O QUE FAZER APÓS UM FURTO OU ROUBO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria da vítima
Del1

A gente só se dá conta quando viramos vítima… Fui abordada por um indivíduo na rua, que levou minha bolsa com todos os documentos (até hoje não apareceram). Cancelei todos os cartões, abri um Boletim de Ocorrência (BO), fiz tudo o que manda o figurino nessa situação, mas não foi o suficiente.

Semana passada, eu fui tentar um crédito numa loja, e fui surpreendida com a notícia de que meu nome estava com muitas restrições. Fui ao SPC e SERASA imediatamente para verificar, e realmente meu nome está completamente sujo. Os camaradas abriram contas, usaram limites e fizeram cartão de crédito em vários bancos em Estados diferentes, pegaram empréstimos em várias financeiras, compraram através de crediário no Ponto Frio, Lojas Renner, etc., isso tudo em cinco dias após o assalto.

Imaginem! Agora estou tendo uma dor de cabeça e uma trabalheira danada para limpar meu nome. Mas o que quero atentar, é para o item 6, que está bem destacado abaixo. Assim como o advogado relata, eu nunca tinha ouvido falar disso, e acho que a maioria das pessoas também. Então não fiz o alerta nos órgãos de crédito, pois o principal responsável por essa orientação é a Polícia, no momento em que registramos o Boletim de Ocorrência.

A partir de orientações do SPC e SERASA, fiz o alerta agora, depois de conseguir limpar meu nome, pois, como os bandidos ainda estão com meus documentos, podem tentar novas fraudes. Por favor, repassem estas informações para que outras pessoas não tenham a dor de cabeça que estou tendo agora:

1. Não assine a parte de trás de seus cartões de crédito. Ao invés, escreva: ‘SOLICITAR RG’.

2. Ponha seu número de telefone de trabalho ou seu telefone celular em seus cheques em vez de seu telefone de casa, e use seu endereço de trabalho.

3. Tire xérox de todo o conteúdo de sua carteira; documentos, cartões de crédito, fotos, etc. Você saberá o que tinha em sua carteira, assim como todos os números de contas e números de telefone para chamar e cancelar. Mantenha a fotocópia em um lugar seguro. Também leve uma fotocópia de seu passaporte quando viajar.

4. Abra um Boletim Policial de Ocorrência (BO) imediatamente ao roubo, na jurisdição onde seus cartões foram roubados. Isto prova aos credores que você tomou ações imediatas, e este é um primeiro passo para uma investigação (se houver uma).

5. Mas aqui está o que é talvez o mais importante de tudo: Chame imediatamente o SPC  e SERASA (e outros órgãos de crédito, se houver), da sua cidade, para pedir que seja colocado um alerta de fraude em seu nome e número de CPF.

Eu nunca tinha ouvido falar disto, até que fui avisada por um banco, que me chamou para confirmar sobre uma aplicação para empréstimo, que havia sido feita pela Internet em meu nome. O alerta serve para que qualquer empresa, que confira seu crédito, saiba que sua informação foi roubada, e eles têm que contatar você por telefone, antes que o crédito seja aprovado. Quando fui aconselhado a fazer isto (quase duas semanas depois do roubo), todo o dano já havia sido feito. Há registros de todos os cheques usados para compras pelos ladrões, mas nenhum depois que coloquei o alerta. Desde então, nenhum dano adicional foi feito, e os ladrões jogaram fora minha carteira. Alguém a devolveu para mim. Esta ação parece ter feito os pilantras desistirem .

Se você repassar esta informação,  estará ajudando inúmeras pessoas,  e fazendo uma boa ação.

Nota: imagem copiada de www.area14.com.br

6 comentários sobre “O QUE FAZER APÓS UM FURTO OU ROUBO

  1. Patricia

    Ei Lu,

    os bandidos são mais bem informados que os cidadãos honestos. É decepcionante o país e a sociedade em que vivemos. Uma informação tão importante quanto esta e a maioria da população desconhece.

    Um grande abraço

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Pat

      Cabe à delegacia que atendeu a vítima, prestar-lhe todas as informações, mas parece que falta interesse. Realmente é lamentável.

      Beijos,

      Lu

      Responder
  2. Adevaldo Rodrigues

    Lu,
    Muito importante estas informações. O processo é burocrático, entretanto, necessário. Já perdi documentos e utilizei estes procedimentos sem que houvesse falsificações.

    Abraço,

    Devas

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Devas

      Quanto mais cedo a pessoa usar as informações apresentadas, mais rápido ficará isenta de amolações. Já me roubaram um talão de cheque uma vez, mas imediatamente tomei as precauções. O ladrão foi para a Bahia. Lá, fez uma compra num depósito e pagou (10 mil reais). Depois fez a segunda e pagou (10 mil reais), ganhando a confiança do dono. Na terceira, fez uma compra de 50 mil e deu o cheque, e o tombo. Seis meses depois, o português conseguiu me localizar em Minas, dizendo-me que eu estava sendo processada. Enviei-lhe por e-mail o BO, o documento do Banco e tudo mais. Pediu-me desculpas e compreendeu que fora vítima de um golpe. Na ânsia de ganhar dinheiro, aquele senhor nem se preocupou com a procedência do cheque e nem com a assinatura, que não passava de um monte de garranchos.

      Abraços,

      Lu

      Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Mário

      Em qualquer país civilizado você passa por isso, ou seja, presta queixas. Só que a polícia tem a obrigação de informá-lo sobre quais medidas tomar, de modo a impedir que usem seus documentos. Cabe a ela, também, encontrar os marginais.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *