COMO A DEPRESSÃO ACONTECE

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

A depressão (além da genética) consiste na convergência de uma ou mais das seguintes situações: a maneira de entender e lidar com a vida; algum(s) acontecimento(s) doloroso(s) ou mais intenso(s); dor crônica; uso continuo de certo tipo de medicamentos e doenças como hipotireoidismo. (Bayard Galvão)

 O transtorno de depressão, visto por uma questão neurológica e neuropsicológica, pode ser definido como um desequilíbrio de alguns neurotransmissores e de outras partes que compõem o sistema nervoso central. (Fábio Roesler)

A depressão, ao contrário do que os ignorantes no assunto imaginam, não se trata de “chilique” ou “frescura”, pois ela é tão complexa quanto tudo que diz respeito à área da mente e do cérebro, terreno ainda pouco conhecido pela Ciência. As causas de tal transtorno ainda não foram definidas, mas já existe um consenso entre os estudiosos do assunto de que a predisposição genética pode ser uma delas. As demais estão ligadas a outros possíveis fatores. O que leva ao entendimento de que a depressão tanto pode resultar de único fator assim como da convergência de muitos outros.

Segundo a psicanalista Cristiane Vilaça “Pessoas que passam por situações de estresse prolongado ou que estão sujeitas a situações de tensão constante e violência são as mais propensas a enfrentar este transtorno”. E o psicólogo Bayard Galvão acrescenta que a depressão também pode estar ligada ao excesso de acontecimentos negativos, como demissão, desemprego, falta de dinheiro, solidão e relações afetivas ruins, etc. Ele exemplifica: “Imaginemos que cada pessoa tem uma mochila que carrega todos os dias e que os problemas da vida não resolvidos são tijolos que vão sendo colocados dentro dela. Uns aguentarão 10 tijolos, outros 50, mas todos têm seus limites. Aí, um dia, ao colocar mais um tijolo, a pessoa cai exausta, dizendo: ‘foi pesado o último tijolo’, quando na realidade, foi apenas a gota d’água’.”.

Cérebro e Depressão

O sistema nervoso é o responsável por governar todas as atividades de nosso corpo, funcionando como uma central de comando, logo, não causa estranheza a sua relação com o transtorno depressivo. A microestrutura do cérebro é formada pelos neurônios. Os estudiosos do assunto, portanto, alegam que certos fatores neurológicos são responsáveis por fazer com que esta central entre em pane e a depressão ganhe vida.

O modo como os neurônios funcionam tem tudo a ver com o desenvolvimento do transtorno depressivo. Segundo a neurologista Vanessa Muller: “Estima-se que existam mais de 200 bilhões dessas células somente em um cérebro, utilizadas para processar todas as informações, sejam elas motoras, sensitivas, cognitivas ou psíquicas, portanto, para vermos, cheirarmos, sentirmos, tocarmos, andarmos, tomarmos decisão, memorizarmos, ficarmos tristes, felizes, com fome, com sede, com sono, enfim, precisamos das informações compartilhadas entre esses neurônios através de sinapses. Quando ela é química, dá-se através de neurotransmissores como dopamina, serotonina, norepinefrina, acetilcolina, d?entre outros”.

O sistema nervoso age com uma central que comanda todas as atividades corporais, portanto, está intimamente relacionado com a depressão. Além dos fatores genéticos e situações de perda, violência e grandes decepções, certos fatores neurológicos contribuem para que a depressão se instale.

Segundo o neurocientista Aristides Brito “A serotonina facilita as ligações neuronais e é ela que, por exemplo, deixa a pessoa saudável para reagir diante das situações adversas, o que ajuda ? e muito ? a evitar a depressão”. Ainda segundo Brito “A depressão é muito mais de que as mudanças químicas no cérebro já que se relaciona com as emoções ? e essas são afetadas pelo meio ambiente, principalmente nos dias de hoje, com tanta pressão na vida moderna”.

A revista especializada “Scientific American” divulgou um estudo feito por meio de imagens extraídas por eletroencefalografia e ressonância magnética das atividades cerebrais de um grupo de pessoas depressivas. O resultado foi comparado ao de outro grupo não portador do transtorno. O que se detectou é que, nos depressivos, as regiões cerebrais ligadas a pensamentos, humor e atenção possuíam uma enormidade de estímulos trocados (superconectados). Essa pane no nosso sistema cerebral é resultante de uma falha na neurotransmissão. Assim, o desequilíbrio bioquímico nesses neurotransmissores pode desencadear inúmeras consequências, como irritabilidade, impulsividade, baixa energia e… depressão.

Fonte de pesquisa
Revista Segredos da Mente, Cérebro e Meditação – nº 1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *