CONCLUSÃO FINAL DA OMS: CARNES E CÂNCERES

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria do Dr. Telmo Diniz

carnes

Comer carne processada, como salsichas, hambúrgueres e bacon, aumenta o risco de câncer. Esta foi a conclusão final de especialistas integrantes da Organização Mundial de Saúde (OMS). O documento concluiu que este tipo de alimento é carcinogênico para as pessoas, igualando a substâncias reconhecidamente cancerígenas como o cigarro, o plutônio e a poluição ambiental. Já a carne vermelha (vaca, porco, cavalo, cordeiro, cabra etc) também foi apontada como carcinogênica, porém de forma menos agressiva. Se esta conclusão for uma verdade absoluta, somente os veganos estarão a salvo.

O estudo da OMS considerou carne processada “qualquer tipo de carne que foi transformada com sal ou através do processo da fermentação (curada ou defumada), para melhorar o sabor e preservar o alimento”. Isso inclui salsichas e hambúrgueres de carne moída e também embutidos. Embora a maioria deles seja de carne de vaca ou porco, esse grupo também inclui embutidos feitos com sangue, carne moída de ave e vísceras.

A maior parte das evidências, citadas no sumário de suas conclusões, foi publicada no “The Lancet Oncology” e basearam-se em estudos epidemiológicos realizados em vários países europeus e em outras partes do mundo. Esses trabalhos mostram que este tipo de produto está associado a uma maior incidência de câncer colorretal. O estudo encontrou uma associação direta entre estes alimentos e esse tipo de câncer em 12 dos 18 estudos.

O que levaria esses produtos a serem cancerígenos? O que me vem à cabeça, e o que me parece mais provável, é a presença dos nitratos nesse tipo de alimento. O nitrato de sódio (NaNO3) e o nitrito de sódio (NaNO2) são conservantes encontrados em muitas carnes processadas. Alimentos, como salame, cachorro quente, pepperoni, mortadela, presunto, bacon e carnes em conserva, normalmente contêm nitrato de sódio como um de seus ingredientes. São os nitratos que conservam o produto, além de fornecerem uma coloração mais avermelhada, dando uma melhor aparência a eles.

Os nitratos também inibem o crescimento do clostridium botulinum (que causa o botulismo) e previne a formação de toxinas nos produtos defumados. Entretanto, quando consumimos esses produtos conservados com nitratos, eles se transformam no organismo em nitrosamimas, substâncias que irão provocar as mudanças celulares, culminando em neoplasias.

As sociedades brasileira e americana de oncologia recomendam um consumo de até meio quilo de carne vermelha por semana, o que equivale a 100g por dia — já que elas são ricas em proteínas, ferro e vitamina B12. Já as processadas, pela grande quantidade de conservantes e de sal, devem ser consumidas em quantidades bem menores. Portanto, o recomendado é manter uma alimentação saudável, que mescle carne vermelha com peixes, ovos e vegetais de forma igualitária. Enfim, o mais indicado é equilibrar todos os alimentos ao longo da semana. Mais uma vez, a moderação e o equilíbrio são as palavras de ordem.

12 comentários sobre “CONCLUSÃO FINAL DA OMS: CARNES E CÂNCERES

  1. Celina Telma Hohmann

    Lu,minha querida!
    Também vejo crueldade em abater um animal para nos alimentarmos, quando não precisamos, comprovadamente disso. A natureza é generosa e sábia e nos oferece muito que supre todas as nossas necessidades. Também, deixo aos que gostam, o saborear a carne e também, preparo-me para voltar a dar meus pitacos, que aliás, estão todos aguardando o louco e impensado teclar. Mas o impensado é só com o teclado, pois as ideias, observações e vontade de escrever são sempre genuínas.

    Abraços!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Rui

      O Dr. Telmo tem um jeito muito simples de escrever, tornando os seus ensinamentos fáceis de serem aprendidos. Também não como carne. Gosto muito de soja.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Celina Telma Hohmann

    O radicalismo sempre foi tão ou mais nocivo que toda forma de impor medo, seja com relação à alimentação, exercícios, dietas, tudo sempre baseado em “novos estudos”.

    Numa década, a ciência descobre milagres: noutra, morte eminente… Os homens primitivos eram, realmente carniceiros, até descobrirem que poderiam matar, eles próprios, os animais. Acabada a fase da dependência de que grandes animais matassem outros animais, servindo, dessa forma ao homem ainda não revestido da nossa atual “inteligência”, o tal homem, que já havia descido das árvores anteriormente, descobriu outra forma de comer a carne de animais.

    Os vegetais existem há aproximadamente 10.000 anos em todos os continentes, servindo como cultura e alimento. Carnes são carnes! À mim, bicho morto ou matado que demora em média 4 horas para ser aproveitado pelo organismo, putrefação, na verdade! Mas beber leite faz o quê? Vem do animal, também! Ovos? Idem… Não gosto de carne, menos ainda dos tais defumados, embutidos e por aí vai. Mas não, não parte do movimento veganista, apenas, meu paladar não aceita o gostinho da carne na maior parte das vezes. Em compensação, sou apaixonada por ovos: moles, fritos, em forma de gemada, e as claras? Um sonho! Fonte de albumina em doses generosas, mais proteínas e tais e tais… O exagero no comer, seja o que for, faz mal. O processamento para conservação dos alimentos – carnes ou não – são uma loucura de uma geração consumista e, digamos, acomodadas. Quem gosta de carne que a coma. Mas a moderação nunca fará mal. Mal faz o temor e mal ainda maior, os conservantes, espessantes e tantos outros “antes” e mais nitratos e a famosa e perigosa “fumacinha artificial”.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Miss Cele

      Deixei de comer carne por não mais concordar que um animal pudesse perder a vida para me dar prazer. Outros acontecimentos aliaram-se a isso, como a morte de um cordeirinho que baliu a noite toda, os gritos dos porcos sendo sangrados nos meus ouvidos (ouço tudo até hoje), as vacas da fazenda de uma amiga partindo no caminhão, para o abate, berrando e olhando para trás com os olhos de súplica (choro ainda agora que estou a escrever-lhe). Não mais quis contribuir com a crueldade. Que o faça quem quiser, mas eu, não.

      Também adoro ovos, e de todas as maneiras.

      Estava com saudades suas, menina. Não nos deixe assim tão só!

      Beijos,

      Lu

      Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Fernanda

      É verdade. E nos esquecemos de fazer aquilo que é o mais importante, cuidar daquilo que transporta a nossa vida: o corpo.

      Abraços,

      Lu

      Responder
      1. Rui

        Lu, não alimentes só o corpo mas também o espírito, pois tens um bom espírito, até as tribos da Amazônia se alimentam também do espírito. É um conselho de alguém que te quer muito bem, pois se não o alimentarmos fica um vazio dentro de de nós.
        Abraços

        Responder
        1. LuDiasBH Autor do post

          Rui

          É verdade! Sempre tenho procurado alimentar o meu espírito, principalmente com ações que não fazem mal nem mesmo às plantas. Obrigada por me querer bem.

          Abraços,

          Lu

  3. Carlos A Pimentel

    Após leitura do artigo, não resisti e fui comer uma bisteca suculenta com muita cebola! Este tipo de artigo é como o caso do café. Às vezes faz mal, outras não! Em todo caso, evito o consumo de carnes processadas. Estudos indicam que os homens primitivos eram carniceiros!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Olá, Carlos!

      As carnes processadas são as piores. Não resta dúvida de que existem muitos conservantes nelas, como comprova a rápida putrefação dos cadáveres. Os homens primitivos eram realmente carniceiros, pois não sabiam plantar… risos.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *