DEPRESSÃO E CAPACIDADE CEREBRAL

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

 Autoria de LuDiasBH

Então Pedro saiu do barco, andou sobre as águas e foi na direção de Jesus.  Mas, quando reparou no vento, ficou com medo e, começando a afundar, gritou: “Senhor, salva-me!”. Imediatamente Jesus estendeu a mão e o segurou. E disse: “Homem de pequena fé, por que você duvidou?” (Mateus 14:22-36)

A utilização insuficiente da capacidade cerebral pode ser tão nociva para o equilíbrio psíquico quanto o cansaço por excesso de atividade. (Stefan Klein)

Quando estou mergulhado nos meus personagens e na ação, não existem horários e nem refeições. Que me deixem tranquilo. (Heinz Konsalik )

Vimos em textos anteriores que se ocupar de outras tarefas – além de pensar somente em nós mesmos – é de suma importância para a saúde de nosso cérebro, pois ao se manter atarefado, ele se esquece de si mesmo e mostra-se mais feliz. Concluímos, portanto, que nosso cérebro parece não gostar do vazio, ou seja, que nos voltemos apenas para nós mesmos. O compartilhamento faz-lhe muito bem. Eis uma prova de que não nascemos para viver sozinhos, ou seja, nenhum homem é uma ilha.

Quando nos encontramos ao telefone numa conversa do nosso interesse, temos a tendência de ignorar o barulho à nossa volta, concentrando-nos no assunto em questão. Nossas preocupações e ruminações também funcionam como ruídos prejudiciais que se mostram ainda mais severos quando nosso cérebro não se encontra envolvido em tarefas que o levem a ignorá-los. Está aí o porquê de contar carneirinhos – como ensina a sabedoria popular – quando nos encontramos insones. Ao ocupar os neurônios com a contagem dos animaizinhos, acabamos impedindo que as preocupações e os pensamentos negativos imperem.

Nosso cérebro não descansa nunca. Quando nos encontramos em momentos de ociosidade, volta-se para as fantasias ou lembranças. O pior é que tem a tendência de escolher as mais desagradáveis. Por que isso? Porque nós somos mais atraídos pelo pessimismo, como se vivêssemos atentos a um perigo iminente, pois o nosso  instinto de sobrevivência está sempre a postos. O grito de “Fogo!” deixa-nos muito mais atentos do que se ouvíssemos um anúncio prazeroso. Entre uma ideia agradável e uma amedrontadora, surgindo ao mesmo tempo em nosso cérebro, a última sempre vence.  Segundo o biofísico Stefan Klein, o Evangelho de Mateus relata a correspondência entre percepção e sentimento, ao narrar o milagre no lago de Genesaré (em negrito no início deste texto). Pedro começou a sentir medo e fracassou quando passou a duvidar de si mesmo, ao atender o chamado do Mestre.

Não são poucas as vezes em que nos dispusemos a fazer uma tarefa e nem demos conta do tempo passando. Quando olhamos as horas, acabamos levando um susto, pois o tempo apresentado pelo relógio parece-nos irreal. Isso acontece quando a tarefa é desempenhada com concentração em razão de sua importância ou prazer, pouco importando qual seja ela (caminhar, ler, conversar, pintar, escrever, fazer uma comida, etc.). Por que isso acontece? Porque o cérebro encontra-se tão ativo que o “eu” fica em segundo plano.

A lenda grega sobre Sísifo (filho do Éolo), tido como o mestre da malícia e da rebeldia e um grande ofensor dos deuses, mostra-nos como a inutilidade de qualquer esforço feito pode parecer-nos um tormento, ao contrário de algo desejado:

Sísifo ao ser castigado por Zeus – o deus dos deuses – recebeu a incumbência de empurrar uma pedra ladeira acima  e colocá-la no topo de uma montanha. Contudo, ao chegar ao cume do monte, a rocha despencava-se de novo e de novo. A pedra não era pesada o bastante para significar um tormento. O castigo encontrava-se na inutilidade da tarefa, ou seja, na monotonia do trabalho executado por Sísifo vezes e vezes sem conta, sem nada exigir de seu cérebro, privando-o de qualquer euforia. É por isso que existe a expressão popular “trabalho de Sísifo”, originada  dessa lenda grega, relativa a todo tipo de trabalho ou situação que é interminável e inútil.

O trabalho executado, portanto, para provocar uma sensação de leve euforia no nosso cérebro, fazendo aflorar os sentimentos positivos, não deve ser por demais difícil e nem excessivamente fácil. Pesquisas mostram que se a tarefa executada é muito difícil ou extremamente fácil acaba por não trazer efeitos positivos para o cérebro.

Quando a atividade exige muito esforço, traz sensações de cansaço e esgotamento, sendo que a falta de êxito produz frustração. Se a tarefa é feita mecanicamente, sem qualquer desafio, nada exigindo do órgão cerebral, traz uma sensação de tédio – a mente não aceita a ociosidade – abrindo espaço para que os pensamentos ruins se instalem. O ideal é que a atividade executada estimule o cérebro na medida certa, fazendo surgir os sentimentos positivos. Logo, tanto uma atividade extremamente complexa quanto uma fácil demais não beneficiam o nosso cérebro.

Para concluir, é bom levarmos em conta a advertência do biofísico Stefan Klein: “Um amplo número de estudos psicológicos revela que as pessoas cuja ocupação habitual não solicita sua capacidade cerebral de modo satisfatório estão mais propensas a sofrer de depressão e angústia”.

Nota: ilustração – Manacá, obra de Tarsila do Amaral

Fonte de pesquisa:
A Fórmula da Felicidade – Stefan Klein – Editora Sextante

4 pensou em “DEPRESSÃO E CAPACIDADE CEREBRAL

  1. Edward Chaddad

    LuDias

    Excelente, como sempre, seu artigo. Você com muita propriedade se expressou:

    “nosso cérebro parece não gostar do vazio, ou seja, que nos voltemos apenas para nós mesmos. O compartilhamento faz-lhe muito bem. Eis uma prova de que não nascemos para viver sozinhos, ou seja, nenhum homem é uma ilha.”

    Adorei o seu artigo, que nos lega ensinamentos e garante maiores reflexões.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Ed

      Seu comentário foi transformado num maravilhoso texto que será publicado ainda hoje.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Claudia Bolsonaro

    Lu, nosso cérebro é ativo, e essa atividade precisa ser na dose certa. Nem excessiva, mas também não monótona. Belo texto para reflexão. Obrigada!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Cláudia

      Como diz a filosofia budista, a sabedoria encontra-se no caminho do meio, ou seja, no equilíbrio.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *