HOMOSSEXUALIDADE – A LUTA PELA DIGNIDADE

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBHjung123 

Na Antiguidade, a homossexualidade era vista como um hábito cultural. Na Idade Média, era tida como um estado de pecado. Na Idade Moderna, virou crime e patologia, a partir do final do século 19, na Europa, vista como doença mental, e sendo classificada como “desvio” ou “perversão”. Somente em 1990 é que a OMS (Organização Mundial de Saúde) “libertou” a homossexualidade da condição de patologia. O termo “homossexualidade” foi criado pelo médico austro-húngaro Karoly Maria Benkert, e designava qualquer forma de relação carnal entre pessoas do mesmo sexo.

Com a famigerada “cura gay” proposta, absurdamente, pelo presidente da Comissão dos Direitos Humanos, José Feliciano, esquecendo-se dos danos causados pelas “terapias de reversão” aos pacientes homossexuais, tempos atrás, a homossexualidade tomou as ruas e a mídia, pondo a público toda a sua história, na maioria das vezes toldada pela incompreensão humana, que exigia que todos os homens usassem a mesma forma para a sua sexualidade. Para tanto, foram criadas teorias científicas bizarras que viam a homossexualidade como uma doença da mente, tendo os gays que se submeterem a tratamentos mentais, entre os quais estava a lobotomia – cirurgia que eliminava parte do cérebro do indivíduo homossexual.

Mesmo em meio ao terror dos campos de concentração nazistas, o preconceito contra os gays era visível. Primeiro eles eram assinalados com a letra A, que foi trocada mais tarde por um triângulo cor-de-rosa. Enquanto judeus e ciganos eram cremados, os gays eram usados como cobaias para as experiências nazistas: a cura, “feita” através de tratamentos hediondos. Um deles consistia na castração da vítima e na introdução de altas doses de hormônios masculinos no seu corpo. E, pela mais cruel das ironias, americanos e britânicos, em vez de libertarem os homossexuais, após a Segunda Guerra Mundial, obrigaram-nos a cumprir o resto da pena imposta pelos nazistas, em prisões comuns.

Em meados do século 20, em Nova York, 200 gays foram retirados de um bar e presos, o que acabou fomentando uma grande revolta, recebendo os protestos de vários populares, originando o “Gay Power”, que iniciou a luta contra a discriminação da homossexualidade. Os ativistas organizaram-se para combater a homofobia, trazendo coragem às pessoas para assumirem sua opção sexual. A maior vitória gay aconteceu em 1973, quando a Associação de Psiquiatria Americana desclassificou a homossexualidade como patologia. Outros acontecimentos vieram:

  • O Conselho Europeu, em 1981, emitiu uma resolução exortando seus membros a descriminalizar a homossexualidade.
  • A Organização Mundial de Saúde, em 1990, declarou que “a homossexualidade não constitui doença, nem distúrbio e nem perversão”.
  • A nova classificação, três anos depois, entrou em vigor nos países-membros nas Nações Unidas.
  • A homossexualidade deixou de ser tratada por psicólogos em 1999, no Brasil.
  • O Brasil reconhece a união civil homossexual desde 2004 e permite a adoção de crianças por casais do mesmo sexo.
  • Transgêneros podem mudar de sexo legalmente em nosso país. Mas o casamento homossexual é proibido e os gays ainda são vítimas de agressão física por causa de sua opção sexual.

Contudo, toda vigilância é pouca, pois, fazendo ouvidos moucos para as declarações da OMS, certos profissionais, intitulados “psicólogos de Cristo” e certos políticos marqueteiros propõem, aqui no Brasil, que a homossexualidade seja vista como doença e os homossexuais passem pela “cura gay”. Haja oportunismo, prepotência e retrocesso.

Nota:
Quem quiser saber com profundidade sobre o tema abordado aqui, fica a sugestão do livro História da Sexualidade, Peter Stearns.

Fonte de pesquisa:
Aventura na História / Editora Abril

2 comentários sobre “HOMOSSEXUALIDADE – A LUTA PELA DIGNIDADE

  1. Sandra Aguiar

    Lu,
    para quem estiver mais interessado por este assunto, sugiro a leitura do livro: Homossexualidade sob a Ótica do Espírito Imortal, de Dr. Andrei Moreira (presidente da Associação Médica Espírita de Minas Gerais). Excelente!
    Grande abraço,
    Sandra Aguiar

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Sandrinha

      É sempre importante indicar para o leitor interessado mais fontes sobre o assunto.
      Deve ser um livro interessantíssimo.
      É bom conhecer o assunto sob as mais diferentes visões.
      O espiritismo sempre foi mais moderno em relação a certos pontos de vista.

      Grande abraço,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *