A PIETÁ DA FOME

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH pieta 

Sobre a terra árida, cruel e inclemente,
dourada por raios de sol inflamantes,
a natureza expõe sua obra, indiferente.
O material usado: esqueleto de gente.

Majestosa com suas pernas trementes,
olhos perdidos, bem além do horizonte,
traz junto aos seios secos, inoperantes,
um pequeno trapo humano agonizante.

A mãe-rainha, descarnada e distante,
leva no peito um amuleto de semente,
talvez com o intuito de chamar a sorte,
ou atrasar o inimigo presente: a morte.

Nem tudo é mal no inferno fumegante.
Em volta destas duas vidas titubeantes,
moscas intrépidas trombam saltitantes,
aguardando o último suspiro do infante.

 A alma do menino subirá num instante,
ao trono de seu deus duro e inclemente,
tal é a leveza do espírito cambaleante, e
deixará para sempre esta terra errante.

A fome mata milhões de africanos em países como Etiópia, Eritreia, Somália, Sudão, Quênia, Uganda e Djibuti. Infelizmente, ela não mais comove o mundo, de modo que já deixou de ser notícia na imprensa internacional. Dentre as principais causas de tão horrenda tragédia estão, principalmente, a seca e as guerras tribais. Calcula-se que cerca de um bilhão de pessoas em todo o mundo sejam vítimas crônicas ou graves de subnutrição. Mulheres e crianças são as maiores vítimas.

A subalimentação crônica é responsável pela falta de desenvolvimento das células cerebrais nos bebês, sendo também a causa da falta de vitamina A, o que conduz à cegueira, culminando com a morte física. O mais doloroso é o ciclo vicioso que se instala na vida dessa gente: a cada ano, milhões de bebês subalimentados vêm ao mundo, paridos por mães subnutridas.

Nota: Imagem copiada de coprocen.blogspot.com

6 comentários sobre “A PIETÁ DA FOME

  1. LuDiasBH

    Que lindinho!
    Lá está sua foto. Gostei!

    Os deuses de hoje não moram mais no Olimpo mas habitam este nosso sofrido planeta.
    E são bem mais cruéis.
    Eles vivem sugando a riqueza do planeta, sem jamais olhar de lado.

    Abraços,

    Lu

    Responder
    1. Mário Mendonça

      Lu Dias

      Quando o blog dá oportunidade, sempre comento com minha foto; assim quando alguém que sempre tenho diálogos me encontrar, já saberá quem sou; é assim que muita gente do Nassif me conhece.

      Ah, obrigado pelo elogio.

      Abração

      Mário Mendonça

      Responder
  2. Mário Mendonça

    Lu Dias

    “ao trono de seu deus duro e inclemente”

    Realmente, deuses inexistentes com suas crueldades existenciais.

    Lá, os tronos são de ouro e pedras de sangue….

    Abração

    Mário Mendonça

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *