Francesco Albani – O RAPTO DE EUROPA
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

rapteuropa

A composição denominada Rapto de Europa é uma obra do pintor barroco italiano Francesco Albani (1578-1660) que nela representa um acontecimento da mitologia grega. Gostava de pintar objetos idílicos de antigos mitos ou representações. Ele trabalhou tanto com assuntos mitológicos e alegóricos quanto assuntos piedosos, como mostram os 45 retábulos criados por ele.

O artista apresenta em sua obra o momento em que Zeus — o deus dos deuses — depois de apaixonar-se pela bela princesa Europa, filha do rei da Fenícia, rouba-a. Para enganá-la e aproximar-se dela, ele toma a forma de um touro branco. Inocentemente, ela monta em seu dorso, deixando-se levar por ele. Só que Zeus leva-a para Creta.

Sete seres alados acompanham Europa e o touro, sendo que uma ave parece indicar o caminho. O deus Hermes — o mensageiro dos deuses — segue-os. Na margem os amigos da princesa mostram-se preocupados ao vê-la distanciar-se cada vez mais.

Ficha técnica
Ano: c. 1639
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 76,3 x 97 cm
Localização: Galleria degli Uffizi, Florença, Itália

Fonte de pesquisa
1000 obras-primas da pintura europeia/ Könemann
Mitologia/ Thomas Bulfinch

O LIMIAR DO RENASCIMENTO (Aula nº 32)
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

  

                                                      (Clique nas gravuras para ampliá-las.)

Deixamos para trás a Idade Média e entramos na Idade Moderna que abrange um período conhecido como “Renascença”, palavra que significa “nascer de novo” ou “ressurgir”. Teremos mais aulas relativas a esta fase em razão de seus muitos acontecimentos e transformações políticas, econômicas, religiosas, sociais e culturais. Esse foi um período marcado pelo fim do feudalismo e pelo o início do capitalismo. Foi assinalado sobretudo pelo desejo de revisitar o ideal artístico greco-romano, desejo esse que se iniciou na Itália e depois se expandiu pelo resto da Europa.

Voltando no tempo, lembremo-nos de que o artista italiano Giotto di Bondone — um gênio da arte — foi o responsável por dar uma nova visão à pintura, ao romper com o conservadorismo da arte bizantina, buscando reportar para a pintura as figuras realistas da escultura gótica, inaugurando, assim, uma nova fase na arte pictórica. Ele havia redescoberto a arte de dar vida à ilusão de profundidade numa superfície plana. Foi a partir daí que a ideia do “Renascimento” passou a ganhar vida na Itália. Nessa época, quando as pessoas queriam exaltar o trabalho de um artista, diziam que “a sua obra era tão boa quanto a dos antigos”. As obras de Giotto, portanto, eram comparadas com as dos melhores mestres da Grécia e da Roma antigas.

A ideia de que a arte antiga de gregos e romanos era admirável foi ganhando terreno na Itália, tornando-se cada vez mais popular. Os italianos estavam cônscios de que, num passado distante, a Itália que teve Roma como capital, chegara a ser o centro principal do mundo civilizado, até que tudo teve fim com a invasão das tribos germânicas (os godos) que destruíram o grandioso império. Os romanos ainda sonhavam com o poder e a glória da Roma de outrora, mostrando-se sempre comprometidos com a ressurreição de sua grandeza. Traziam os olhos voltados para a idade clássica e para uma esperançosa nova renascença.

Os sonhos dos italianos, contudo, careciam de uma avaliação mais real sobre como acontece o nascimento de um estilo. Nada se faz ou surge de uma hora para outra. As transformações vão se maturando aos poucos, acontecendo paulatinamente. Só para se ter uma ideia, os godos — acusados de serem os responsáveis pela queda do Império Romano — estavam distantes cerca de 700 anos da arte gótica (chamada de “bárbara” pelos italianos). Também não se pode negar que o “ressurgimento” da arte, após as inúmeras turbulências vividas na Idade Média (também conhecida como a Idade das Trevas, ainda que muitas vezes injustamente), aconteceu gradualmente, tendo o período gótico presenciado o alvorecer dessa ressurgência. Nada apareceu num piscar de olhos como desejavam os adeptos do Renascimento.

Os italianos mostravam-se menos conscientes desse processo gradual que acontece com a arte do que os povos que viviam mais para o norte da Europa. Qual a razão de tal comportamento? Em aulas anteriores nós vimos que a Itália demorou a aceitar o estilo gótico, ao contrário da Alemanha, da Inglaterra e da criativa França onde tal estilo teve origem. E mesmo as realizações Giotto só foram aceitas por algumas cidades italianas que as consideraram uma grande inovação, vendo nelas o que havia de mais nobre e grandioso na arte. Outros centros italianos persistiram com o estilo bizantino, acrescentando-lhes algumas mudanças, só vindo a abraçar as inovações do celebrado Giotto di Bandone muito tempo depois.

Os italianos do século XIV mostravam-se inconformados com a falência de Roma como centro cultural do mundo. Acreditavam que tudo aquilo (arte, ciência e  saber em geral) que havia florescido no período clássico — tendo sido destruído e erradicado pelos povos bárbaros do Norte (povos que não faziam parte do Império Romano) em especial os godos — haveria de voltar. Imaginavam que lhes cabia a incumbência de ressuscitar esse glorioso passado, reintroduzindo, assim, um novo tempo.

O sentimento de esperança e de certeza na possibilidade da criação de uma nova era foi mais forte especialmente em Florença — berço de Dante Alighieri (tido como o maior poeta da língua italiana, autor de “A Divina Comédia”) e de Giotto. E foi exatamente nessa cidade, nas primeiras décadas do século XV que um grupo de artistas se propôs, deliberadamente, a tentar cortar os laços com as ideias do passado e a criar uma arte nova, comprometida com a cultura clássica — o Renascimento.

Exercício
Responda as duas questões e acesse o link abaixo:

1. O que levou os italianos a desejarem o Renascimento?
2. Em que parte da Itália teve início o Renascimento?
3. Giotto – APRESENTAÇÃO NO TEMPLO   

Ilustração: 1. Apresentação no Templo, Giotto di Bondone ()/2. Obra de Dante Alighieri/ 3. Mapa da Itália.

Fontes de pesquisa
A História da Arte / Prof. E. H. Gombrich
Renascimento/ Nicholas Mann

 

IDADE MÉDIA E RENASCIMENTO (Aula nº 31)
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

Durante muito tempo se pensou que o Renascimento tivesse surgido na Itália durante o século XIV com as descobertas de Giotto (c.1266-1337) ou Cimabue (c.1240-1302?), tendo como término o final do século XVI. Contudo, na arte as coisas não acontecem com uma cronologia tão apurada, sendo muito comum dois ou mais estilos coexistirem num mesmo período, como já vimos anteriormente suceder com os estilos românico e gótico. Poucos sabem que muitas das ideias identificadas com o Renascimento já eram encontradas no século XII, sendo possível, portanto, encontrar na Renascença (ou Renascimento)  muitos pontos ligados ao período medieval.

Muitos estudiosos acreditavam que a Idade Média não tivesse passado de um milênio de grande decadência, responsável por deixar para trás — através do esquecimento ou do descuido — o êxito da época anterior (a Antiguidade). Hoje, porém, a idade medieval vem sendo olhada sob um novo prisma. Está provado que a cultura clássica (greco-romana) jamais desapareceu totalmente da Europa durante a Idade Média, tendo havido diversas tentativas com o objetivo de  revivê-la nos séculos que antecederam o Renascimento. Vejamos dois exemplos abaixo.

A primeira tentativa aconteceu no tempo de Carlos Magno, no final do século VIII e início do século IX. O desejo do imperador era restaurar o Império Romano na Europa Ocidental, fazendo renascer a arquitetura e a literatura romanas. Chegou a autorizar a cópia e a propagação dos textos clássicos e juntou um grupo de eruditos com o objetivo de dedicar-se ao estudo da literatura romana. Carlos Magno, mesmo sendo analfabeto, participou dessa realização com grande empenho. Essa tentativa do Renascimento carolíngio teve uma importância muito significativa ao manter viva as ideias clássicas e seus modelos, impedindo que fossem esquecidos. Os copistas da corte contribuíram para conservar os textos dos manuscritos latinos, tanto é que o tipo de letra “romana”, usada em nossos tempos, é carolíngia na origem.

Um segundo Renascimento aconteceu no século XII, quando houve um grande interesse pela civilização romana, havendo um crescimento e difusão de bibliotecas e a procura pela pureza da expressão literária. Buscavam imitar a escultura e a arquitetura clássicas. O contato com o mundo árabe e com as civilizações islâmicas através das Cruzadas permitiu o acesso às traduções de alguns trabalhos científicos e filosóficos da Grécia Antiga, permitindo acesso ao saber de Aristóteles sobre filosofia, física, astronomia, lógica, política e ética — assuntos até então desconhecidos dos eruditos do século XII. A criação das universidades, sobretudo em Bolonha, Pádua, Paris e Oxford, incluiu o estudo da lógica aristotélica, mas acabou por excluir todo o resto da grade de estudos, o que causou uma grande reação nos séculos XVI e XV.

O Renascimento foi muito mais do que um período. Foi principalmente um movimento cultural responsável por sinalizar um ponto crucial que se deu na transição da Idade Média para a Idade Moderna. Segundo o artista italiano e historiador de arte Giorgio Vasari (1511-1574), as artes estavam em busca da perfeição, o que levava “a uma recuperação da civilização antiga da Grécia e Roma”. O erudito humanista Marsilio Ficino (1433-1499) referiu-se a uma nova idade dourada em Florença que “tinha restaurado a vida das artes liberais que estavam quase extintas: a gramática, a poesia, a retórica, a pintura, a escultura, a música e o antigo cantar de canções na lira órfica”. Para o poeta e humanista Petrarca (1304-1374), o novo período fez com que “os homens saíssem da obscuridade”.

Ao Renascimento, portanto, não coube o papel de ocupar um vazio cultural absoluto, pois os “Renascimentos” anteriores foram responsáveis em vários sentidos por pavimentar o caminho para o ápice que viria a acontecer nos séculos XV e XVI. O Renascimento italiano foi a culminância de uma diversidade de tendências anteriores e não uma ruptura total com o passado, como se imaginava. Sabemos que a palavra “renascimento” significa “voltar a nascer” e foi com esse sentido que os eruditos e artistas dos séculos XV e XVI viram os acontecimentos no meio cultural do qual faziam parte — o renascer da civilização clássica após um imenso período de definhamento. O movimento renascentista teve um grande impacto em todos os aspectos da cultura, da literatura e da arquitetura, ao tentar, conscientemente, reabilitar e reviver o brilhantismo da Antiguidade Clássica. É fascinante estudar esse período!

Exercício

  1. Pode-se dizer que na Idade Média inexistiu a cultura clássica? Por quê?
  2. Por que o Renascimento carolíngio foi importante?
  3. O que foi o Renascimento italiano?

Obs.: Quem quiser rever alguma aula, basta buscar no ÍNDICE GERAL por ÍNDICE – HISTÓRIA DA ARTE   onde se encontram todas as que já foram dadas.

Fontes de Pesquisa
A História da Arte/ E. H. Gombrich
Renascimento/ Nicholas Mann

Varonese – O RAPTO DE EUROPA
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

orapeu

O pintor italiano Paolo Caliari (1528-1588), mais conhecido pelo nome de Paolo Veronese, ou simplesmente Veronese, como lhe chamavam os amigos, é tido como um dos grandes artistas de Veneza. Nasceu na cidade de Verona que era uma província de Veneza à época. Foi educado em sua cidade natal, sendo seu pai, o cortador de pedras Gabriel Caliari, o seu primeiro mestre, ensinando-lhe a modelar o barro. Mas ao perceber o talento do filho para o desenho, enviou-o para o pintor Antonio Badile, aluno de Ticiano.  Veronese tornou-se grande amigo do pintor Battista Zelotti, que também estudara com Ticiano.  Com ele foi tentar a sorte em Siena. Naquela cidade, os dois amigos tiveram a sorte de arranjar serviço com um nobre que lhes confiou a ornamentação de seu palácio. Esse trabalho foi muito importante para Veronese, pois aprendeu com o amigo importantes lições sobre o uso da cor e da composição, ensinadas pelo mestre Ticiano.

A pintura denominada O Rapto de Europa é uma obra do pintor italiano Paolo Varonese que inclui em seus trabalhos inúmeras narrativas mitológicas, como a vista acima.

Varonese pinta a cena mitológica em que a princesa Europa sobe no dorso de um boi — que não é outro senão o próprio Zeus. Três criadas ajudam-na, enquanto uma terceira observa os três pequenos cupidos colhendo flores ou as atirando no grupo. Um deles traz uma guirlanda na mão. Mais adiante, no caminho que leva ao mar, vemos outros cupidos e figuras humanas. É por este caminho que Europa será levada, até alcançar o mar.

Segundo a mitologia grega, Júpiter (Zeus em grego) — o deus dos deuses — rapta a princesa Europa, depois de apaixonar-se por ela. Para enganá-la, ele toma a forma de um touro branco, aproximando-se dela. Inocentemente ela monta em seu dorso, deixando-se levar por ele. Só que Zeus leva-a para Creta, onde a possui.

Ficha técnica
Ano: c. 1580-1585
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 240 x 303 cm
Localização: Palazzo Ducale, Veneza, Itália

Fontes de pesquisa
1000 obras-primas da pintura europeia/ Könemann
Mitologia/ Thomas Bulfinch
Mitologia/ LM

MELHORES JOGOS DE TABULEIRO ONLINE
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Se você já entrou em um cassino alguma vez sabe que uns dos jogos mais famosos e populares são os jogos de tabuleiro. Desde o surgimento desses, seu objetivo sempre foi representar uma batalha entre dois ou mais adversários. Os jogos modernos de tabuleiros continuam tendo esse mesmo objetivo, o de derrotar o oponente para ganhar um prêmio.

Elementos do jogo de tabuleiro

Para que o jogo seja realizado é preciso utilizar uma superfície plana, com espaços determinados, com marcações e pinturas. Na superfície do tabuleiro devem estar elementos como cartas, dados, fichas, etc.

Condição de jogo

Cada versão ou variação do jogo possui suas regras preestabelecidas. A estratégia do jogo deve ser a união da sorte e do raciocínio. Além da modalidade de jogo presencial, existe a chance de se divertir com os jogos de tabuleiro online.

Jogos de tabuleiro online

Os jogos de tabuleiro são uma ótima opção para quem gosta dos jogos clássicos de mesa e quer jogar na comodidade de seu celular ou do seu computador e ganhar o prêmio da partida. Há uma variedade de jogos de mesa, mas os melhores são:

The new blackjack, 21 Blackjack Classic, Double Deck jack, Tri card poker, Roll the dice, Craps, Baccarat, Let’em ride, jackpot, Perfect Pairs, Caribbean Stud Poker, European Roulette Classic, American Roulette Clasic, Roulette European, Let em ride classic, Craps Classic, Double Deck Blackjack, Caribbean hold’em, Baccarat, Vegas Three Card Rummy, Zappit Blackjack, Single Deck Blackjack classic, Teen Patti rapid, Spin the Wheel, Andar Bahar, European Black jack, Single deck blackjack.

Variações do jogo

Zappit Blackjack

Uma variação atrativa do Blackjack é o Zappit Blackjack em que o objetivo do jogo é também fazer o máximo de pontos possível, sem ultrapassar os 21 pontos, sendo jogado com 6 baralhos. Nesse jogo se o jogador alcançar 15, 16 ou 17 pontos, tem a chance de atingir suas cartas com um raio e trocá-las por novas cartas.

Tri Card Poker

É um clássico jogo de tabuleiro renovado e extremamente popular. Nesta versão do jogo os valores de apostas não precisam ser parecidos. A distribuição de cartas é feita da seguinte maneira: cada jogador recebe 3 cartas viradas para cima e o dealer recebe 3 cartas viradas para baixo. Durante o jogo você pode apostar, desistir da mão ou repicar, distribuir e apostar novamente.

Let’ em ride

Este é o jogo de poker para os audazes, pois permite apostar o mesmo valor durante a rodada ou avançar para a próxima etapa, caso você esteja buscando melhores jogadas. A quantidade de cartas entregue ao jogador é de 3 e o dealer recebe 2 cartas comunitárias. O rumo do jogo se decide com a revelação das 2 ou 3 cartas de cada mão. Você também pode apostar progressivamente, aumentar a aposta, continuar o jogo e ativar o botão rebet.

Baccarat

Trata-se de um jogo de cartas sofisticado e desafiador, com apenas dois jogadores, 6 baralhos e muita emoção. Você joga contra a banca e para vencê-la deve conseguir a mão com maior pontuação. O máximo a atingir são 9 pontos e o mínimo é 0. Se ao apostar em um empate você vencer, receberá o pagamento em 9 para 1 ganhos maiores. O mais incrível neste jogo é que você pode apostar tanto no jogador, quanto na banca, além de poder apostar no empate ou combinar os três.

Barocci – ENEIAS FUGINDO DO INCÊNDIO DE TROIA
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBHenetroia

A composição denominada Eneias Fugindo do Incêndio de Troia é uma obra do pintor Federico Barocci que mostra Eneias — um valente guerreiro troiano, protegido pelos deuses — fugindo da cidade troiana e levando às costas o seu pai, Anquises, já bem idoso, tendo o filho Lulo segurando suas vestes, à direita. Atrás do grupo está sua mulher Creusa.

Eneias era filho da deusa Afrodite e Anquises. Ele teria que fugir, conforme conselhos de sua mãe, para levar avante o nome de Troia, ainda que fosse em outras terras. Contudo, na fuga, sua mulher perde-se dele.

O pintor mostra fogo espalhando-se e edifícios caindo, assim como o estreito e tumultuado local por onde passa o grupo, como forma de mostrar que a cidade está sendo destruída pelos gregos. A distância entre Creusa e Eneias é também indicativa da separação que acontecerá entre ambos. A cena é mostrada com o grupo ainda dentro da cidade.

Ficha técnica
Ano: 1598
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 179 x 253 cm
Localização: Galleria Borghese, Roma, Itália

Fonte de pesquisa
1000 obras-primas da pintura europeia/ Könemann
Mitologia/ Thomas Bulfinch