindoura, mas o importante mesmo é solucionar os problemas e situações presentes que nos trazem o nascer do sol. Nosso cérebro, desta forma, estará preocupado com o entorno. Coloco aqui o nosso trabalho, a busca de solução profissional para outras pessoas, a lida diária com afazeres domésticos, a saúde de toda a nossa família, a educação de nossos filhos.

É muito melhor não termos tempo de ficar pensando em nossos problemas, em nós mesmos. Somente em caso de doenças deve haver preocupação, enfrentadas sem ficar ruminando pensamentos ruins, máxime no descanso noturno. Temos que agir, buscando médicos, escutando-os, tomando medicamentos e inclusive internações e cirurgias em hospitais, embora, acredito, sempre com certa apreensão e medo em relação aos demais familiares.

A vida é uma travessia. Muitas vezes iremos sentir medo e tomar sustos, não entendendo os fatos que estão acontecendo, porém, mesmo diante do quadro cinzento que, em alguns momentos, vislumbramos, temos que ter esperança. Temos que sonhar. As palavras amigas ajudam sempre, é claro. Mas a reflexão é muito importante para nos levar à razão. Mesmo que o caminho seja espinhoso, com muitas pedras a serem removidas, devemos caminhar, contemplando o nosso entorno, seguindo o exemplo do povo mais humilde e trabalhador, que enfrenta diariamente graves problemas, como a fome, a ausência de atendimento à saúde, mesmo a educação pública muitas vezes ruim e sem qualquer tipo de assistência social.

Nossos problemas existem, mas, felizmente, sempre tivemos condições pessoais financeiras, bem ou mal, para enfrentá-los. Mas e os outros tantos que vivem à margem da sociedade? Cabe aqui lembrar que uma das coisas que combatem a depressão é agir em busca de efetivar nossos ideais de vida. Temos que agir muito em nossa vida, tanto na parte social, como na educacional, para auxiliar os mais necessitados. Além disso, devemos ter um grande amor pelos animais, sempre os socorrendo.

Tudo isso preenche a nossa mente, eliminando os espaços vazios que poderiam ser preenchidos pela tristeza que não cede, pelo desencanto e pela depressão, tão comuns aos dias de hoje. Eis uma grande razão para não nos deixarmos tomar pelo desânimo. Temos que ter força e, com Deus no coração, seguirmos nosso caminho, nossa travessia de vida, com esperança sempre. Uma atividade altruísta nos auxilia a nunca ficarmos deprimidos. Quando conseguimos auxiliar alguém e ver a alegria estampada em seu rosto, isso é contagiante, legando-nos um sentimento de felicidade e bem-estar. Penso que este é um remédio importante que todos devem buscar, pois nos afasta da depressão que, assim, não encontra lugar em nosso cérebro.

A nossa atividade não nos oportunizou a ociosidade. A única parada é o sono que vem para repor o trabalho diário de nossas atividades. Não quero dizer que nada nos atinge. Muitas vezes, chegamos a beirar a depressão, nos momentos mais tristes e na chegada de notícias desagradáveis, o que é humano. Mas dias após os fatos, estamos lá, trabalhando e desenvolvendo nossas atividades diárias, sem tempo para nos arruinarmos emocionalmente, pois sempre é preciso tocar a vida para frente. O egoísmo nunca terá condições de instalar-se em nós. Tínhamos e temos que pensar em nossa família e na vida em nosso entorno. Há muito o que fazer.

É evidente que o ego nos acompanha em todas as nossas decisões, pois somos ele, mas dele nos esquecemos quando a tarefa tem finalidades que busquem o próximo. Exemplo disto é o ator que se insere no personagem que representa e procura ficar longe de sua personalidade, embora sempre haja neste mister a influência de seu próprio ser, mas o “eu” fica em segundo plano. Podemos nos livrar de pensamentos e sentimentos ruins, quando atuamos externamente, sem deixarmos espaço vazio, gerado pela ociosidade.

Ilustração: A Lua, 1928, Tarsila do Amaral

18 comentaram em “COMO EVITAR A DEPRESSÃO

  1. Célia Lopes

    Edward

    Num determinado período da minha vida, participava de um blog. Neste blog fiz amizade com várias pessoas muito queridas, uma delas é a Lu. Também tinha dois senhores que comentavam no mesmo blog. Na época, meu filho teve uma depressão severa, o que me deixou extremamente preocupada. Estes dois senhores que comentei acima, me deram um suporte incrível, um porque já tinha sofrido depressão e o outro tinha um familiar com o mesmo problema. Hoje, tenho oportunidade de agradecer de coração a um destes senhores. Obrigada, Edward, pela ajuda emocional que você me prestou. Nunca esquecerei vocês. Abraços à família.

    Responder
    1. Edward Chaddad

      Prezada Célia

      Perdoe-me, mas não tenho lembranças desta passagem. Sei que fiz vários comentários e até artigos sobre esta matéria, procurando mesmo levar a todos condições para o enfrentamento destas situações, pois vivenciei o tema. Fiquei muito feliz com o seu comentário.

      A nossa querida Lu Dias tem escrito maravilhosamente sobre questões mentais, incluindo a depressão. Embora eu tenha ficado doente com problemas neurológicos (acredito que foram pela idade, pois tenho 78 anos de idade), perdi a leitura de muitos textos excelentes que ela já escreveu. Porém, estou voltando, lentamente, mas estou. Vou lê-los todos, pois não os posso perder.

      Sei que, ao olhar a natureza, os animais, a música, a poesia, o amor entre as pessoas, o carinho entre os amigos, percebo que isto são alimentos para a alma, para alicerces de cada um de nós, sustentando-nos, principalmente, para não perdermos nossos sonhos e desejos, muito menos os nossos sentimentos e amor pela vida.

      Eu é que agradeço intensamente a sua lembrança e fico muito satisfeito e feliz, pelo seu testemunho, percebendo que é bom escrever o que sentimos que, na época, trouxeram suporte para a sua sustentação emocional.

      Um forte abraço

      Responder
      1. Célia Lopes

        Edward

        O período a que me referi foi em 2008. Frequentávamos o blog do Nassif. Foi um ano muito doloroso para mim. Meu filho começou com depressão em julho. Meu marido faleceu em 06/11/2008. Meu filho ficou em tratamento durante muito tempo, pois a morte do meu marido piorou ainda mais a sua depressão. Graças a Deus, hoje ele já está curado. Espero que você esteja melhor!

        Abraços,

        Célia

        Responder
        1. Edward Chaddad

          Prezada Célia

          Peço-lhe desculpas por não me lembrar. Os problemas neurológicos afetaram minha memória mais antiga, porém, graças a Deus, não a recente, que poderia ser indicativo de Alzheimer. Minha mãe faleceu com esta doença e foi muito triste. Agora falando sobre o Nassif, acabei por lembrar-me de você, mas não do episódio que você narrou e que lhe trouxe muito sofrimento. Fico feliz por seu filho estar curado e com saúde. Penso que, com certeza, seu amor a ele foi muito importante na sua cura.

          Abraços

          Edward

  2. Edward

    LuDias

    Neste tema você tem sido muito a minha inspiração. É uma mestra. Não tenho como antes, lido tanto aqui, como em outros sites. Porém leio muito do que você escreveu e trouxe-me luzes para entender melhor o mundo. O texto que escrevi tem muito a ver com outros que você escreveu e outros temas sobre esta questão publicados na internet. Obrigado pelo espaço e pela gentileza de suas palavras.

    Um forte abraço,

    Edward

    Responder
    1. Edward

      Dependo do sentido. Se relacionar com a origem da palavra, e mãe. E tudo é felicidade. Mas para Hélio Souto o termo é amplo: “É uma construção mental que engloba todas as crenças, os preconceitos, os tabus, tudo que se acredita que é a verdade, as ilusões, a visão romântica da vida, o não querer ver a verdade, o não compreender, o não aceitar, o não agir, o paradigma vigente, a dissonância cognitiva, a visão superficial de tudo, etc.”

      Ainda, dentro dos conceito acima, Matrix que foi um filme, mostra um futuro distópico no qual a realidade, como percebida pela maioria dos humanos é, na verdade, uma realidade simulada chamada “Matrix”, criada por máquinas sencientes para subjugar a população humana, enquanto o calor e a atividade elétrica de seus corpos são usados como fonte de energia. Talvez, neste ultimo sentido, estejamos, realmente nos sentindo como objeto para que os “donos”, hoje as máquinas que subjugam a população, para usá-la em favor, como a energia que lhe proporciona o poder. Esse sentimento, muitas vezes, quando começo a falar sobre tais problemas, máxime quando se percebe que a ignorância grassa grande em parte de nossa população, minha esposa diz: o que podemos fazer? Não podemos nada. E é a verdade. Daí talvez me sinta como você.

      Obrigado pela leitura,

      Edward

      Responder
  3. Maria Lúcia da S. Capeli.

    Querido amigo Edward.

    Sempre gostei do que escreve. Admiro seu modo de pensar e agir. Não tenho depressão, luto contra. Tive e tenho muitos problemas. Tento resolver os meus e os de minha família. Assim como de amigos e conhecidos. A vida está difícil, mas temos que enfrentar com força e fé. Sou triste com os acontecimentos desagradáveis, perda de parentes, amigos e conhecidos, desentendimentos, guerras, brigas políticas, etc. E ver tanta gente sofrendo. Nem é preciso dizer que é filho de pais maravilhosos, irmãs de ouro e família linda. Você só poderia ser essa pessoa que admiro tanto. Grande abraço e parabéns pelo lindo texto!

    Responder
    1. Edward

      Querida amiga

      Lembro que temos, acima de tudo, que buscar a felicidade. E ser feliz é um estado de ânimo. Temos que, em cada momento da vida, perceber que fazemos parte da humanidade, onde há alegria e tristezas, triunfos e insucessos, amor e ódio, a mentira e a verdade, vida e morte, uma série de antíteses inesgotáveis.

      Como reagir a tudo isto, para poder ser feliz? O fato é que na vida, temos momentos de felicidade e de infelicidade. O importante, para sermos felizes, é enfrentar, com equilíbrio emocional, inteligência para compreendermos que a vida é feita de contrastes, que atinge a todos. E por que a nós também. A vida, não canso de dizer, e uma travessia. E temos que buscar a felicidade de todo nossos entes queridos, o que, com certeza, nos trará grande felicidade.

      Deus concedeu ao ser humano a incrível capacidade dos sentidos. Podemos ver em colorido, o que é privilégio humano, a maravilha da natureza, florestas, lagos, mares, os animais, o p\õr do sol, as estrelas, a lua. Podemos correr, respirar, sentir o odor das flores, ouvir músicas maravilhosas, mesmo o cantar dos pássaros, admirar pinturas, ler livros magníficos, saborear os alimentos. E o melhor de tudo: podemos pensar, aprender, raciocinar, criar, inovar, ter sentimentos. E o mais importante: podemos amar.”

      A vida nos dá coisas lindas e não podemos desperdiçar. Perceber isto, certamente, lega-nos a felicidade. Ser feliz é um estado de ânimo. É ver o mundo com sabedoria, aprendendo todo o dia, é claro.

      obrigado pelo seu comentário,

      Edward

      Responder
  4. Eliana Pulini

    Edward

    Muito bom e bem explicado irmão querido o seu texto com conteúdo específico para essa doença que atinge muitas pessoas em qualquer idade… Temos que ter muito cuidado e evitarmos que o cérebro seja preenchido pelas nossas preocupações que semeiam os maus pensamentos e que nos levam à depressão. Obrigada pelo seu carinho. Saudade de todos vocês. Parabéns pelo belo texto, admiro a sua inteligência, você é dez!

    Responder
    1. Edward

      Querida irmã

      Você assevera com muita propriedade que :

      “Temos que ter muito cuidado e evitarmos que o cérebro seja preenchido pelas nossas preocupações que semeiam os maus pensamentos e que nos levam à depressão.”

      Este seu pensamento me fez lembrar de nosso saudoso avô, João Baptista Pimentel, na sua mocidade, infelizmente, sofreu com um câncer na garganta e teve que extrair as cordas vocais. A sua expressão verbal era a sua alma. E, de repente, não podia mais falar. Só escrever. E assim nasceu J.Triste, o codinome do nosso avô poeta, que escreveu centenas e centenas de poesias e textos, publicando-os no jornal semanário de Rio Claro. Foi reconhecido naquela cidade, que passou a chamá-lo de “poeta de Rio Claro”. Nosso avô conseguiu que o cérebro dele não fosse preenchido pelas nossas preocupações que semeiam os maus pensamentos e que nos levam à depressão, muito pelo contrário, passou em todos os seus versos mensagens de felicidade e amor. Um de seus textos, transcrevo aqui, para que perceba quanto difícil é alguém perder a capacidade de falar. Porém, ele venceu a deficiência, com muita força e galhardia e não restou depressivo:

      “É DA VIDA

      Meu amigo, não desanime. Só aquele que tem sofrido mal físico e que já se acostumou com o sofrimento é que está habilitado a animar, dar conselhos e consolar a outrem, que também, fisicamente, começa a entrar para o rol dos sofredores neste mundo, nesta obra monumental e perfeita de Deus que, infelizmente, dá abrigo a uma humanidade imperfeita.

      O mal não é do mundo, mas sim dos homens que fingem, descaradamente, crer no poder do Criador Eterno, julgando ludibriá-lo.

      Mas você, meu amigo, é compreensivo, desprendido das coisas terrenas e crê em Deus e, por isso, encontra, facilmente, força moral suficiente para rebater o seu grande mal físico, resignando-se com a vontade divina, tendo a fé como esperança e esta como bálsamo mitigador.

      E o mal físico, por maior que seja, é sempre menor do que o moral. Dói-nos mais este, que é incurável, do que aquele que, conforme a sua natureza, quase sempre tem cura.

      E, por isso, meu amigo, você não deve se afligir, confiando sempre no poder de Deus, que é infinito e que lhe dará forças precisas para que possa resignar, aconteça o que acontecer.

      Mire-se neste espelho que sou eu…e então…

      Para alguns, a estadia na terra é curta e sem males, enquanto que para outros é longa e sofredora!

      Entretanto, quem não sofre… não vive. Por isso, que o sofrimento, seja ele qual for – seja qual for a sua extensão – faz parte integrante da vida.

      Autor – J.Triste ( João Baptista Pimentel )
      Publicado no livro Simplicidade ( 1957)”
      .

      Responder
    1. Edward

      Querido genro Leilson

      Fico muito feliz com o fato de você ter lido o meu texto. É uma pessoa maravilhosa que traz a todos muita felicidade, porque, acima de tudo, tem amor em seu coração. Posso lhe dizer que tem valores éticos que estão desaparecendo em nossa sociedade: honra, honestidade, amizade, família, dignidade, verdade, trabalho, enfim os valores todos juntos, estruturados e frutificados pelo amor na família.

      Um grande abraço,

      Edward

      Responder
    1. Edward

      Prezado amigo Rui

      Eu tenho uma grande admiração por você, por sua intelectualidade, cultura e honestidade nos seus princípios de vida. Tenho certeza de que esses momentos a que se refere serão breves. Irão passar. Lembro aqui que você possui grandes ideais de vida, preocupando-se com o próximo, os mais necessitados, tanto na parte social como na educacional. Isto irá preencher a sua mente, eliminando os espaços preenchidos pela tristeza e pensamentos de desencanto.

      Cabe aqui lembrar que uma das coisas que combatem a depressão é agir em busca de efetivar nossos ideais de vida. Com certeza continuara a agir muito em sua vida, tanto na parte social como na educacional, buscando o bem comum. Não pode haver em sua mente tristeza e nem desencanto que leva ao desânimo. Tenho a certeza de que tem força e, com Deus no coração, seguirá o caminho, a travessia de vida, com esperança sempre, sonhos, muitos sonhos.

      Obrigado pela leitura. Um forte abraço,

      Edward

      Responder
  5. LuDiasBH Autor do post

    Edward

    Você nos brinda com um excelente texto que nos mostra que caminhos tomar para evitar a depressão, doença tão comum aos dias de hoje. Apresenta metas simples, possíveis de serem atingidas por qualquer pessoa. Qualquer trecho que eu tirasse de seu texto seria brilhante, mas vou me ater a:

    “Mesmo que o caminho seja espinhoso, com muitas pedras a serem removidas, devemos caminhar, contemplando o nosso entorno, seguindo o exemplo do povo mais humilde e trabalhador, que enfrenta diariamente graves problemas, como a fome, a ausência de atendimento à saúde, mesmo a educação pública muitas vezes ruim e sem qualquer tipo de assistência social.”

    Abraços,

    Lu

    Responder
  6. Jovimari

    Edward

    Parabéns, você sempre com sábias reflexões e palavras! E tem a frase que acredito que sempre ajuda muito: “deixei a minha dor e fui cuidar do outro.”

    Responder
    1. Edward

      Querida amiga

      Realmente, quando você destaca a frase “deixei a minha dor e fui cuidar do outro”, é com certeza aquilo que melhor se adequa a sua vida. Com certeza, é uma pessoa muito preocupado com o próximo, o que nos leva a bons pensamentos e uma vida repleta de alegria. A atividade altruísta nos auxilia a nunca ficarmos deprimidos. Quando conseguimos auxiliar alguém e ver a alegria estampada em seu rosto, isso é contagiante, legando-nos um sentimento de felicidade e bem-estar.

      Obrigado por seus comentários,

      Edward

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.