COMO SURGIU A MANDIOCA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Recontada por LuDiasBH

mandi

Muitos e muitos anos atrás, todos os índios de certa tribo amazônica viviam na mais harmoniosa paz. O cacique era um homem de bom coração, admirado por todos, mas irredutível no que diz respeito aos bons costumes de seu povo. Sua família também era muito generosa e de boa conduta, a quem foi ensinado o respeito às pessoas,  aos bichos e a todas as coisas da natureza. Dentre os cinco filhos do chefe, só havia uma menina, trabalhadora como a mãe e muito admirada pela tribo.

Certo dia, ao observar as mudanças no corpo da filha, a mãe notou que ela estava prenhe. Imediatamente dividiu a notícia com o cacique, seu marido. À moça foi imposta o dever de revelar o nome do pai do rebento que estaria por vir, mas tudo em vão, pois ela jurava não ter tido relação sexual com homem algum. Mas no saber do morubixaba era preciso a semente de um homem para emprenhar uma mulher. Se ela não queria tornar conhecido o infrator, a fim de castigá-lo, seria preciso matá-la, para não desonrar os costumes antiquíssimos da tribo, que rezavam que o rapaz devia sempre pedir ao pai a mão de sua filha em casamento.

Na noite em que antecedeu o dia marcado para o sacrifício da jovem índia, o cacique, muito pesaroso, recebeu, em sonho, a visita de um homem diferente, dizendo-lhe que sua filha era inocente, e, que não deveria ser morta, pois falava a mais pura verdade. Temeroso com o aviso recebido, o morubixaba contou o ocorrido à tribo, sendo o sacrifício esquecido, segundo a anuência de todos. Assim, livre de qualquer empecilho, a gravidez da jovem índia transcorreu na mais perfeita normalidade.

Mandi nasceu com a pele branca como o leite de égua e os cabelos dourados como as espigas de milho sob o sol equatorial, algo nunca visto na história da tribo. Os índios mais idosos, amedrontados, viram nisso um mau presságio. Alguma coisa ruim estaria para acontecer ao povo e às plantações. Para evitá-la, pensaram eles, seria necessário matar a recém-nascida. Mas o cacique, ainda se lembrando do sonho que tivera, disse a seu povo que os bons espíritos exigiram que a garotinha permanecesse entre eles, sendo muito bem tratada por todos. E assim aconteceu.

A criança, à medida que crescia, tornava-se cada vez mais amorosa e bela como as flores da floresta. Era amada por sua tribo, encantando a todos. Só que um dia, inesperadamente, ela morreu, como se fosse um passarinho. Ninguém sabia o motivo. Todos a choraram dia e noite. E, para alegrar o coração de seu inconsolável avô, seu corpinho foi enterrado na pequena praça do interior da taba, bem pertinho de sua maloca, onde ele poderia chorá-la sempre que se sentisse triste.

Certo dia, o cacique notou a presença de uma plantinha, regada com suas lágrimas, onde fora enterrada Mandi. Alguns dias depois, deparou-se com fortes raízes, que levantavam a terra para sentirem a luz do sol. Por fora, elas traziam uma casca preta, mas por dentro tinham a mesma cor da pele da pequenina Mandi. A aldeia entrou em festa, com todos compartilhando aquela deliciosa iguaria, que foi transformada em beijus, farinhas, mingaus e cauim. Ela recebeu o nome de “mandioca” que significa “a casa de Mandi” ou o “corpo de Mandi“. A mandioca não apenas passou a fazer parte da alimentação das aldeias, como também tomou parte na mesa de todos os brasileiros. Tem, inclusive, outros nomes como aipi, aipim, uaipi, macaxeira, maniva, maniveira, pão-de-pobre, etc.

10 comentários sobre “COMO SURGIU A MANDIOCA

    1. LuDiasBH Autor do post

      Anna

      Foi um prazer receber a sua visita. Vejo que gosta muito de lendas. Existem inúmeras aqui no blog, assim como fábulas. Volte sempre!

      Abraços,

      Lu

      Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Jaqueline

      Já entrei no site que me indicou. É realmente muito interessante. A lenda da mandioca é linda, e essa raiz é uma gostosura só. Gosto de tudo que é feito de mandioca, inclusive da farinha. É uma pena que seja tão cara nas grandes cidades.

      Amiguinha, agradeço a sua visita e comentário. Volte mais vezes para conhecer outras lendas. O blog possui uma categoria só de MITOS E LENDAS.

      Beijos,

      Lu

      Responder
  1. Adevaldo Rodrigues

    Lu,
    Interessante a lenda da mandioca apresentada por você. A mandioca serve de alimento para pobres, ricos, índios, pretos e até para os que se dizem “finesses”. Nesta semana, aqui em casa, alimentamos uma deliciosa vaca atolada. Mas que delícia!

    Abraço,

    Devas

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Devas

      Eu sou apaixonada por mandioca. Existe um prato mais gostoso do que mandioca frita? Hum!!! Você nem imagina quanto caldo de mandioca eu tomei nas festas juninas. Quanto à vaca atolada, fica fora do meu cardápio, pois não como carne… risos.

      Responder
  2. Patricia

    Oi, Lu!

    A mandioca é uma iguaria diversificada e deliciosa. E sua lenda muito bela. Toda criança é encantadora por natureza. Ela traz e deixa encanto e sabedoria em seu caminho. Isto não poderia ser diferente principalmente se tratando de uma tribo indígena. A casa de Mandi faz jus a história e a seu sabor.

    Um grande abraço

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Pat

      Adoro mandioca, até mesmo crua. É uma delícia.
      Esta lenda é mesmo muito linda. Virão muitas outras. Aguarde!

      Beijos,

      Lu

      Responder
  3. Carlos Alberto Pimentel

    Lu,

    Já conhecia a lenda da mandioca. Mas gostei da maneira que você a contou. A propósito, devido à atual crise pela qual passa o país, voltei a comer mandioca com maior frequência. Estamos comendo mandioca aqui em casa a semana toda. Ensopada, frita e até omelete de mandioca! Ontem à noite, por exemplo, assisti novamente ao filme Macunaíma, baseado na grande obra de Mário de Andrade. Macunaíma! O herói sem nenhum caráter. Mas em contraste com o que fazia nos anos de estabilidade econômica que nos proporcionou o Plano Real – beliscava uns queijinhos, comia pão de queijo, e outras iguarias – comi mandioca frita!

    Enfim, vamos todos saudar a mandioca!

    Abraços,

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Beto

      Nós, mineiros, somos apaixonados pela mandioca, que na nossa culinária é usada em diferentes pratos, sendo a vaca atolada (que não é o meu, pois não como carne) um dos preferidos. Sou vidrada no bolo e no pudim de aipim, assim como na mandioca cozida com manteiga, no guisado, e no que mais vier. Não troco a mandioca por qualquer tipo de pão ou queijo. Mandioca frita é uma das mais finas iguarias para mim, talvez por ser caipira… risos. E não abro mão do meu pão de queijo semanal, salgado predileto dos mineiros. Se você visitar nossas lanchonetes na hora do café (matutino ou vespertino) verá que a demanda pelo pão de queijo bate qualquer outro salgado.

      Foi um grande prazer receber a sua visita.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *