IGREJA DE N. SRA. DO PILAR / TIRADENTES

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Luiz Cruz

ABOPURU1    ABOPURU12

A igreja de N. Sra. do Pilar é um monumento tombado pelo município de Tiradentes, através da Lei Orgânica, de 1990. Trata-se de uma edificação da primeira metade do século XVIII, construída pelo padre Gaspar da Silva Pimenta. Segundo a lenda, três padres irmãos percorreram a região para edificar igrejas. O primeiro construiu a Igreja de N. Sra. do Livramento; o segundo a de N. Sra. do Pilar e o terceiro a da Santíssima Trindade. Sendo que de uma se avista a outra, formando um triângulo.

A edificação é característica de área rural, com fachada simples em oitão e telhado em duas águas. No interior, o altar-mor é em estilo barroco, com detalhes dourados e com acréscimos do final dos setecentos. O forro da capela-mor é pintado, destacando-se ao centro uma cena com a Assunção de N. Sra. que, pelas características e materiais pictóricos, deve ser do século XIX e de autoria desconhecida. Há um altar lateral de madeira recortada e pintada, que era dedicado a N. Sra. do Rosário, instalado onde agora se encontra uma curiosa imagem de São Sebastião. Ainda uma balaustrada torneada em jacarandá, com dois confessionários, um púlpito com pinturas marmoreadas e uma pia batismal em pedra arenítica são peças que se destacam no conjunto. Os materiais construtivos são: taipa, madeira, pedra seca, xistos e arenitos.

Na lateral da igreja de N. Sra. do Pilar existe um túmulo, com uma bela escultura de anjo alado em mármore branco. Nos fundos, encontra-se o cemitério, com destaque para um túmulo com uma escultura de anjo-menino e cruzes em ferro batido. E do alto dela podemos contemplar uma das mais belas paisagens da região, com a várzea do rio Elvas, a Serra de São José e a Serra do Lenheiro, em São João del Rei. Do lado oposto da igreja, no meio de uma colina, foi instalado um cruzeiro, com os símbolos da crucificação de Cristo.

O templo passou por reformas, algumas bastante comprometedoras. Na reforma de 1936/39, padre José Bernardino abriu arcos plenos nas paredes de taipa da capela-mor e encomendou uma repintura, de gosto bem popular e padronizada, realizada por Francisco Cesário Coelho (intervenção muito próxima à executada na Igreja de São Francisco de Paula). Trocou as telhas de calha por telhas francesas, retirou o piso de madeira e colou um de ladrilho hidráulico. Depois, construiu a torre lateral com volumetria acentuada, desproporcional ao tamanho da igreja. Na década de 1970, o padre Lourival de Salvo Rios substituiu o piso de ladrilho hidráulico por piso de marmorite rosa. No final da década de 1990, quando a igreja estava em processo de tombamento municipal, a prefeitura de Tiradentes fez a reforma do telhado. O adro foi pavimentado com pedras da Serra de São José. Embora as intervenções tenham comprometido a estrutura do monumento, foram elementares para sua existência. Provavelmente, sem elas, a igreja teria se transformado em ruínas.

Em 1964, a igreja foi saqueada. Levaram várias peças, inclusive a imagem da padroeira, que foi recuperada em um antiquário no Rio de Janeiro, pelo padre Jair Rodrigues Vale e o zelador José Elpídio do Nascimento. Infelizmente, as outras peças não tiveram a mesma sorte. O artista popular Antônio Gomes esculpiu duas peças para os nichos do altar-mor: N. Sra. dos Remédios e São João Batista.

A obra de restauro da igreja só foi possível através de apoio do BNDES. O monumento estava bastante comprometido por ataques de cupins, goteiras, umidade e rachaduras. A restauração foi coordenado pela Oficina de Teatro Entre & Vistas, com o processo iniciado em 2009 e custo em torno de R$700 mil. O restauro estrutural ficou a cargo da Tempus Empreendimentos e o artístico realizado por Ânima Conservação e Restauração, com acompanhamento da Paróquia de Santo Antônio, da Prefeitura e do IPHAN. Durante o processo de restauração foram realizadas “visitas guiadas” ao monumento, sob a coordenação do projeto Educação Patrimonial, também apoiado pelo BNDES, fundamentais para despertar o senso de pertencimento e responsabilidade pela preservação e conservação da edificação, que além de monumento de devoção e fé, tem inestimável valor para a identidade, história e cultura locais.

A igreja de N. Sra. do Pilar, de Tiradentes, foi entregue devidamente restaurada à comunidade do Elvas, no dia 2 de agosto de 2014, com uma singela solenidade e bênção. Foi apresentado um documentário sobre o restauro e a necessidade de fazer sua manutenção.

Sua localização
Região de Padre Gaspar
Área do distrito do Elvas e Caixa D’Água da Esperança,
Tiradentes/ Minas Gerais

Sobre a devoção a N. Sra. do Pilar
A devoção a N. Sra. do Pilar é muito antiga, surgiu quando o apóstolo São Tiago recebeu a incumbência de levar o nome de Cristo às províncias romanas da Espanha. Segundo a tradição, N. Sra. teria lhe pedido para ir, converter o maior número de almas e edificar um templo naquela região. Foi na cidade de Saragoza, às margens do rio Ebro, que seu trabalho teve mais êxito. Certa noite, ele ouviu vozes angelicais e se ajoelhou sobre um fragmento de uma coluna de mármore. Então, N. Sra. aproximou-se e lhe indicou o lugar para construir uma igreja, pedindo-lhe que colocasse o fragmento da coluna no altar. Tiago agradeceu a Maria pela ubiquidade, pois ela ainda estava viva. Essa foi considerada a primeira aparição de N. Sra. Ajudado por oito rapazes, Tiago iniciou a obra da igreja, colocando o fragmento da coluna no altar. Tempos depois, surgiu a devoção a N. Sra. do Pilar, que é venerada como padroeira da Espanha. No Brasil, seu culto é tradicional, especialmente nas vilas setecentistas. Ela é padroeira de muitas cidades como São João del Rei, Ouro Preto, Olinda, Recife, Curitiba e outras localidades.

Nota: imagens da fachada e altar-mor da Igreja de Nossa Senhora do Pilar, feitas pelo autor do texto.

17 comentários sobre “IGREJA DE N. SRA. DO PILAR / TIRADENTES

  1. Fábio

    Boa tarde,
    Sabe me informar como posso obter uma certidão de casamento realizado no ano de 1718? Sou morador do Rio de Janeiro (RJ). Aguardo resposta e desde já agradeço muito,
    Att,

    Fábio

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Fábio

      A certidão de que você precisa é da cidade mineira de Tiradentes? Se for, farei a sua pergunta a um amigo de lá. Mas, fora disso, deverá procurar o cartório da cidade em questão. E se for certidão de casamento na Igreja, deverá procurar o local onde foi realizado o casório e o atual pároco.

      Abraços,

      Lu

      Responder
      1. Fábio

        Boa noite, Lu!
        Sim, é da Cidade de Tiradentes (MG). Se tiver o e-mail do cartório, me envie por favor.
        Já entrei em contato com a Diocese há tempo, mas eles ainda não me responderam.
        Aguardo então, e desde já lhe agradeço muito.
        Att,

        Fábio.

        Responder
        1. LuDiasBH Autor do post

          Fábio

          Eu vou lhe passar, via e-mail, o endereço eletrônico de um amigo de lá.
          Contate-o e peça-lhe, pois não moro em Tiradentes.
          Tenho a certeza de que ele o ajudará.

          Abraços,

          Lu

        2. LuDiasBH Autor do post

          Fábio
          Já lhe passei o e-mail com o contato necessário. Depois me conte se conseguiu obter as informações que aguarda.

          Abraços,

          Lu

  2. Luiz Cruz

    Caro Passarelli,
    É um prazer ter você aqui lendo meu texto, pessoa tão dedicada à arte e à cultura da Região das Vertentes e que tanto tem contribuído especialmente para o resgate das manifestações folclóricas. Grato pelos comentários que só me alegram e incentivam a pesquisar e a escrever.
    Aceite meu abraço amigo,
    Luiz Cruz

    Responder
  3. Ulisses Passarelli

    Ótimo registro. O texto detalha as intervenções com perspicácia e eloquência, como é natural ao autor. Parabéns pela obra de restauro, muito bem vinda e pela matéria de tão agradável leitura.
    Abraços,
    Ulisses Passarelli.

    Responder
  4. Luiz Cruz

    Olá Jane,
    É um grande prazer ter você aqui lendo meu texto. Seja bem vinda! Quando voltar a Tiradentes podemos programar uma visita ao Padre Gaspar e visitar a Igreja de N.Sra. do Pilar. É um passeio que vale a pena, boa associação de patrimônio cultural e paisagístico.
    Grato pela leitura e retorno. Um abraço forte para você.
    Luiz Cruz

    Responder
  5. Jane Celina M. de Souza Almeida

    Luiz, muito interessante seu texto. É sempre bom podermos conhecer sobre nossas riquezas, nossas igrejas.
    Um grande abraço,
    Jane

    Responder
  6. Thonny Barcellos

    Oi Luiz!
    Muito bom este texto! Além de ser bastante informativo, está bem escrito e numa linguagem clara e correta. Gostei muito de várias informações das quais não tinha ciência. Quero fazer uma visita à igreja na minha próxima ida a Tiradentes. A última vez em que a visitei foi há tanto tempo que já nem me lembro dos detalhes (e também era difícil encontrá-la aberta!).
    Um grande abraço para você e parabéns pela iniciativa

    Responder
    1. Luiz Cruz

      Olá Tonnynho,
      É preciso veicular as informações sobre nossas riquezas. A igreja de N.Sra. do Pilar é muito bonita e vale ser visitada por vários motivos. Agora, devidamente restaurada, está uma beleza e deve ser motivo de um passeio ao Padre Gaspar. Além de visitar o monumento histórico, podemos apreciar uma paisagem de encher os olhos e a alma.
      Obrigado pela leitura e retorno. Para você meu abraço amigo,
      Luiz Cruz

      Responder
  7. Terezinha

    Excelente texto. E duas boas histórias. Nossa Senhora da Pilar. Igreja do Pilar – a história da restauração.
    Parabéns a Lu Dias que abriga este Vírus da Arte e ao Luiz Cruz.

    Responder
    1. Luiz Cruz

      Olá Terezinha,
      Que bom que gostou do texto e suas colocações são sempre importantes para mim! Quando tiver oportunidade, venha passear e visitar a igreja N.Sra. do Pilar, que está em um lugar super privilegiado. Devidamente restaurada, a igreja tornou-se mais um atrativo de Tiradentes.
      Grato pela leitura e pelo retorno.
      Envio meu abraço amigo,
      Luiz Cruz

      Responder
  8. Luiz Cruz

    Lu,
    Grato pela leitura e pelo retorno.
    Só podemos defender aquilo que conhecemos e torna-se fundamental veicular as informações sobre nossos monumentos históricos. Como a Igreja de N.Sra. do Pilar de Tiradentes, temos diversos monumentos espalhados e esquecidos por Minas e pelo Brasil afora. Para que tenhamos a preservação, se faz necessário uma série de ações de uso e apropriação de cada monumento.
    Para você meu abraço amigo!
    Luiz Cruz

    Responder
  9. LuDiasBH Autor do post

    Luiz

    Fascinante o seu texto.
    Os nossos tesouros precisam ser explicados para serem compreendidos.
    Morei em Diamantina e me encantava com as igrejas antigas.
    Já estive várias vezes em Tiradentes, mas não conheci a Igreja de N. Sra. do Pilar.
    Quando aí voltar, não deixarei de vê-la.
    Parabéns pelo texto tão enriquecedor.

    Abraços,

    Lu

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *