Pieter Bruegel, o Velho – O CENSO EM BELÉM

Autoria de LuDiasBH

baleia123

E aconteceu naqueles dias que saiu um decreto da parte de César Augusto, para que todo o mundo se alistasse. (Lucas 2:1)

O imperador romano César Augusto ordenou que todos os habitantes fossem recenseados no seu local de origem. Por isso, José, nascido em Belém, e sua esposa Maria, já no final da gravidez de seu filho Jesus, chegaram à cidade para atender o decreto do soberano, pois Israel estava sob o domínio de Roma.

O artista Pieter Brueghel, o Velho, representou a cena da chegada de Maria e José, para participarem do censo, em sua aldeia de Flandres, na época do inverno, paisagem incomum na retratação do casal mais importante do cristianismo.

O carpinteiro José puxa o burrinho que conduz sua esposa Maria, para que cheguem rápido à pousada, onde muitas pessoas já se encontram, vestidas com seus grossos agasalho.

Na pintura, inúmeras cenas mostram a vida cotidiana da aldeia, com muitas carroças, meio de transporte da época, espalhadas por todos os lados. Na parte superior da composição, à esquerda, é possível ver o sol se pondo, de modo que a noite não tardará a chegar. O interior das casas com suas pequenas janelas já está na penumbra. Não existe nenhum tipo de iluminação nas ruas. A claridade vem da brancura da neve.

A vida na aldeia, onde tudo parece acontecer ao ar livre, é intensa.  Cães, porcos, galinhas e outros animais dividem o espaço com adultos e crianças. Com o findar do dia, algumas pessoas começam a regressar a seus lares, enquanto outras estão envolvidas nos mais diferentes afazeres.

Uma árvore oca, com um cartaz dependurado em seu tronco, serve de taverna. Um grupo de pessoas está ali a beber, enquanto uma fogueira feita de galhos aquece-as. Num ponto elevado da árvore está um corvo. À época, uma árvore oca e um corvo tinham um significado negativo. Na composição, podem estar simbolizando a má fama dos frequentadores do local.

As casas situam-se bem próximas umas das outras. Apenas uma cabana encontra-se isolada à direita da composição. Um cesto velho sobre sua cobertura serve como chaminé. Também se vê uma cruz. O isolamento da cabana indica que ali mora um leproso, e a cruz é sinal de que ele é mantido pela caridade da paróquia.

À esquerda da pintura, em primeiro plano, localiza-se uma pousada, para onde se dirigem Maria e José. Segundo a Bíblia, o dono do lugar não permitiu que o casal se alojasse ali, tendo ele que procurar um estábulo. Parte da pousada também é utilizada provisoriamente como escritório de recenseamento. Os funcionários recebem dinheiro e anotam o valor num grosso livro. Em frente ao local, onde se realiza o censo, uma patrulha de soldados, usando lanças, fiscaliza o andamento do decreto imperial.

À direita da pintura, crianças brincam e, à esquerda, próximo à pousada, um casal sacrifica um porco, sendo observado por dois meninos. Adultos e crianças vestem o mesmo tipo de roupas, só diferindo no tamanho.

Perto da cabana do leproso, duas crianças brincam de trenó, usando um tamborete de três pernas, enquanto outros dois brincam com piões. À direita, na parte superior do quadro, vê-se um castelo em ruínas.

O artista não retratou Maria e José numa escala maior do que as das outras pessoas e tampouco lhes deu qualquer destaque que mostrasse a importância do casal. Eles foram pintados como pessoas comuns em meio a tantas outras.

Ficha técnica da pintura:
Data: 1566
Artista: Pieter Brueghel, o Velho
Técnica: têmpera sobre madeira
Dimensões: 116 x 164,5 cm
Localização: Musèe Royoux des Beaux-Arts, Bruxelas

Fontes de pesquisa
Los secretos de las obras de arte/ Taschen
Cristo na Arte/ Manuel Jover

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *