LIVRO DAS HORAS – MANUSCRITOS ILUMINADOS

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH teo1

 A pintura acima faz parte de um manuscrito de fino pergaminho de pelica, As Mui Ricas Horas do Duque de Berry, ricamente decorado e iluminado pelos irmãos Limbourg, sendo representada numa página de 29 x 21 cm, pintada no início do século XV (1410), que alude ao mês de janeiro. Retrata uma cena de interior.

O volume de As Horas Mui Ricas foi encomedado por Juan de França, Duque de Berry, tio do rei da França, que exigiu que a obra fosse ricamente ilustrada. O texto das orações  tornou-se  insignificante diante da riqueza e da beleza das ilustrações. O livro contém, como todo livro de horas, orações a serem ditas a cada hora canônica do dia. Provavelmente é o mais importante Livro de Horas do século XV, conhecido como “lê roi dês manuscrits enluminés” (o rei dos manuscritos iluminados).

A pintura retrata uma festa de Ano Novo, que se passa supostamente em 1º de janeiro de 1413, no palácio do Duque, em Paris. Aqui está ele com 73 anos de idade, imponentemente assentado debaixo de um dossel, o que reflete sua elevada posição social. Representados no dossel estão os lírios reais e os animais do escudo do duque: o urso e o cisne. Um semicírculo acima da tapeçaria representa o signo de Capricórnio.

O Duque de Berry está vestido com uma túnica azul e um gorro de pele e, logo atrás dele se encontra uma enorme lareira que tem a função de aquecer a sala. Ele está protegido das chamas e do calor, por um biombo entrelaçado, que também funciona como uma auréola que lhe dá maior visibilidade em meio ao grupo de cortesãos e servidores. Os visitantes que chegam, ricamente vestidos, dirigem-se à lareira, onde esquentam as mãos. Todas as pessoas presentes na sala estão com roupas quentes, o que indica que se trata de um dia frio. O piso coberto com esteiras de palha, usado habitualmente no inverno, é mais uma prova de que se trata de uma estação fria.

Um oficial da corte convida os visitantes para se aproximarem. As palavras “Aproche, aproche”, que aparecem acima do oficial, significam: “Aproxime-se, aproxime-se”. Na parede do fundo encontra-se uma bela tapeçaria pendurada que, além de enfeitar o ambiente, também o protege contra o frio e a umidade do tempo. As figuras nela presentes são soldados armados com lanças, vestidos como os contemporâneos do duque.

A mesa do banquete está ricamente preparada com vasos precisosos de ouro e comida cara. O administrador, o mordomo, o padeiro e o trinchador (açougueiro) ocupam as posições mais importantes no banquete, pois a eles cabe a função de servir o duque à mesa, seguindo um complexo cerimonial.

Em primeiro plano, à esquerda do observador, um mordomo oferece uma bebida, que também pode ser água para bacias de limpar os dedos, pois, naquela época, as pessoas comiam com os três primeiros dedos da mão direita.

O trinchador, de frente para o duque e de costas para o observador, parte as aves e reserva para o amo as partes mais nobres. Pedaços de aves em fatias de pão serão dadas mais tarde aos cães e aos pobres. Depois de servidas as carnes, virão os incontáveis pratos de diferentes iguarias.

No ambiente destaca-se a presença de cães, pois o duque era um grande amante da caça. Um enorme cão é alimentado por um dos servos, enquanto dois pequeninos encontram-se sobre a mesa.

Curiosidades:

  • Livro de Horas é um tipo de manuscrito iluminado comum à Idade Média. Cada livro contém uma coleção de textos, orações e salmos, acompanhados de ilustrações apropriadas, para fazer referência à devoção cristã. Em sua forma original o Livro de Horas servia como conteúdo de leitura litúrgica para determinados horários do dia. Tais livros estão entre os manuscritos medievais mais belos e ricamente ilustrados.
  • Um manuscrito (do latim manu = mãos e scriptus = escrever) é um documento escrito ou copiado à mão sobre um suporte físico (p. ex., pergaminho ou papel), utilizando um instrumento (pena, cálamo, lápis, caneta, esferográfica, etc.) e um meio (tinta). O termo manuscrito também é usado para o texto original de um autor (escritor, poeta, ensaísta, etc.), em oposição ao texto revisto ou editado posteriormente por outras pessoas que não o autor.
  • Iluminura ou miniatura é um tipo de pintura decorativa, frequentemente aplicada às letras capitulares no início dos capítulos dos códices de pergaminho medievais. O termo se aplica igualmente ao conjunto de elementos decorativos e representações imagéticas executadas nos manuscritos, produzidos principalmente nos conventos e abadias da Idade Média. No século XIII, “iluminura” referia-se, sobretudo, ao uso de douração e, portanto, um manuscrito iluminado seria, no sentido estrito, aquele decorado com ouro ou prata.

Curiosidades

  • As Horas Canônicas (em latim: Divinum Officium) são antigas divisões do tempo, desenvolvidas pelo Cristianismo, que serviam como diretrizes para as orações a serem feitas durante o dia. Um Livro das Horas continha as horas canônicas.
  • No contexto da tipografia, uma letra capitular ou letra capital é uma letra no início da obra, de um capítulo ou de um parágrafo, de maior dimensão que o restante corpo do texto. Em manuscritos ou livros antigos, a letra capital é muitas vezes profusamente decorada e chega a ocupar várias linhas do corpo do texto. Em manuscritos iluminados, as letras capitulares que contêm imagens são designadas por letras ornamentadas.
  • Em sentido estrito, fólio é uma folha de papiro, pergaminho ou papel resultante da dobragem ao meio de uma folha maior, inteira: um bifólio. Generalizou-se, contudo, o termo fólio para designar as unidades de qualquer dimensão de um caderno manuscrito. Assim, enquanto os pares de páginas dos livros manuscritos constituem os seus fólios, já os dos livros impressos são as suas folhas.
  • As Mui Ricas Horas do Duque de Berry é um livro composto por 512 páginas, das quais aproximadamente a metade são páginas (fólios) inteiras de miniaturas que estão entre o que há de mais expressivo do gótico internacional, não obstante seu reduzido tamanho. Há trezentas letras capitais decoradas. Possui 206 fólios, dos quais mais da metade são ilustrações de página inteira em um formato de 21 centímetros de largura por 29 centímetros de altura. O livro demandou quase um século de dedicação, conduzidos em três diferentes momentos, pois ficou inacabado com a morte do duque e dos Irmãos Limbourg. Atualmente encontra-se no Château de Chantilly, na França.

Fontes de Pesquisa:
Los secretos de las obras de arte/ Taschen
Wikipédia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *