Arquivos da categoria: Vida Saudável

Temas diversos sobre saúde

ESTRESSE – INIMIGO Nº 1 DA HUMANIDADE

Autoria do Prof. Hermógenes

O Professor Hermógenes, um dos precursores da ioga no Brasil, escreveu mais de 30 livros sobre a saúde física e mental.  Neste texto, retirado de seu livro “Yoga para Nervosos”*, ele nos ensina como identificar e eliminar o “estresse”. Vale a pena conferir.

Se o estresse ou a tensão perturbam de forma tão intensa e desastrosa a regulação neuro-hormonal e se acarreta tantos males é porque, quando estamos ligados, permanecemos engatilhados para a ação, mesmo que exaustos nós nos desgastamos mais ainda, mesmo que não tenhamos razão objetivas e presentes para agir. O indivíduo tenso está perenemente predisposto a desencadear ação ou mesmo está agindo sem motivo. Se descrever os sintomas e as ameaças da crescente tensão no mundo é inconveniente, fazer a descrição dos sinais ou expressões do estado tensional é, entretanto, de toda conveniência. É indispensável tentar um modo de reconhecer quando estamos tensos. Aprendamos isto em primeiro lugar. Depois vamos aprender as técnicas de liberação das tensões. Em outras palavras, primeiro, o diagnóstico, depois, a terapêutica.  Uma diagnose precisa já é início de cura.

Aprenda primeiro a observar o estresse nos outros. Repare nos olhos. Você pode distinguir quando há um estado tensional nos olhos de seu interlocutor. Repare nas rugas da testa. Observe os estados dos músculos faciais e suas contrações, seus movimentos automáticos (tiques). Fique parado numa calçada qualquer de uma rua bastante movimentada e repare na fisionomia dos que passam. Veja esta triste procissão de pessoas avassaladas pela tensão. Note como andam apressadas. Na maioria, a pressa é sem necessidade, motivada, quase sempre pela tensão muscular e nervosa generalizada. Repare nos gestos dos transeuntes. São gestos maquinais, inconscientes, não determinados por exata finalidade. Veja como a delicadeza, a bondade, a suavidade desertaram das calçadas.

Depois de ter observado o estresse nos outros, nada melhor do que uma autognose, isto é, conscientização de si mesmo, neste aspecto fundamental da vida. Será que você também está com o hábito de andar apressado, de comer apressado? Será que já perdeu a capacidade de sentar-se e ficar com o corpo quieto, as mãos soltas e paradas, os olhos límpidos expressando paz, o rosto descontraído? Será que você tomou consciência de seus últimos movimentos físicos? Será que, sendo fumante, toma consciência de quando vai acender um novo canudinho de veneno? Procure sentir seu semblante. Tome consciência de si mesmo quando come, quando dialoga com alguém, quando anda, quando trabalha, quando repousa.

Veja se está agindo como máquina ou como um ser livre. Não se descuide de perscrutar-se sempre, para saber se está sendo dominado pela tensão e se está sendo envolvido no manto inquietante do estresse. Procure ver se está tenso para descobrir o que fazer para safar-se, isto é, descobrir a área do corpo ou de sua vida ou de sua ação onde é preciso comandar: relaxe!  Ao identificar a presença da tensão você está se defendendo e se libertando também. Sua capacidade de, em certas situações da vida, ver que está ficando tenso é profilático, isto é, pode aumentar sua imunidade contra uma imensidade de incômodos como enxaqueca, insônia, hipertensão, disritmia, mal-estar indefinido, úlcera gástrica, gastrite, prisão de ventre, rinite alérgica e todos os diferentes modos de tensão que martirizam os seres humanos.

Aprenda a descobrir quais os músculos seus que estão enrijecidos, contraídos, desgastando-se à toa e em seu prejuízo. Assim, verá crescer sua imunidade contra o medo, a ansiedade, a angústia, o ódio e a insegurança. Se você se tornar capaz de ver que está para estourar, ou melhor ainda, verificar que está acumulando cargas emocionais explosivas, estará automaticamente se defendendo da hipermotividade que pode causar desastres, romper amizades, quebrar objetos por incontida fúria, lançar o carro contra o outro por estúpida exasperação, bater injustamente num filho, ou ofender a pessoa que mais ama por causa da agressividade mal liberada.

Ao diagnosticar suas tensões, seus estados de perigoso e nocivo engatilhamento, terá, então, uma vida nova. Melhor do que a auto-observação é a preciosa capacidade de relaxar-se.

*Esse livro é encontrado em PDF no Google.

Nota: Cena de Rua, obra de Di Cavalcanti

SÍNDROME DA IMOBILIDADE

Autoria do Dr. Telmo Diniz

O Brasil, assim como o mundo, está envelhecendo. A pirâmide etária está tomando novo formato. Teremos mais idosos que jovens e crianças em todo o mundo em 2030. As famílias estão cada vez menores, com menos filhos a cada década. Por outro lado, estamos vivendo mais, mas não necessariamente melhor. Como é possível ter uma vida melhor e com mais saúde na terceira idade? Os usos de suplementos alimentares podem ajudar?

Na terceira idade, ocorrem alterações no nosso metabolismo. O estômago já não digere com a mesma facilidade certos alimentos. De igual forma, a absorção dos nutrientes também não ocorre como antes. Isso sem contar que uma parcela desta faixa etária começa a acumular crenças de que certas comidas lhes farão mal. E, por consequência, a alimentação tende a ficar mais limitada, aumentando o risco de carências nutricionais. Portanto, considerar a suplementação, em casos específicos, pode ser uma boa pedida.

Em 2013, a Universidade de Medicina e Saúde Pública de Wisconsin, nos Estados Unidos, publicou na revista “Osteoporosis International” dados sobre as doenças mais comuns em pessoas acima de 60 anos, como a osteoporose, osteoartrite, obesidade e a sarcopenia – perda de massa muscular. Estas patologias impedem o sujeito de caminhar com destreza e de se movimentar. Portanto, atitudes simples do dia a dia como comer, tomar banho, ir ao banheiro e outras atividades ficam severamente limitadas. Essas limitações do idoso são chamadas de síndrome da mobilidade e afetam, em média, 30% em pessoas desta faixa etária.

A primeira consequência é a perda de massa muscular que sustenta o corpo, diminuindo a mobilidade. A partir daí, começam todos os problemas: músculo fraco leva, necessariamente, a problemas de sustentação, aumentando o risco de quedas e fraturas. O indivíduo não se movimenta mais direito e, com isso, aumenta a probabilidade de se tornar obeso.

Falando de suplementação, vamos iniciar pelas proteínas. Elas são imprescindíveis na construção da massa muscular. Portanto, se temos um idoso com uma importante perda muscular, com nítida atrofia dos músculos, a suplementação proteica é de extrema importância. Uma das mais usadas são aquelas encontradas no soro de leite, conhecidas pelo nome de whey protein.

Já a suplementação com cálcio e a vitamina D também favorecem a mobilidade, por auxiliarem na saúde dos ossos, assim como o fósforo, magnésio e o manganês. Outros suplementos bons para a terceira idade também são a vitamina C, vitamina E, polifenóis e carotenoides. Já o uso do zinco pode ser feito em pessoas com baixa imunidade e alteração do paladar.

É importante salientar que os suplementos são apenas um complemento. Os idosos precisam ter uma alimentação saudável com uma dieta equilibrada para ter uma saúde melhor nessa fase da vida. É importante que eles consumam carboidratos, frutas, proteínas e vegetais na quantidade certa. Claro que isso deve estar associado à realização das atividades físicas aeróbicas e de musculação supervisionadas por profissional competente.

Nota: Interior de viveiro de pássaro Pablo Picasso (Bird Keeper Interior)

VOCÊ É UMA PESSOA EGOÍSTA?

Autoria do Dr. Telmo Diniz

O egoísmo não é viver à nossa maneira, mas desejar que os outros vivam como nós queremos. (Oscar Wilde)

O egoísta é um indivíduo que tende a olhar somente na direção de suas opiniões, de seus interesses e de suas necessidades e, ao mesmo tempo, tem a tendência em desprezar as necessidades dos outros. O egoísta é um exclusivista por natureza. Você é egoísta ou existem pessoas com traços de egoísmo a sua volta?

Pessoas egoístas são muito ciumentas e centralizadoras – só olham para si mesmas. Já o altruísta é o oposto. É uma pessoa solidária e abnegada para com o outro – sempre aberta a ajudar. Há discussões acerca do tema, em especial se o egoísta nasce com o problema ou se é adquirido com o tempo, como se tivesse contraído um vício moral.

Então, como saber se somos egoístas ou se estamos cercados de pessoas com estes traços? Existem algumas características marcantes em pessoas com personalidade egocêntrica. São pessoas que só te procuram por interesses próprios. Nunca olham para o outro, somente para seu umbigo. De igual forma, têm extrema dificuldade em ajudar o próximo. E, se em alguma hora der uma ajuda, vão cobrar a fatura lá na frente – certamente irá exigir de você um retorno em contrapartida ao favor realizado. Muito comumente são pessoas dissimuladas, pois procuram esconder suas falhas. Frequentemente se passam por pessoas generosas e, de forma antagônica, detestam dar presentes.

É muito comum ocorrer em filhos únicos ou nos “mais velhos”. Quando crescem, demonstram grande dificuldade de escutar o que os outros querem transmitir, pois, normalmente, “não têm tempo para as suas histórias”, salvo se tiver alguma vantagem em jogo. Também falta interesse em ouvir os seus problemas. São pessoas com extrema dificuldade em ter e criar os filhos, pois isso demanda doação plena ao outro – justamente o que falta no egocêntrico. E, finalmente, o egoísta não gosta de ver a felicidade do outro. Uma promoção, uma viagem sua ou qualquer coisa que o beneficie e deixa-o bem, certamente vão incomodar muito. O egoísta gosta de ver aqueles a sua volta com muitos problemas.

Se você tem pessoas com as características citadas acima, abra bem os olhos e saiba se defender ou se manter afastado delas. Caso você, caro leitor (a), veja-se com algumas destas características, é importante que inicie uma autoanálise, pois isso irá ajudar muito em suas relações interpessoais. As brigas e desavenças irão reduzir de forma considerável.

A prática do altruísmo pode ser feita através de atitudes simples e podem fazer uma enorme diferença na vida de quem você ajuda. Você pode fazer coisas como:

  • dar uma carona,
  • doar sangue,
  • ser doador de medula,
  • ser gentil e solidário com seu novo colega de trabalho,
  • dar a devida atenção a alguém que se sente excluído,
  • deixar alguém que está com muita pressa passar na sua frente,
  • envolver-se em projetos de serviço para beneficiar os menos favorecidos,
  • compartilhar seu alimento com os necessitados, etc.

Se somos egoístas ou temos traços egocêntricos, devemos saber lidar melhor com eles, procurando ter atitudes altruístas e um olhar de compaixão. Quem melhor descreveu o egoísmo foi o escritor e poeta irlandês Oscar Wilde: “egoísmo não é viver à nossa maneira, mas desejar que os outros vivam como nós queremos”.

A SAÚDE NA ESTAÇÃO DO INVERNO

Autoria do Dr. Telmo Diniz

INVERNO

O inverno já está chegando. A estação mais fria do ano normalmente vem acompanhada por um inimigo oculto – as baixas umidades relativas do ar, inconveniente climático causador de vários problemas respiratórios. Hoje vamos ver o que fazer para aliviar as crises e desconfortos nesta época do ano.

Neste período há uma grande preocupação com a umidade relativa do ar, porque ela representa uma variável que pode afetar o organismo como um todo. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o nível ideal gira entre 40% e 70% de umidade (abaixo de 30% é considerada como situação de alerta). O tempo seco, com baixa umidade do ar, dificulta a dispersão dos poluentes e provoca o ressecamento das mucosas das vias aéreas, tornando a pessoa mais vulnerável a crises de asma, infecções virais e bacterianas. Baixa umidade do ar pode também cursar com desidratação, o que favorece o aparecimento irritações oculares e piora das alergias.

O horário crítico, em geral, ocorre entre 15h e 16h. Quando o nível cai para menos de 20%, os prejuízos para a saúde se tornam mais evidentes com dor de cabeça, piora dos quadros alérgicos, sangramento nasal, garganta irritada (acompanhada de tosse seca), sensação de “areia nos olhos” (ficam vermelhos e congestionados), ressecamento da pele e cansaço (a pessoa fica mais indisposta para as atividades do dia a dia), etc. É importante frisar que as crianças e idosos são grupos que merecem atenção especial nesta época.

O que fazer neste período de maior secura? Atitudes simples que, se inseridas em nosso dia a dia, é possível passar estes meses sem maiores transtornos. Pontos importantes a serem observados são:

  • lave as mãos com frequência e use álcool em gel sempre que possível;
  • procure manter o corpo sempre bem hidratado, bebendo bastante água, mesmo sem sentir sede;
  • opte por frutas ricas em líquidos, como melancia, melão e laranja, por exemplo.
  • em especial, fique atento à hidratação das crianças e idosos;
  • aplique soro fisiológico no nariz e nos olhos para evitar o ressecamento;
  • evite a prática de exercícios físicos entre 10h e 16h;
  • use produtos para hidratar a pele do rosto e do corpo, pelo menos depois do banho e na hora de deitar;
  • coloque bonés (ou chapéus) e óculos escuros para proteger-se do sol.

De igual forma não se pode negligenciar no controle do ambiente onde estamos. Cuidados a serem observados:

  • coloque toalhas molhadas, recipientes com água ou vaporizadores nos aposentos, principalmente nos quartos, antes de dormir (fechar as janelas e a porta do quarto às 18h e ligar o nebulizador até na hora de dormir);
  • evite aglomerações e a permanência prolongada em ambientes fechados ou com ar condicionado, pois o ressecamento das mucosas aumenta o risco de infecções das vias respiratórias;
  • mantenha a casa sempre limpa e arejada (pela manhã, deixe janelas abertas para melhor ventilação e insolação dos cômodos);
  • o tempo seco aumenta a concentração de ácaros, fungos e da poeira em móveis e cortinas, portanto, não utilize vassouras de pelo. Faça a limpeza da casa com panos úmidos.

Feito tudo isso, que venha o inverno!

SUPERANDO O ESPÍRITO DE VINGANÇA

Autoria do Dr. Telmo Diniz

Antes de sair em busca de vingança, cave duas covas. (Confúcio, filósofo chinês)

A vingança conceitualmente consiste na retaliação contra uma pessoa ou grupo em resposta a algo que foi sentido como prejudicial. Embora muitos de seus possam lembrar o conceito de igualar as coisas, na verdade a vingança em geral tem um objetivo mais destrutivo do que construtivo. Quem busca por ela deseja forçar o outro lado a passar pelo que passou e garantir que não seja capaz de repetir a ação novamente. Pergunta: a vingança traz bem-estar para a pessoa ou traz prejuízos?

A vingança é um dos comportamentos mais primitivos exibidos pelo homem. E, vale dizer, não precisamos de muito esforço para encontrar relatos de vingança ao longo de toda a história da humanidade. Na Idade Média, por exemplo, famílias feudais se envolviam em guerras sangrentas para “lavar a honra”.

Gandhi dizia que com a aplicação desenfreada do “olho por olho, o mundo acabará cego”. A vingança é uma tentativa falida de equilibrar a balança, pois, por mais ajustes que se façam, ela sempre ficará desequilibrada. A primeira emoção que costuma aparecer quando nos vingamos é de satisfação e o sentimento de que tudo recuperou o seu equilíbrio. Mas é uma falsa sensação, pois no médio e longo prazo, a vingança não traz boas sensações.

Uma pesquisa realizada na Suíça foi atrás de respostas para saber o que ocorre no cérebro de pessoas que acabaram de se vingar de algo ou alguém. O resultado final mostrou que a parte acionada nessas circunstâncias é o núcleo caudado, uma região do cérebro associada ao processo de recompensas. Entretanto, passado algum tempo, outro problema tomava lugar. Descobriu-se também que o gesto vingativo deixava de ser satisfatório no curto prazo. Após se concretizar uma vingança, parece que velhas feridas são reabertas, dando vazão a sentimentos de culpa, vergonha e mal-estar.

Em sentido oposto, foi demonstrado também que os indivíduos que escolheram não se vingar apresentavam uma maior satisfação com a vida, um humor mais positivo e menos sintomas psicossomáticos. Portanto, a revanche carrega um efeito paradoxal que, no início, traz alívio e satisfação e, no momento seguinte, suscita sentimentos mais acentuados e prolongados de aborrecimento e irritabilidade.

O que podemos fazer para deixar de lado uma vingança:

  • canalize toda sua energia de situações que geram raiva e injustiça para gerar ações positivas para seu desenvolvimento;
  • saia do papel de vítima e assuma responsabilidades na condução da sua vida;

perdoe, pois perdoar é a melhor coisa que você pode fazer por si mesmo. Por mais que você tenha sido machucado e por pior que tenha sido essa decepção, o perdão pode te libertar do rancor e da amargura;

  • deixe o que aconteceu no passado e leve essa experiência como aprendizado, pois esta é a melhor maneira de seguir em frente e focar no que realmente importa: você.
  • e, por fim, desenvolva sua inteligência emocional, que é a habilidade de saber lidar bem com as angústias da vida.

Nota: Jovem Adormecida, obra de Pablo Picasso.

OS EFEITOS MALÉFICOS DO FAST FOOD

Autoria do Dr. Telmo Diniz

Vamos falar da comida rápida ou do conhecido “fast food” (em inglês). Comer devagar pode ser um bom auxilio para a perda de peso. Por sua vez, comer rápido aumenta as chances de obesidade e doenças relacionadas. E também o fast food não significa tão somente comer rápido, mas comer mal, pois são alimentos com alto teor de sódio, açúcar e gorduras saturadas.

O fast food é um tipo de comida, geralmente lanches, para pessoas que não dispõem de muito tempo para fazer as suas refeições, e optam por tais alimentos, pois são preparados e servidos rapidamente. É o consumo de refeições que podem ser preparadas e servidas em um intervalo pequeno de tempo. O fast food pode até ser saboroso, mas ele irá cobrar seu preço lá na frente.

O ato de comer rapidamente alimentos com alto teor de gorduras aumenta o processo de inflamação do organismo. É igual a estar infectado com um vírus ou uma bactéria. O organismo reage da mesma forma, provocando um processo de inflamação. A descoberta foi feita por cientistas da Universidade de Bonn, na Alemanha, durante testes com ratos. Alimentados com quantidades baixas de nutrientes, o corpo das cobaias desenvolveu uma resposta inflamatória, o que potencializou a atividade do sistema imunológico.

Durante o estudo, os pesquisadores mantiveram ratos em uma dieta ocidental, rica em gordura, açúcar e poucas fibras durante um mês. Com o tempo, os animais desenvolveram forte resposta inflamatória em todo o corpo, de forma semelhante a uma infecção bacteriana. A dieta não saudável levou a um aumento inesperado do número de células imunes no sangue dos ratos, especialmente granulócitos e monócitos. Essa cascata inflamatória irá levar, com o tempo, à formação da chamada arteriosclerose, ou seja, endurecimento e entupimento das artérias.

A ativação de células imunes na medula óssea ocorre quando o corpo detecta problemas graves. O sistema imune tem uma forma de memória. Após uma infecção, as defesas do corpo permanecem em estado de alerta para que possam responder mais rapidamente a um novo ataque. O estudo provou que uma dieta do tipo fast food desencadeia uma reação inflamatória sistêmica que só desaparece após a quarta semana com uma dieta nutricionalmente equilibrada.

Uma resposta inflamatória tem potencial para acelerar o desenvolvimento de doenças vasculares, diabetes tipo 2 e aumentar as chances de problemas ainda mais graves, como acidente vascular cerebral (AVC) e ataques cardíacos. A indústria dos alimentos tem muitos recursos e grande lobby sobre nossos políticos. Quem fica mais vulnerável aos encantos dos fast food são as crianças e os adolescentes. Pesquisas como essas só vêm a demonstrar a importância do papel dos pais na condução a uma dieta rica em nutrientes e deixar o lanche rápido para ser uma exceção e não uma frequência na rotina dos mais jovens.

Junto ao slogan do McDonald’s “amo muito tudo isso”, deveria constar “mas aproveite com moderação”.