NOVO ESTILO – CUBISMO I (Aula nº 95)

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

Início do Cubismo

No início do século XX diversos pintores europeus não mais se atinham a criar a ilusão de profundidade e volume em seus trabalhos. Buscavam novas alternativas que alterassem a tradição ocidental. A arte africana, por exemplo, não levava em conta as ideias ocidentais referentes ao naturalismo e à beleza.  Foi o Cubismo, ao trabalhar com representações de objetos e espaço, o grande responsável por romper com as convenções até ali existentes. Em seu começo tal movimento era tanto intelectual e conceitual, assim como voltado para a análise visual.

O Cubismo surgiu em Paris nas primeiras duas décadas do século XX, sob a liderança dos pintores Pablo Picasso e Georges Braque, sendo que o último teve inicialmente aversão por tal estilo, como deixou explícito em 1907, ao conhecer a pintura “As Senhoritas de Avignon” (Les Demoiselles d’Avignon), composição que ilustra este texto, juntamente com os pintores André Derain, Henri Matisse e o crítico de arte Guillaume Apollinaire. Os quatro amigos desprezaram a pintura de Picasso.

Pablo Picasso e Georges Braque eram grandes admiradores da obra pós-impressionista do pintor francês Paul Cézanne, principalmente no que dizia respeito à sua abordagem plana e abstrata. Cézanne, ao contemplar a natureza, via nela formas geométricas básicas, tais como: esfera, cone e cilindro. E numa exposição póstuma de sua obra, apresentada no Salão de Outono em 1907, encontraram o incentivo para o movimento cubista.

Assim como Cézanne, o mestre pós-impressionista, os participantes do Cubismo reafirmavam que a arte não era uma cópia da natureza, mas, sim, um paralelo dela. A arte africana foi outra influência de destaque para o novo estilo, como fica claro nos rostos semelhantes a máscaras da composição acima. Também buscaram na arte africana uma paleta de tons e cores naturais terrosos que se tornaram predominantes nas obras iniciais do Cubismo.

Picasso e Braque, pelo fato de abraçarem juntos o movimento cubista, tornaram-se os líderes. Entre os anos de 1907 e 1912 ambos compuseram os primeiros quadros cubistas, tidos hoje como analíticos — período em que faziam experiências tanto com a câmera como através do olho, buscando compreender como era possível apreender uma imagem, mas também a maneira como a mente processava-a.

Para um melhor entendimento, Picasso e Braque “decompuseram” intelectualmente as estruturas, a fim de analisá-las e posteriormente recriá-las. Ao pintar de forma tonal, fazendo uso do cinza, preto, azul, verde e ocre, os dois pintores compuseram imagens severas, mostrando visões complicadas e múltiplas de um objeto limitado a planos sobrepostos, opacos e transparentes. O resultado eram imagens achatadas, tendo suas formas naturais restritas a figuras geométricas, principalmente cilindros, esferas e cones. A princípio eles se concentraram na natureza-morta e na figura, buscando seus temas na vida parisiense.

Braque, ao passar o verão de 1908 em L’Estaque, sul da França, criou uma série de paisagens com edifícios em estilo cubista analítico. Ao ver tais pinturas, o marchand Daniel-Henri Kahnweiler, surpreso com sua originalidade, aceitou promover seu trabalho e o de Picasso. Nesse mesmo ano organizou uma exposição em sua própria galeria. Ali se encontrava a obra intitulada “Casa L’Estaque” de Braque que foi avaliada negativamente pelo crítico de arte Louis Vauxcelles que usou o nome de “cubismo” na revista Gil Blas. No seu artigo ele criticava o artista por compor quadros, reduzindo tudo a “contornos geométricos e cubos”.

Os dois amigos foram aos poucos reduzindo sua escala cromática, passando de uma variedade básica do verde ao marrom, até atingir quase uma monocromia de cinzas vivos. O desenho, por sua vez, foi se transformando numa estrutura linear, frequentemente retilínea, enquanto a pintura era espalhada como uma camada protetora, indo de um extremo a outro da tela. A partir de 1911 Picasso e Braque experimentaram diversos modos de reforçar a realidade da superfície pictórica. O estilo monocromático e texturizado inicial do movimento cubista cedeu lugar a uma pintura plana, normalmente com cores vivas e com superfícies evidentes na obra de Pablo Picasso e Georges Braque.

Não se pode negar que o Cubismo estava muito além da sua época, o que levou a maioria dos críticos e do público a rejeitá-lo, ainda assim, muitos artistas em Paris adotaram-no, sendo Juan Gris — pintor francês de origem espanhola — um grande destaque nas últimas fases do Cubismo, a partir de 1912.

Os cubistas passaram a criar imagens de pessoas, lugares e objetos domésticos fazendo uso de uma série de planos ilusórios. Eles faziam uso, ao mesmo tempo, do achatamento medieval de campo e das ilusões renascentistas de volume, resultando na criação de um espaço raso, no qual podiam mesclar padrões de superfície e ambiguidades espaciais com objetos parados, vistos a partir de pontos de vista em movimento. Contudo, os chamados “Cubistas de Salão”, com suas obras menos complexas, estilisticamente falando, buscaram temas com muitas figuras, com o objetivo de atrair um público maior.

Fontes de pesquisa
Tudo sobre arte/ Editora Sextante
Manual compacto de arte/ Editora Rideel
A história da arte/ E. H. Gombrich
História da arte/ Folio
Arte/ Publifolha

6 comentaram em “NOVO ESTILO – CUBISMO I (Aula nº 95)

  1. Marinalva Autor do post

    Lu

    O movimento cubista surgiu numa época em que novas tecnologias estavam acontecendo, a política era muito conturbada, havia desentendimentos entre os governos. Pablo Picasso foi um dos criadores do Cubismo, um dos movimentos de maior destaque do séc XX. Houve o rompimento com o tradicionalismo e a criação desse estilo novo e maravilhoso. Em cada época, os acontecimentos, as necessidades das pessoas, aquilo em que acreditam, o que querem, o que sonham, enfim, sejam os anseios de um ou de todos, é representado através da arte. Acho que só compreendemos a história dos povos em seus períodos distintos, porque os artistas nos fizeram e continuam fazendo entender isso através da arte.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Marinalva

      Você faz uma síntese da época que deu origem ao surgimento do Cubismo. Está correta ao afirmar que:

      “Acho que só compreendemos a história dos povos em seus períodos distintos, porque os artistas nos fizeram e continuam fazendo entender isso através da arte.”

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Adevaldo R. de Souza

    Lu

    É curioso como bo surgimento de um novo estilo acontecem críticas negativas, mesmo através de pessoas que se dizem peritas em arte. Por não compreender as inovações, acabam fazendo, sem querer, marketing do novo estilo criticado. Os artistas inovadores ou precursores de estilos estavam muito além de sua época. O movimento cubista caracterizou-se pela incorporação do imaginário urbano industrial, pois aconteceu em uma época marcada por inovações tecnológicas e pela tensão política que precedeu a Primeira Guerra Mundial (1914-1918). Vejo com bons olhos o Cubismo, talvez devido à minha formação profissional e considero que os criadores desse estilo tinham um nível intelectual alto.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Adevaldo

      Todo movimento artístico encontra opositores em seu surgimento. Muitas pessoas têm dificuldades em aceitar o novo, o diferente, quer por ignorância ou medo. A arte, contudo, tem o poder de derrubar muros. Você tem razão ao dizer que vê com “bons olhos” o movimento cubista, pois ele exercerá grande influência nos movimentos que surgirão.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. Hernando Martins

    Lu

    Muito grandioso esse novo estilo, Cubismo, surgido no início do séc XX, revolucionando a arte,rompendo paradigmas anteriores.
    Essa obra do Picasso, “As Senhoritas de Avignon”, foi a precursora do Cubismo, tornando Picasso um dos ícones desse novo estilo de arte que surgia na Europa, especificamente na França,apesar que essa obra foi feita em Barcelona. São 05 prostitutas apresentadas em um único plano, em forma geométrica para mostrar a realidade, com vários ângulos justamente para mostrar diversidade de ponto de vista. As mulheres apresentam máscaras africanas para mostrar o primitivismo, uma das inspirações do Cubismo. Picasso inspirou-se também em Cezánne, utilizando o ambiente ao livre e cores quentes em suas obras.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Hernando

      O Cubismo foi um estilo muito intenso, abraçado por diferentes artistas. Você citou a obra de Picasso, “As Senhoritas de Avignon”, em seu comentário. Faremos o estudo completo da composição, para compreendermos melhor o Cubismo.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.