Mestres da Pintura – TICIANO VECELLIO
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

tici

O pintor Ticiano Vecellio (1490 – 1576), também conhecido como Tizian Vecellio De Gregorio, Tiziano, Titian ou ainda como Titien, encontra-se entre os grandes nomes da pintura italiana. Ainda pequeno, retirava suco de flores para desenhar toalhas e lençóis. O pai, Capitão Conte Vecellio, reconhecendo o pendor artístico do menino, retira-o da pequena Pieve Cadore, onde nascera, e envia-o para Veneza, acompanhado do irmão mais velho. Ali, ainda nos seus oito anos de idade, é apresentado por um tio aos mais importantes pintores venezianos da época.  Passa pelas mãos de Gentile Bellini e depois nas de Giorgione, que o acolhe com entusiasmo.

Ticiano sorve com tanto interesse os ensinamentos de Giorgione que, com 20 anos incompletos, tem uma de suas pinturas confundida com a obra do mestre. Oportunidade em que o aluno percebe que não existe mais nada a ser aprendido com ele, e passa a caminhar por conta própria.

O pintor, inteligente e intuitivo, compreende que determinados temas trazem-lhe uma rica clientela, pródiga em aplaudi-lo, e encher-lhe os bolsos de moedas de ouro. Por isso, sua  pintura é, muitas vezes, de índole adulatória, pois lisonjear os poderosos traz sempre um bom retorno. Assim, príncipes, prelado, embaixadores e toda a sociedade rica e fútil almejam ter um retrato pintado pelo famoso Ticiano. Mas, com o imenso volume de encomendas, o artista opta pelos compradores mais interessantes, que se incluíam entre os mais endinheirados. Como nem todos os clientes fossem bons pagadores, o artista enviava a cobrança para aqueles, que detinham os mais altos cargos, jamais ficando no prejuízo. Com o dinheiro, investia em propriedades, tornando-se cada vez mais rico. Era bajulado não apenas pelo mundo da arte, mas também pela sociedade. Chegou a receber das mãos do imperador Carlos V o título de conde e Cavaleiro da Espora de Ouro.

Aos 57 anos, o pintor, já extremamente conhecido, faz uma visita a Roma, onde é acolhido com as honras de um monarca convidado. Mas aos 86 anos é colhido pela peste, tendo o mesmo fim que sua esposa e os grandes amigos Sansovino (arquiteto) e Aretino (escritor). O féretro é acompanhado por um cortejo de gôndolas drapeadas de preto, sob o olhar de multidões. Os sinos das igrejas são repicados em sua honra.

Ticiano foi um dos principais representantes da escola veneziana no Renascimento, antecipando diversas características do Barroco e até mesmo do Modernismo, sendo igualmente bom tanto em retratos ou paisagens, como em temas mitológicos ou religiosos. Foi o primeiro artista a obter fama internacional, recebendo encomendas de soberanos de vários países. Inspirou El Greco, Peter Paul Rubens, Diego Velázquez, Rembrandt, Eugène Delacroix, Edouard Monet e Willem de Kooning.

Nota: Autorretrato feito quando o pintor tinha 75 anos. Traz na mão direita um pincel, alusão à sua profissão. A dupla corrente de ouro ao pescoço é sinal de sua condição de cavaleiro.

Ficha técnica da pintura:
Ano: 1566
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 86 x 69 cm
Localização: Museo del Prado, Madrid

Fonte de pesquisa:
Gênios da pintura/ Abril Cultural
1000 obras primas…/ Könemann
Os pintores mais influentes/ Girassol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *