DEPRESSÃO: COMO ACELERAR O CÉREBRO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

Quando nos ocupamos de alguma coisa, as faculdades cerebrais são mobilizadas e assim nos sobra menos tempo para alimentar pensamentos sombrios. (Stefan Klein)

Quem consegue vencer a inércia está dando o primeiro passo para adquirir um conceito melhor de si mesmo. (Stefan Klein)

Pesquisas comprovam que, “quando concentramos a atenção em uma atividade concreta, deixamos menos espaço para pensamentos e sentimentos pessimistas”, afirma Stefan Klein. O ideal, segundo o biofísico, é que a atividade escolhida leve-nos a um objetivo no qual obtenhamos êxito. Nessa fase de desânimo não adianta escolher metas difíceis de serem alcançadas, uma vez que o nosso cérebro encontra-se menos ágil, ainda longe de pôr em ação toda a sua capacidade de desempenho. Assim, as tarefas mais simples agem como um preaquecimento da mente e cada êxito alcançado é um passo no seu restabelecimento.

Todas as pessoas que já passaram por uma fase depressiva, ou nela ainda se encontram, sabem como é difícil a execução de quaisquer tarefas. O corpo fica pesado, inerte e só pede cama ou que o deixemos quietinho, distante de todos e de tudo. Atender o seu pedido é um grande erro, pois só faz enrijecer o cérebro. É preciso respirar fundo e reunir as minguadas forças ainda restantes para sair do marasmo. As tarefas iniciais podem ser relacionadas aos trabalhos domésticos ou qualquer outro tipo de exercício que não requeira muito esforço – sem estresse – e dê-nos a sensação de sucesso ao terminá-lo e ânimo para fazer outros.

A vivência do êxito, ao levar uma tarefa ao seu término, é muito importante no estado de tristeza em que o depressivo se encontra.  O neuropsicólogo Richard Davidson explica que “Isso se explica pelo funcionamento dos dois hemisférios cerebrais (assunto presente neste site). Nas fases de desânimo ocorre uma drástica redução da atividade da região frontal esquerda – a que nos impulsiona a estabelecer objetivos, mas que também controla as emoções negativas”. Contudo, quando a pessoa depressiva trabalha para atingir um objetivo, ainda que esse seja simples, ela passa a acionar essa metade do cérebro que se encontra com a sua atividade diminuída e que é importantíssima para ativar o bom humor. Ao atingir a meta proposta, os neurônios da região frontal remetem o sinal que provoca a percepção do êxito.

Fica patente, portanto, que a atividade física é de suma importância para as pessoas depressivas, pois ajuda na produção de sentimentos positivos. Contudo, ao iniciá-la, não se deve estabelecer metas mirabolantes que acabam – uma vez não cumpridas – levando ao desânimo e fazendo com que a pessoa abandone os exercícios. Na fase inicial a persistência é muito importante, uma vez que mil e uma desculpas (faz muito calor, está frio, parece que irá chover, o sol está de rachar, minha cabeça está querendo doer, não me sinto bem hoje…) aparecerão para que o depressivo continue em casa adubando sua melancolia.

Pesquisas mostram que a eficácia da atividade física para o cérebro é imediata. O neurocientista Fred Gage constatou, através de pesquisas com ratos, que “Os exercícios físicos favorecem o crescimento e até mesmo a formação de novos neurônios”. Segundo ele, houve, até mesmo nos animais que antes tinha dificuldade de aprender, um desempenho superior em razão da atividade física.

Por que os exercícios físicos são importantes:

  • Tornam a mente mais ágil.
  • Estimulam o crescimento das conexões neuronais que impedem a ocorrência do mais nefasto de todos os sintomas da depressão: a atrofia das células cinzentas (assunto presente neste site em O QUE É A DEPRESSÃO e COMO A DEPRESSÃO ACONTECE  dentre outros artigos).

Os benefícios da atividade física são sentidos logo após o término dos exercícios. Corpo e mente experimentam uma sensação de prazer que culmina com um bom banho. Mas por que isso acontece? O esforço físico libera serotonina (hormônio que regula o humor, sono, apetite, ritmo cardíaco, temperatura corporal, sensibilidade e funções intelectuais e, por isso, quando se encontra numa baixa concentração pode causar mau humor, dificuldade para dormir, ansiedade ou mesmo depressão). O biofísico Stefan Klein complementa que “Ao contrário das pílulas que apenas atenuam a melancolia, a atividade física também gera um sentimento positivo, pois o esforço libera as endorfinas que causam euforia”.

Ainda segundo o biofísico, a prática regular de exercícios de pelo menos três vezes por semana, durante ao menos meia hora, pode ser tão eficaz contra a melancolia quanto os melhores antidepressivos encontrados nas farmácias. Mas vale lembrar que nas depressões graves a prática de exercícios deve estar aliada aos medicamentos, conforme prescrição médica, pois uma coisa não exclui a outra.

Nota: ilustração – Roda de Peteca, obra de Heitor dos Prazeres

Fonte de pesquisa:
A Fórmula da Felicidade – Stefan Klein – Editora Sextante

2 comentários em “DEPRESSÃO: COMO ACELERAR O CÉREBRO

  1. Hernando Martins

    Lu

    Existe um ditado popular que diz o seguinte: “mente vazia é oficina do diabo”.

    Quando estamos sem praticar nenhuma atividade física e/ou mental, costumamos remoer o passado, principalmente os momentos tristes e conflitantes, também temos a tendência de nos preocupar com algo negativo que possa acontecer no futuro.

    Todas essas preocupações não têm razão de ser, tudo é criação da mente, porque passado e futuro são ilusões que muitas vezes são destruidoras do psique humano. O único tempo que existe é o presente, temos que agradecer a oportunidade de usufruí-lo da melhor maneira possível, de acordo com as nossas conviccoes.

    É interessante ressaltar que o corpo físico não foi projetado para ficar estático, muito antes pelo contrário, ele foi elaborado para movimentar, ressaltando que o tripé corpo, mente e cérebro fazem parte de um organismo vital que necessita de interligações. O exercício físico é fundamental para estimular as sinapses entre os neurônios a fim de permitir conexões entre mente e corpo, fundamentais à saúde e imprescindíveis para minimizar os efeitos das degenerações que podem ocorrer no decorrer da vida.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Hernando

      Quanto mais o nosso mundo evolui, facilitando-nos as ações que antes despendiam energia, maior é a nossa tendência de fazer menos exercícios físicos, o que nos é muito prejudicial, pois, como você mesmo disse, nosso corpo foi feito para movimentar-se. A inércia faz-nos um grande mal. Quanto ao nosso cérebro, ele também precisa de atividades. Vou publicar um artigo muito interessante sobre este assunto.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *