A MEDICINA ORTOMOLECULAR FUNCIONA?

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Dr. Telmo Diniz

 pcr123 (*)

Vários pacientes e outras pessoas me questionam o que faz a medicina ortomolecular, se tem reconhecimento científico, “se funciona”, etc. Espero esclarecer aqui algumas destas dúvidas.

A ortomolecular é reconhecida como prática médica pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) desde 1998 e teve seu referendo em 2010, por meio da Resolução 1938/10 como atividade médica. Portanto já é reconhecida pelo órgão competente. No caput da resolução, diz: “Estabelece normas técnicas para regulamentar o diagnóstico e procedimentos terapêuticos da prática ortomolecular e biomolecular, obedecendo aos postulados científicos oriundos de estudos clínico-epidemiológicos”. Portanto, já têm reconhecimento científico com centenas de artigos publicados nos mais diversos periódicos em inúmeros países.

A comunidade científica, com atuação nessa área, celebra a importância atribuída a esta prática médica e aos benefícios que ela pode trazer para a saúde do indivíduo, uma vez que seu foco está na prevenção como forma de vida e envelhecimento saudáveis. A prática ortomolecular se baseia em amplos conceitos bioquímicos e da fisiologia humana para prevenir e tratar doenças, ou seja, utilizam-se da reposição de nutrientes, como as vitaminas, aminoácidos e minerais para equilibrar o organismo da pessoa. A grande parcela da população não se alimenta de forma balanceada. Tem estilo de vida desregrado.

O paciente típico para esta prática médica é aquele que tem queixas clínicas, porém, sem um diagnóstico estabelecido, pois os exames complementares ainda não detectam uma doença. Na verdade, o que pode estar havendo é uma “disfunção” em um determinado órgão ou tecido, mas que ainda não evoluiu para uma doença franca.

Prevenção

A abordagem da ortomolecular dá grande ênfase na prevenção, uma vez que cuidar da saúde dos pacientes envolve a vigilância e o equilíbrio do organismo. Vale reforçar que não se trata de substituir os tratamentos tradicionais, mas, sim, de complementá-los. A prática ortomolecular defende justamente a prevenção, como forma de manter o equilíbrio do corpo e precaver o aparecimento de patologias. Entre os tratamentos propostos estão:

  • a correção nutricional e de hábitos de vida,
  • a suplementação das deficiências nutricionais
  • e a remoção de minerais tóxicos no organismo, quando detectados em exames específicos.

Assim, não é necessário que a pessoa manifeste alguma queixa clínica para procurar um médico. Não espere a doença aparecer. Preocupe-se com os mínimos sintomas para os quais seu corpo está alertando.

A ortomolecular não atua só na prevenção, mas também como aliada em inúmeras patologias tais como:

  • hipertensão,
  • diabetes,
  • doenças neurológicas,
  • TPM, obesidade, depressão,
  • anemia, etc.

Entretanto, antes de qualquer intervenção terapêutica, é preciso ter em mente que os hábitos de vida da pessoa influenciam diretamente em seu estado de saúde. Assim, além de complementar a medicina alopática, a ortomolecular estimula a prática de atividades físicas, melhoria do padrão alimentar, o controle médico periódico e a melhora no estilo de vida, de forma enfática e insistente.

(*) Imagem copiada de www.linkmedica.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *