GUERNICA (Aula nº 97 F)

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Lu Dias Carvalho

 

                                  (Cliquem nas imagens para ampliá-las.)

Guernica é um monumento à desilusão, ao desespero e à destruição. (Herbert Read)

Toda a minha vida foi uma luta contínua contra a reação e contra a morte da arte. (…) Na pintura em que estou trabalhando neste momento e que se chamará Guernica e em todas as minhas obras recentes, exprimo claramente o meu ódio pela casta militar que mergulhou a Espanha em um oceano de dor e de morte. (Pablo Picasso)

A República Espanhola encomendou a Pablo Picasso em 1937 uma enorme composição para ornamentar o pavilhão espanhol na Exposição Internacional de Paris. O governo da Espanha tentava atrair o apoio das potências democráticas no intuito de minar o apoio militar e político de Hitler e Mussolini, direcionados ao general Francisco Franco. Os republicanos, com a intenção de reforçar a pálida democracia, buscaram o apoio da classe de artistas espanhóis. Dentre esses estavam Picasso, Miró, Luís Buñel e Joseph Renau.

Antes de Picasso iniciar a composição da obra encomendada, a cidade basca de Guernica foi bombardeada por uma força expedicionária, a mando de Hitler e em apoio a Franco. Foi desse acontecimento que nasceu a inspiração do artista para a confecção do mural. Ele ficou horrorizado com a brutalidade de que fora vítima a cidade sem defesa, bombardeada durante 03h 15min minutos, ficando um saldo de 1.660 mortos e 890 feridos. Fato ocorrido em 26 de abril de 1937. Da comoção de Picasso nasceu a sua obra mais reconhecida mundialmente: Guernica, organizada como um tríptico, ou seja, possui um painel central e dois laterais, unidos por uma estrutura triangular.

À época a fotógrafa Dora Maar – amante do pintor – fotografou todas as fases da composição, cujo painel central é composto por um enorme triângulo. A lamparina encontra-se no ângulo superior do triângulo e a mão do soldado e o pé da mulher que parece correr ocupam respectivamente o ângulo esquerdo e o direito. Picasso usou o branco e preto com cinzas e toques de azul. Ele fez 45 esboços da obra e levou cinco semanas para concluí-la. No painel tudo é simples, exceto a expressão da dor emanada pelas vítimas.

No mural Guernica Picasso colocou apenas seis figuras humanas e três animais, mas que dão a impressão de muito mais, ao preencher toda a tela, inclusive trazendo a sensação de claustrofobia. Os animais pintados são um touro, um cavalo e um pássaro. Em meio às figuras citadas estão os seguintes elementos a compor a cena: edificações, uma lâmpada, uma lança estilhaçada, chão de tijolinhos, uma flecha, uma mesa e chamas mostrando um caos turbulento.

Guernica não tem o objetivo de mostrar uma época específica da história, pois é atemporal. Trata-se de uma obra universal, ícone do século XX e de uma alegoria lancinante contra a impiedade da guerra. É como se toda a composição representasse um grito paralisante de agonia. Não se tem uma explicação clara sobre todos os elementos presentes na composição, principalmente sobre o cavalo e o touro, tidos como símbolos respectivamente da brutalidade e da inocência do povo. Segundo o pintor, o touro representa a bestialidade das trevas. Mesmo após tal explicação, a imagem do animal ainda continua ambígua, pois Picasso nunca gostou de dar explicações sobre suas figuras.

Os personagens a partir da esquerda para a direita são:

  • mãe chorando, com a cabeça jogada para trás, trazendo um garotinho morto nos braços, com sua cabecinha pendente. Ela parece gritar em desespero, pedindo misericórdia;
  • touro com a cauda levantada, como se estivesse em chamas, imagem difícil de ser compreendida. Sua expressão parece humanizada diante da tragédia;
  • ave com a cabeça virada para cima, com o bico extremamente aberto, como se gritasse assustada;
  • soldado caído de costas, segurando uma espada quebrada e uma flor. Ele traz a cabeça e o braço direito decepados. A flor pode ser entendida como um símbolo da esperança de que a vida continue. Apesar da brutalidade do homem, sua delicadeza acentua ainda mais o caos visto no mural. No braço esquerdo estendido para trás, a mão do soldado traz um ferimento no meio que pode simbolizar o estigma de Cristo;
  • cavalo relinchando, com a cabeça e o pescoço contorcidos, visivelmente atormentado e assustado. A língua no formato de adaga à vista simboliza o primário grito de dor dos inocentes. Bem acima de sua cabeça encontra-se uma lâmpada elétrica que se parece com um grande olho, sendo vista por alguns como o olho onividente de Deus. Seu clarão também pode ser uma referência às bombas caindo;
  • mulher que parece voar, passando pela janela aberta com os seios pressionando a mão. Ela carrega uma lamparina acesa na mão, como se trouxesse luz na tentativa de compreender o que de fato aconteceu;
  • mulher que tem a cabeça erguida e os seios nus, com os olhos direcionados para o cavalo. Seu rosto denota desespero e medo. Ela parece correr;
  • mulher ajoelhada e rodeada pelas chamas, gritando com os braços erguidos para os céus, como se quisesse impedir que as bombas caíssem. Perto dela e acima da janela é possível ver mais chamas, o que indica que a cidade está pegando fogo.

Observação: alguns veem uma caveira, formada pelas narinas e dentes superiores do cavalo, e também a cabeça de um touro, situada no ângulo da perna dianteira desse animal, de frente para o observador, com o focinho quase tocando a flor.

Quando Guernica foi feita, Picasso estava com 56 anos de idade. Como Franco saiu-se vencedor, o pintor decidiu que a obra só voltaria à Espanha quando ali houvesse democracia. Enquanto isso, ela permaneceria no Museu de Arte Moderna de Nova York, nos Estados Unidos. O que realmente aconteceu.

Nota: a imagem colorida tem por objetivo ajudar o leitor a identificar as partes da obra.

Ficha técnica
Ano: 1937
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 349 x 776,5 cm
Localização: Museu Nacional Centro de Arte Sofia, Madri, Espanha

Fontes de pesquisa
Arte/ Publifolha
Picasso/ Coleção Folha
Picasso/ Abril Coleções
Arte em detalhes/ Publifolha
Grandes pinturas/ Publifolha

6 comentaram em “GUERNICA (Aula nº 97 F)

    1. Lu Dias Carvalho Autor do post

      Maria Aparecida

      Agradeço a sua visita e comentário. É sempre bom ter leitores como você.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  1. Hernando Martins

    Lu

    Guarnica é simplesmente fantástica pela beleza da obra, bem como pela mensagem corajosa, numa época de instabilidade política mundial. O artista consegue retratar o horror da guerra e , no caso de Guarnica, uma pequena cidade do norte da Espanha que foi bombardeada pelas forças nazistas alemãs com o apoio do general Franco. Apesar que nesse período Picasso já morasse na Franca, ele precisava denunciar a atrocidade da guerra.

    Ele utilizou tons monocromáticos, cinza, branco e preto para mostrar a tristeza. observa-se na composição vários aspectos das consequências da guerra. Uma mulher em chamas, mãe em desespero com filho, animais mortos, símbolos espanhóis. O mais triste de tudo é que a humanidade viveu os horrores da guerra e o aparecimento de ideologias nefastas como fascismo, nazismo, mas aprende com a história. Como disse o Nietzche: “A loba do fascismo esta sempre no cio”.

    Um fato interessante diz respeito a um soldado nazista chegou para Picasso e perguntou-lhe se foi ele que tinha feito a obra Guarnica. E ele respondeu: “Nao fui eu, foram vocês que fizeram.”

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Hernando

      Em seu sensível comentário você escreve:

      “O mais triste de tudo é que a humanidade viveu os horrores da guerra e o aparecimento de ideologias nefastas como fascismo, nazismo, mas aprende com a história.”

      Nietzche: “A loba do fascismo esta sempre no cio”.

      Um fato interessante diz respeito a um soldado nazista chegou para Picasso e perguntou-lhe se foi ele que tinha feito a obra Guarnica. E ele respondeu: “Nao fui eu, foram vocês que fizeram.”

      A sua indagação é pertinente. A fala do filósofo é verdadeira e Picasso expõe a verdade crua e nua ao apontar os responsáveis pela obra.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Adevaldo R. de Souza

    Lu

    Guernica é uma estrondosa obra. O genial Pablo Picasso critica os horrores da Guerra Civil Espanhola e a ditadura do general Francisco Franco com seu apoio ao Nazismo. Guernica era uma vila de mais ou menos 6 mil habitantes situada na região norte da Espanha, em uma das províncias do País Basco. Durante a Idade Média, a vila ficou conhecida por ser o local de reunião das Juntas Gerais – conselho político de Biscaia –, onde havia ocorrido o juramento dos monarcas espanhóis de respeito aos Foros Bascos – conjunto de leis que regulamentava e garantia os direitos e costumes deste povo.

    A escolha de Franco de bombardear a pequena vila pode estar relacionada a esta dimensão simbólica que ela carrega, já que dessa forma o ditador espanhol poderia humilhar os bascos que haviam assinado, em outubro de 1936, o tratado de autonomia com o Governo Republicano espanhol, o qual Franco havia declarado guerra.

    Ao apresentar figuras geometricamente decompostas e subjetivas, características do Cubismo, o artista usa sua genialidade para criar elementos de destaque populares da cultura espanhola como o touro e o cavalo. Uma possível interpretação da presença desses animais na tela é representar uma afronta à cultura daquele país e uma tentativa de destruir os ideais defendidos pelos cidadãos espanhóis.

    Uma obra de arte como Guernica é um documento histórico e tem sua função social, pois em determinado momento, ela fala por si dentro dos aspectos políticos, culturais e sociais de um período conturbado, mas que está acontecendo nos dias atuais. É uma mensagem que se ajusta aos tempos em que militares apelam pela guerra em nome da paz, mas, como sabemos, será através da democracia que se consegue melhor equilíbrio social, política e econômica e, portanto de paz. O quadro Guernica pode funcionar como um símbolo de paz ou antiguerra.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Adevaldo

      Ao analisar Guernica você nos apresenta uma excelente aula de história, abrindo os nossos horizontes diante da dimensão do sofrimento vivido pelo povo espanhol:

      “Guernica critica os horrores da Guerra Civil Espanhola e a ditadura do general Francisco Franco com seu apoio ao Nazismo”.

      Você nos mostra que:

      “Uma obra de arte como Guernica é um documento histórico e tem sua função social, pois em determinado momento, ela fala por si dentro dos aspectos políticos, culturais e sociais de um período conturbado, mas que está acontecendo nos dias atuais.”

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.