VOCÊ OUVE, MAS NÃO OBSERVA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

sherl

Nas unhas do homem, nas mangas do seu paletó, nos seus sapatos, nos joelhos da calça, nos calos do seu polegar e do seu indicador, na sua expressão, nos punhos da sua camisa, nos seus movimentos – em cada um desses traços a ocupação de um homem se revela. É quase inconcebível que todos esses traços reunidos não sejam suficientes para esclarecer, em qualquer circunstância, o investigador competente. (Sherlock Holmes)

O mal é que tendemos a julgar uma pessoa muito mais por suas palavras do que pelo seu modo de ser e agir, sem levar em conta a linguagem que nos repassa seu corpo. E ainda temos a empáfia de dizer que conhecemos X ou Y como a palma de nossa mão. Como é vã a nossa filosofia, pois a maioria de nós nem mesmo sabe como comporta o nosso próprio corpo do pescoço para baixo, quanto mais o de outrem.

Na sua linguagem, o corpo não finge acreditar no que não crê e tampouco dá o dito pelo não dito. Jamais se coloca como lacaio da mente. É um insubordinado da peste. De modo que, para os bons observadores, ele é um excelente parceiro, pois retrata com fidelidade os pensamentos que viajam pela mente, sem se preocupar com a emissão de palavras.

A leitura das atitudes e do pensamento do homem foi o primeiro sistema de comunicação a ser usado, antes mesmo que aprendêssemos a falar. Mas a modernidade foi embotando tal preciosidade e dando, cada vez mais, espaço para a palavra oral. E no blábláblá, na verborragia, na logorreia e na verbiagem nós fomos nos atolando. Nossos olhos tornaram-se menos sagazes, enquanto os nossos ouvidos tornaram-se senhores absolutos da verdade, mas sem muita sabença. Olhos e ouvidos deixaram de ser parceiros na análise e, consequentemente, contamos com menos testemunhas na ação. Bem feito!

A mensagem corporal é tão rica, que mesmo a linguagem oral e escrita está cheia de expressões que indicam o nosso contato com o corpo:

Levante a cabeça!
Não mais aguento o fardo que carrego nos ombros!
Não me encha o saco!
Não tem vergonha na cara?
Está sempre empurrando com a barriga!
Ficou com dor de cotovelo!
Aquilo foi um soco na boca do meu estômago!

Assim, temos que ficar mais atentos, como nos ensina o famoso investigador, Sherlock Holmes, personagem de ficção da literatura britânica, criado pelo escritor Sir Arthur Conan Doyle. E, como nos diz o detetive: Os pequenos detalhes são sempre os mais importantes.

Nota: Imagem copiada de http://www.oesquema.com.br/trabalhosujo/2010/01/11/o-sherlock-holmes-de-robert-downey-jr.htm

2 comentários sobre “VOCÊ OUVE, MAS NÃO OBSERVA

  1. Mário Mendonça

    Lu Dias

    Não ouvimos, não observamos e falamos pelo cotovelo sem o minimo de entendimento do que estamos a expor……depois, sofremos…………..

    Abração

    Mário Mendonça

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Mário

      É verdade!
      Como temos necessidade de falar e muito pouco de ouvir.
      Não deixe de ler DECIFRANDO PROVÉRBIOS.
      Você irá gostar bastante.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *