RELIGIÕES MONOTEÍSTAS FAZEM MAL À TERRA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

kkk

É de se pressupor que, quanto mais a humanidade avança em tecnologia, maiores sejam os seus conhecimentos a respeito do planeta onde vive. Mas não é bem assim. Há relatos, por exemplo, de que antes de o tsunâmi arrastar consigo inúmeras vidas no leste da Ásia, os animais fugiram das partes baixas, procurando abrigo nos lugares mais altos, enquanto as pessoas, envolvidas em seus afazeres, de nada se aperceberam, pois desaprenderam de observar os sinais enviados pela natureza, como se fossem corpos estranhos inseridos nela.

Em tempos idos, ainda que o homem vivesse da caça e também destruísse florestas, havia uma interação entre ele e a natureza. Embora desconhecesse seus “mistérios”, sentia-se parte dela, tanto é que, ao arrancar uma árvore, pedia licença ao espírito que nela morava, ou ao matar um animal, rezava por sua alma. Fato que ainda acontece em algumas comunidades asiáticas, como já vimos em um dos artigos deste blog.

Bem antigamente, o sagrado estava por toda parte, presente em todas as coisas da natureza: montanhas, rios, animais, árvores, vento, relâmpago, chuva, mar, sol, etc. O homem sentia-se como parte desse encantamento que era a natureza, sabedor de que era ela a responsável por sua vida.

De acordo com muitos historiadores, o surgimento das religiões politeístas deu-se em razão da culpa humana, ou seja, pela necessidade de se expiar por comer animais, sujar as águas e violentar as matas. As pessoas tinham medo de que seus atos, considerados impuros, resultassem em castigos impingidos pelos espíritos da natureza. Somente a reverência poderia livrá-los do mal. Por sua vez, as religiões monoteístas mudaram toda a visão que o homem tinha sobre a natureza, basta ver em Gêneses o recado transmitido ao poderoso humano:

Frutificai e multiplicai-vos; enchei a terra e sujeitai-a; dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se arrastam sobre a terra.

Assim, as religiões monoteístas desmistificaram os espíritos dos rios, dos ventos, dos animais, das árvores, do ar, etc. O homem passou a ser senhor absoluto da Terra, não mais devendo nenhum respeito a qualquer forma de vida, nem mesmo aos de sua espécie. De humilde receptáculo dos elementos da natureza, que recebia como dádiva de mãe tão generosa, o homem inverteu a hierarquia de valores: a natureza passou a ser subserviente e submissa a ele, num processo de imolação sem tréguas. A ideia passou a ser a de que tudo no planeta foi criado por Deus com o objetivo único de servir o grande soberano, da forma que ele bem entendesse. Quanto mais progresso, mais violência contra a natureza.

E, por isso, os espíritos da Terra estão ganhando vida, retribuindo o desrespeito com inúmeras desgraças. E assim caminha a humanidade!

Nota: Pintura de Jan van Gool (1685-1763), pintor e escritor holandês.

4 comentários sobre “RELIGIÕES MONOTEÍSTAS FAZEM MAL À TERRA

  1. LuDiasBH Autor do post

    Jumar

    É incrível o desrespeito que o homem tem demonstrado pela natureza.
    E quanto mais aumenta a população mundial, mais ela é severamente maltratada.
    E já estamos vendo o resultado desse comportamento.
    Onde iremos parar?

    Zé Ramalho é um dos meus cantores preferidos, quer pela voz quer pela letra de suas músicas.

    Abraços,

    Lu

    Responder
  2. Julmar Moreira Barbosa

    Nossos ancestrais eram panteístas, daí o respeito que tinham pela Mãe Natureza.
    Caso este sentimento tivesse sido perpetuado entre nós, poderíamos viver em harmonia com todas as formas da natureza.
    Já que me faltam palavras, deixo aqui o poema (música) do admirável Zé Ramalho para traduzir o que penso e sinto:

    ETERNAS ONDAS
    (Zé Ramalho)

    Quanto tempo temos antes de voltarem aquelas ondas
    Que vieram como gotas em silêncio tão furioso;

    Derrubando homens entre outros animais,
    Devastando a sede desses matagais

    Devorando árvores, pensamentos seguindo a linha
    Do que foi escrito pelo mesmo lábio tão furioso,

    E se teu amigo vento não te procurar,
    É porque multidões ele foi arrastar.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *