GURU DESMORALIZA OS GENERAIS DO REINO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

 Autoria de LuDiasBH

As coisas não andam boas para os generais do reino desde que o soberano deu ao seu guru astrólogo a maior condecoração possível, munindo-o de poder e glória. O que se vê é justamente uma camisa de onze varas para os homens de farda, incapazes de usar uma camisa de força na língua do mentor real e na truculência do monarca. E para piorar o entrevero, o rei usou de todas as letras para dizer que apoia seu mentor, acima de tudo e de todos: Olavo, sozinho, rapidamente tornou-se um ícone, verdadeiro fã para muitos. […]. Sempre o terei nesse conceito, continuo admirando-o”. O fato é que a capitis diminutio dos generais é visível no embate com esse cavaleiro da triste figura e com a família real. Os ataques não se tratam de combustão espontânea, mas de uma bem armada orquestração no intuito de expeli-los da governança.

Dentre as baixarias lançadas pelo guru, nada mais triste que aquela endereçada a um dos generais que vivencia um sério problema de saúde: “… a quem me chama de desocupado, não posso nem responder que desocupado é o cu dele, já que não para de cagar o dia inteiro”.  É lamentável que os súditos fiquem expostos a tanta loucura e crueldade, assistindo a um flagrante desrespeito não apenas a um general, mas a uma pessoa com problemas reais de saúde (causa turpis). O guru ainda diz que Os vassalos votaram para ter um governo conservador, cristão”. O que há de cristão em tanta depravação, desregramento e sacanice? Onde fica o tal reino cristão? Se Cristo aqui viesse, haveria de meter o chicote nos hipócritas.

Numa fala de quem quer colocar panos quentes, o general e vice-rei mandou seu recado: “Esses ataque são totalmente sem nexo. Se nós ignorarmos, será muito melhor para todo mundo”. No que se engana o vice-rei, pois diz a sabedoria popular que quem muito se abaixa acaba mostrando a bunda, como comprova outra declaração do guru: Fracotes enfezadinhos como esse general, que não têm personalidade nenhuma e só sabem agir sob a proteção de grupos e corporações, imaginam que sou como eles e vivem tentando reduzir as MINHAS OPINIÕES…”.

Ignorar a desmoralização dos generais – como sugere o vice-rei – não é “melhor para todo mundo”. A omissão nada mais é do que um sinal de fraqueza ou cooptação, uma vez que o omisso toma um lado, sim – o do mais forte. E quando a contenda sai do campo das ideias para entrar no da obscenidade, indecência e falta de decoro significa que a corda dada já ultrapassou os seus limites, aproximando-se do abismo. É preciso romper este círculo vicioso de impropérios. Chega de ser cobra que morde o rabo. Com mil demônios! De tanto colocar uma pá de cal e pôr pedra em cima, o reino logo estará cercado pelas Muralhas da China.

É sabido que esta carga de explosivos disparada contra os homens das espadas objetiva derrubar o general ministro da Secretaria do Reino, mandando-o de mala e cuia para casa. Um dos mais beligerantes príncipes vem alardeando aos quatro ventos a armação, vangloriando-se de ter “explodido” o afrontado que ainda continua de pé, mas debaixo de um fogo cerrado de desmoralização, aviltado até mesmo por indivíduos desprezíveis que pululam pela mídia. O guru continua apontando sua artilharia para o ministro general: “Só conhece politiqueiros e fofoqueiros de merda como ele mesmo”. O que se vê neste reino tresloucado é mina por todo lado e um salve-se quem puder. O ex-comandante do exército do reino deixou claro que: “… pela importante presença dos militares em cargos de chefia, certamente uma parte da conta [se o governo real não der certo] será debitada aos militares”. Então, que eles zelem pelo reino antes que consumatum est.

O que mais intriga nesta imbróglio é o fato de o monarca e seus príncipes – em vez de agirem como mediadores – estarem a jogar bosta (com a licença do guru pelo uso da palavra) no ventilador. Ao invés de conterem a verbiagem do mentor, estão a insuflar seu ego aloprado, tanto é que, irritado, o rei respondeu àqueles que questionaram o entrevero de seu guru com os homens das espadas: “Ele [o guru] é dono do seu nariz, assim como eu sou do meu e você é do seu”. E complementou, mandando um recado indireto para os fardados, mostrando-lhes que não são melhores do que ele: “Eu recebo críticas muito graves e não reclamo. O pessoal fala muito em engolir sapo e eu engulo sapo pela fosseta lacrimal”. Trocando em miúdos, que os generais engulam seus sapos sem reclamar e fiquem “pianinho”.

O fato de ser tão louvaminhado pela realeza levou o mentor astrólogo a dar um tiro de misericórdia nos homens das espadas: Os generais, para voltar a merecer o respeito popular, só têm de fazer o seguinte: arrepender-se, pedir desculpas e passar a obedecer”. Os homens de farda receberem do guru a ordem de calar a boca e obedecerem é uma desmoralização total e irrestrita.  Portanto, a impressão dos vassalos é a de que no reino o mentor real continua dando as cartas. Placar: Estrelas (mentor real) 10 x Espadas (generais) 0.

4 pensou em “GURU DESMORALIZA OS GENERAIS DO REINO

  1. Adevaldo Rodrigues

    Lu,

    Cheguei à conclusão de que os militares deste reino não estão com essa “bola toda”, conforme demonstrava antes. O povo pensava que os generais tinham grande poder sobre as instituições. Eles foram os responsáveis pela expulsão da ex-presidente e pela prisão do maior presidente do reino. Sempre achava que as intervenções no reino foram tramadas pelo Império Americano, aproveitando o enfraquecimento das instituições, como aconteceu em outras ocasiões. Quando ouvia a “direita” ou a “esquerda” afirmar que essas instituições estavam preservadas, eu pensava o contrário. É a mesma situação de um técnico de futebol justificando a derrota de seu time. Na minha forma de pensar esses militares são uns “bundas moles”. Vamos aguardar os próximos capítulos desta história.

    Abraço

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Devas

      O circo está armado. Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. Eu ainda acredito numa tomada de postura por parte dos generais em relação a este governo imoral, comandado pelo guru tresloucado. Ainda há muita água para rolar debaixo da ponte. Os estudantes agora estão vendo a fria em que se meteram (a maioria). O rei acabou com as bolsas de mestrado e doutorado. Quer que todos sejam ignorantes como ele e seu clã. Chora Magnólia!

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Hernando Martins

    Lu

    Engana-se quem pensou que os generais usaram o capitão como trampolim para retornar ao poder depois dos anos de ditadura imposta pelo golpe de 64,o qual foi responsável por muitas atrocidades contra aqueles que defendiam a liberdade, sem esquecer que levaram o país à bancarrota, entregando o poder na década de 80 com a economia em frangalhos, desemprego altíssimo e hiperinflação acentuada. Os militares sabiam que não tinham permeabilidade suficiente para infiltrar na grande parcela da população e reverter o passado de terror imposto na época.

    Na verdade, foi o capitão de pouca capacidade intelectual, mas de uma malandragem instintiva, juntamente com seus “pitbulls” sedentos de briga, influenciados pelo mentor e guru que tem a capacidade de fazer milagres com suas palavras fétidas, transformando o governo numa pocilga. Eles se utilizaram dos generais de pijama e o nome do exército brasileiro, instituição com certo prestígio com uma determinada parcela da população, para se eleger.

    O guru, ou melhor, o ícone do capitão e seus asseclas, é quem está ditando as cartas desse jogo de brincar de governar. Através de seus oráculos está conseguindo colocar os fardados de pijama desnorteados e desmoralizados perante a parcela da população que ainda acredita que eles sejam o baluarte da moralidade.

    Certamente, a estratégia do astrólogo guru, pelo visto não é de aprendiz de feiticeiro, porque Richmond consegue enfeitiçar seus seguidores a tomar medidas demolidoras contra tudo e contra todos que contrariem suas esquizofrenias ideológicas através de perseguições covardes, usando o twiter e fake news, nos quais são especialistas, com finalidade de desmoralizar as instituições e seus representantes, a fim de de fragilizá-los e ter o controle total do poder para cumprir sua missão de destruição total da nação e instituir um reinado.

    Abraços

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Hernando

      Você é um excelente analista, consegue ver muito além das entrelinhas. O que vemos é o rei, seus príncipes e guru temerosos de que os generais venham a caçar o mandato do capitão, quando na verdade é exatamente o que acontece. Eles se valem dos homens das espadas para dar credibilidade a um governo desprovido de toda e qualquer qualidade, contudo, os tolos estão a quebrar o prato em que comeram, tentando expulsar os militares. Se eles se afastarem deste fatídico governo, ele irá literalmente para o brejo.

      Reforço aqui sua análise imparcial:

      “Na verdade, foi o capitão de pouca capacidade intelectual, mas de uma malandragem instintiva, juntamente com seus “pitbulls” sedentos de briga, influenciados pelo mentor e guru que tem a capacidade de fazer milagres com suas palavras fétidas, transformando o governo numa pocilga. Eles se utilizaram dos generais de pijama e o nome do exército brasileiro, instituição com certo prestígio com uma determinada parcela da população, para se eleger”.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *