IDADE MÉDIA – ARTE ROMÂNICA (Aula nº 25)

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH     

      
(Clique nas imagens para ampliá-las.)

Na Idade Média, após o século X, a Europa Ocidental foi responsável por dois importantes estilos de arte: o Românico e o Gótico. O primeiro foi sendo sucedido aos poucos pelo segundo, de modo que é impossível precisar com clareza o aparecimento de um e de outro, pois durante certo tempo eles chegaram a coexistir. A arte românica teve início no século XI, quando as cidades europeias começaram a prosperar e as expressões artísticas dos diferentes povos passaram a unificar-se em razão das peregrinações e das Cruzadas — movimento militar de caráter cristão que objetivava retomar a Terra Santa —, alcançando até o século XIII. O termo “românico” está relacionado às influências do Império Romano. Para entender melhor a arte românica, faz-se necessário um pouco de conhecimento sobre História. Vamos lá!

O Reino da Inglaterra foi dominado em 1066 (século XI) por um exército normando que contava com a participação de bretões e franceses, sendo comandado pelo duque Guilherme II da Normandia (região histórica situada no norte da França), descendente dos vikings e também primo do rei da Inglaterra, Eduardo, o Confessor (descendente de anglo-saxões). Ao aportar na Inglaterra, os normandos levaram consigo um estilo de construção bem desenvolvido. Os novos senhores feudais das terras conquistadas, no intuito de assegurar poder e grandeza, puseram-se a edificar abadias, mosteiros e igrejas de acordo com o estilo levado que na Inglaterra recebeu o nome de “estilo normando” e no continente europeu foi chamado de “estilo românico” que teve seu ponto alto na construção de igrejas.

A igreja era uma edificação que possuía um imenso significado para as pessoas da época. Normalmente era o único edifício grandioso em toda a redondeza, servindo seu campanário de ponto de referência para os que chegavam à localidade. Servia de ponto de encontro para os habitantes da cidade e da região. Era o orgulho de toda a comunidade, sem falar que a construção de templos agregava muitos trabalhadores, revolucionando a vida do lugar de um modo geral. A labuta tinha início com a extração de pedras e seu transporte. A segunda etapa dizia respeito à colocação dos andaimes e daí por diante à execução da obra que gerava um grande acontecimento para a cidade. Muitos artífices vinham de outras localidades do reino para ali trabalhar.

A planta fundamental das igrejas ainda estava ligada às edificações dos romanos — uma nave central com uma abside (abóbada) ou coro e duas ou quatro naves laterais. Alguns arquitetos gostavam de edificar igrejas no formato de uma cruz (ver última ilustração à direita), mas, para isso, era preciso adicionar uma galeria transversal entre o coro e a nave, à qual se deu o nome de transepto. Arcos arredondados eram assentados em massudos e resistentes pés-direitos. Possuíam poucas janelas, sendo que suas paredes e torres inteiriças lembravam as fortalezas medievais, daí o nome de “fortalezas de Deus”. Essas igrejas eram robustas e compactas tanto interna quanto externamente. Não é difícil imaginar o poder que essas monumentais construções de pedra exerciam sobretudo sobre a gente simples e analfabeta. A Igreja poderosa reforçava, assim, sua pregação de que representava na Terra o poder de Deus ao combater as forças do mal até que o Juízo Final acontecesse.

Os arquitetos normandos, na edificação dessas igrejas, lidavam com um problema — o telhado. Sabiam que os telhados de madeira eram muito comuns, sucumbiam com facilidade ao fogo, ao vento e aos cupins. Era fato que os romanos foram capazes de construir edificações com abóbadas, o que exigia muitos cálculos de natureza técnica, mas a maior parte desse conhecimento havia se perdido com o tempo. Era preciso muito estudo e experimentos para chegar ao que se pretendia. Após anos de estudos, eles chegaram à conclusão de que era necessário construir paredes e pilares bem fortes para sustentar as abóbadas. O melhor a fazer era construir arcos (ou nervuras) transversalmente entre os pilares e depois encher as seções triangulares entre eles (ver terceira ilustração da esquerda para a direita). A primeira aplicação de tal técnica deu-se na catedral normanda de Durham (ver ilustração central).  Essa ideia genial para a época foi responsável por transformar os métodos da construção.

A pintura românica, feita através da técnica do afresco — pintura muito utilizada por gregos e romanos que consiste em pintar sobre gesso ou argamassa ainda molhados —, estava agregada à religião, objetivando decorar o interior de igrejas e monastérios com passagens bíblicas, cuja finalidade era a de instruir os devotos, cuja imensa maioria era analfabeta. Esse tipo de arte, conhecido como pintura parietal (feita em paredes) estava associada à arquitetura, marcada pela monumentalidade e pela força da pedra. Existiam também as iluminuras (pinturas decorativas nas letras iniciais dos capítulos de pergaminhos) feitas pelos monges. A escultura também dependia da arquitetura, sendo feita em baixos e altos-relevos de pórticos e arcadas (as primeiras esculturas surgiram nas igrejas francesas).

Dentre as características da arquitetura românica podemos citar: construções monumentais feitas em pedras; predomínio de estruturas pesadas e sombrias; presença de abóbadas; criação de novos métodos referentes à construção; pouca decoração interna e mais externa; arcos em 180 grau (semicircular); presença da cruz nas plantas arquitetônicas; e caráter religioso.

Exercício

  1. Cite algumas características do estilo românico.
  2. Como os arquitetos resolveram o problema do telhado?
  3. IGREJA DE ST. TROPHIME D’ARLES

Ilustração: 1. Igreja Beneditina de Murbac, c.1160 / 2. Catedral de Durham, 1093-1128 / 3. Nave da Catedral de Durham / 3. Planta da Catredal Santiago de Compostela.

Fonte de pesquisa
A Manual compacto de arte/ Editora Rideel
História da Arte / Prof. E. H. Gombrich

10 comentários em “IDADE MÉDIA – ARTE ROMÂNICA (Aula nº 25)

  1. Matê Autor do post

    Lu
    Que beleza de aula! Você leu os Pilares da Terra? Um dos 10 livros mais famosos do mundo. A história passa na Idade Média. É um aula sobre a construção das catedrais. É interessante que até hoje a Idade Média é sinônimo de atraso, mas foram construídas tantas abadias e igrejas maravilhosas naquela época. Vou reler esse livro.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Matê

      Você é a segunda pessoa a falar aqui no blogue sobre o livro Pilares da Terra. Deve ser mesmo interessantíssimo. Não o li, mas vou ver se pego emprestado.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Antônio Costa

    Lu

    É impressionante a arte românica e a gótica, sobretudo quantos aos “links” com as épocas passadas, uma verdadeira corrente histórica com elos que se somam através do tempo.

    Analisando todos os fatores a ela relacionados, é fácil entender o importante papel da Igreja Cristã na salvaguarda da cultura e da arte, demonstrando um patrimônio bem maior do que onde a igreja não florescera. Interessante é que este papel manipulador do inconsciente coletivo através do medo diante do suntuoso e celestial, manifestado na arquitetura, pinturas e simbologias, ainda se mantém em diferentes níveis, mesmo sob o manto das técnicas de psicologia de massa.

    Na arquitetura atual percebemos o inflar de egos de governante e povos, em diferente escalas, lógico, através do diferente ou “maior, a exemplo da maior ponte ou edifício do mundo, entre outros projetos”. Em um tempo de tecnologia tão avançada, as novas ferramentas científicas abrirão caminhos no estudo e descobertas das culturas passadas para que possam ser vistas em todos os ângulos, onde a arte e cultura do passado terão um importante papel inspirador.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Antônio

      A arte permite-nos acompanhar a evolução da história da humanidade até os dias de hoje. É quase inacreditável o fato de o homem ter chegado tão longe. A arte hoje já conta com avanços tecnológicos, caminhando para uma outra vertente, mas nem por isso os artistas do passado, com as toscas ferramentas de que dispunham deixaram de ser magníficos.

      A arquitetura tem feito coisas grandiosas e maravilhosas. Nesta semana vi as pontes mais “incríveis” do mundo e fiquei bestificada com tamanho avanço. E olhe que neste século extremamente tecnológico isso é apena o começo. A inteligência do homem não tem limites (nem para o bem e nem para o mal). Espero que a tecnologia realmente destrinche todos os liames das culturas passadas, pois é através do antigo que podemos entender o novo.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. Moacyr Autor do post

    Lu

    Achei muito interessante o modo como os arquitetos da época lidaram com o problema do telhado de madeira. O uso de arcos deu ainda mais beleza à construção das igrejas românicas. Isso nos mostra como o artista é criativo em qualquer que seja a sua época.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Moacyr

      O uso de arcos deu leveza às igrejas do estilo românico. Mais para a frente veremos a descoberta do arco ogival que também proporcionou maravilhas à construção de igrejas em várias partes da Europa.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  4. Marinalva Dias Autor do post

    Lu
    O estilo românico se destacou na arquitetura e pintura, mas com maior relevância na arquitetura das construções religiosas, dando destaque à horizontalidade. O uso de temas bíblicos e religiosos como adornos nas paredes tinham por finalidade a alfabetização religiosa. Na sua última fase o estilo românico torna-se mais real. Até hoje existem na Europa muitas construções românicas. Em Portugal há um roteiro turístico composto por 58 construções do estilo românico, chamado de “Rota do Românico”.

    A igreja de St. Trophime, construída no século XII possui esculturas magníficas, faz parte da tradição arquitetônica românica.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Marinalva

      O estilo românico foi o primeiro a surgir na Idade Média e, com o crescimento da Igreja Cristã, foi se tornando cada vez mais forte principalmente na construção de igrejas, como você bem afirma. Os arquitetos tiveram um espaço bem maior nesse estilo, pois eram os responsáveis pelas edificações. Os pintores e escultores também foram importantes, mas em menor grau.

      A igreja de St. Trophime é um exemplo perfeito do que foi o estilo românico, merecendo grande atenção dos participantes de nosso curso.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  5. Hernando Martins

    Lu

    A arte românica surgiu na Alta Idade Média como um estilo unificado em várias regiões da Europa, pois até então não havia um estilo definido nessa fase da história. Com a queda do Império Romano e as influências de conquistadores normandos surgiu esse novo estilo de época – o românico que sobressaiu mais na arquitetura e menos na pintura, música, escultura e outras modalidades artísticas. A influencia romana nas construções de igrejas, castelos e mosteiros foi bastante importante, lembrando que os romanos dominavam com muita precisão a engenharia civil.

    As igrejas desse período eram construídas com plantas em formato de cruz, mais horizontalizadas, com paredes muito grossas e havia poucas janelas nas edificações em geral, dificultando a entrada da luz, tornando o ambiente mais escuro e menos ventilado. As abóbadas eram em formato de arcos, sendo feitas pinturas nos tetos das paredes úmidas (afresco),sempre com temas religiosos. As esculturas eram entalhadas em madeiras e paredes, com temas bíblicos.

    As pinturas eram irregulares, com a presença de cores vibrantes, onde Cristo era, normalmente, a maior figura na composição da obra, uma forma de mostrar sua magnitude. O intuito era mostrar a importância da religiosidade através de trabalhos didáticos e simples, como forma de nortear uma massa analfabeta e pobre, afim de colocá-la sob o poder da Igreja vista como a instituição representante de Deus na Terra.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Hernando

      Os estilos que realmente se impuseram na Idade Média foram o românico (não confundir com romântico) e o gótico. Como você escreveu, o maior predomínio no estilo românico foi no campo da arquitetura. Nesse época os artistas medievais já haviam perdido muito da maestria dos romanos em suas construções, como vimos no que diz respeito à abóbada das igrejas, em razão do tempo transcorrido. É por isso que muitos artistas voltaram a estudar as ruínas romanas, tentando compreender como aquelas obras foram erguidas, pois muito pouco fora eternizado através da escrita. Ainda assim, os artistas do estilo românico foram capazes de construir obras inimagináveis para seu tempo.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *