Tarsila – ANTROPOFAGIA

Autoria de LuDiasBH

Tarsila12345

Os contornos inchados das plantas, os pés agigantados das figuras, o seio que atende ao inexorável apelo da gravidade: tudo é raiz. O embasamento que vem do fundo, do passado, daquilo que vegeta no substrato do ser.  (Rafael Cardoso)

Filhos do sol, mãe dos viventes, […]. Contra as elites vegetais. Em comunicação com o solo. (Manifesto Antropofágico)

Para fazer a sua composição Antropofagia, a pintora brasileira Tarsila do Amaral concebeu uma criativa união de dois trabalhos anteriores: A Negra (1923) e Abaporu (1928), como se aqueles seres colossais fossem interdependentes, um interligado ao outro. É impossível o entendimento desta obra através de uma leitura convencional,  aquela que é feita na análise dos detalhes. O observador deve optar por outro nível conceitual, pois as duas formas brutas, apresentadas pela artista, reportam ao estado ao primitivo.

A obra Antropofagia, a mais importante da fase antropofágica da pintora, é praticamente a fusão das duas pinturas citadas acima. A cabeça da negra tornou-se diminuta, em sintonia com a de seu companheiro. O braço, que sustentava o seio, está agora escondido atrás da perna direita, enquanto o seio é sustentado pela perna do outro ser, que escora a sua, e, que toca graciosamente o chão. A perna esquerda da Negra está encoberta pela perna do Abaporu, que se encontra em posição inversa. Ele não mais se encontra na pose de pensador. A mão, que sustentava sua cabeça, encontra-se agora descansando na perna. Ele se inclina para a Negra, como se estivessem dialogando com ela.

Os dois seres entrelaçados possuem cabeças diminutas e sem faces, num corpo gigantesco, o que leva à ausência de pensamentos, pois encontram-se na forma primitiva, totalmente ligados às raízes, e ganham vida como fazem as plantas, absorvendo a energia da terra e do sol.

A união dos dois personagens exclui-os da condição de mito, integrando-os à paisagem. Ao fundo, a artista faz a junção do cáctus e do sol, presentes na obra Abaporu, com a bananeira, presente na composição A Negra. Segundo o historiador da arte Rafael Cardoso, “Em Antropofagia as coisas não se transformam. Elas apenas são; subsistem, com uma terrível e sólida permanência que as ancora no chão.”. E, se o homem é visto como o irmão gêmeo do abaporu, a mulher, por sua vez, traz consigo o seio caído da negra.

À sua palheta nacionalista (verde, amarelo, azul e branco), Tarsila soma o ocre avermelhado, que compõe a pele das figuras e, que mais se parece argila.

Ficha técnica
Ano: 1929
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 126 x 142 cm
Localização: Acervo da Fundação José e Paulina Nemirovsky, São Paulo, Brasil

Fontes de pesquisa
Tarsila do Amaral/ Coleção Folha
A arte brasileira em 25 quadros/ Rafael Cardoso
Brazilian Art VII

8 comentários sobre “Tarsila – ANTROPOFAGIA

    1. LuDiasBH Autor do post

      Sueli

      Também sou uma apaixonada pela obra de Tarsila do Amaral. Não me canso de admirá-la.

      Agradeço a sua visita ao blog e comentário. Volte sempre.

      Abraços,

      Lu

      Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Gabriela

      Fico feliz que tenha gostado. Há muitos outros artigos que mostram outras pinturas de Tarsila do Amaral. Repasse para seus colegas o endereço do blog. Certo? Obrigada por sua visita e comentário!

      Abraços,

      Lu

      Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Jhenifer

      Embora ame e escreva sobre arte, eu não sei nem pegar o pincel na posição correta. Você está tentando fazer o desenho? Já experimentou tirar uma cópia da figura, riscá-la em quadros, e também fazer o mesmo com a folha onde vai desenhar? Assim fica bem fácil fazer a cópia.

      Muito obrigada pela sua visita e comentário. Volte sempre!

      Beijos,

      Lu

      Responder
  1. LuDiasBH Autor do post

    Mário

    O quadro mais famoso da Tarsila é o Abaporu, tanto no Brasil quanto internacionalmente.
    O que sei é que ele foi adquirido por um comprador argentino.
    Não sei se foi o Oswald de Andrade, o presenteado, quem o vendeu ou não.
    O que existe à venda hoje são reproduções (gravuras) dos quadros.
    O livro da Tarsila (Editora Folha) traz, em gravuras, todos esses que venho postando.
    Já fiz alguns para mim. Sai muito mais barato comprar o livro, do que encomendar as gravuras.
    A própria internet vende-as.

    Mesmo em relação ao valor estimado das obras postadas, eu não tenho a mínima ideia.

    Grande abraço,

    Lu

    Responder
  2. Mário Mendonça

    Lu Dias
    Qual é o quadro mais popular da Tarsila, Antropofagia ou Abaporu? Por que será que Abaporu foi parar na Argentina? Será que existe venda de algum quadro deste? Se há, quanto será? Fiquei curioso em saber em quanto são avaliadas essas obras que tu postas aqui; uma estimativa.

    Abração

    Mário Mendonça

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *