O BOM CABRITO NÃO BERRA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

 bee

Segundo Reinaldo Pimenta em seu livro A Casa da Mãe Joana, o ditado popular o bom cabrito não berra surgiu em meio aos criminosos do estado do Rio de Janeiro, ganhando muita popularidade. Na linguagem dos prisioneiros, o verbo “berrar” possuía o mesmo significado de “delatar”, entregar o companheiro. Dito ainda muito usado nos dias de hoje, pois delatar, no mundo do crime, é assinar uma sentença de morte.

É sabido que entre aqueles que vivem à margem da lei, uma delação é considerada inaceitável. O alcaguete, segundo o código da bandidagem, não merece perdão, e seu castigo é a morte. Por isso, vemos o quanto é difícil um marginal entregar outro, quando preso. E se o faz, passa a temer por sua vida, tendo muitas vezes que se colocar sob proteção judicial que nem sempre consegue evitar o pior.

Na tentativa de convencer o bandido a falar, a justiça oferece-lhe a delação premiada. Benefício previsto em diversas leis brasileiras, tal delação é legal e tem como objetivo convencer o criminoso a contar a verdade, entregando seus companheiros numa investigação. O cúmplice, ao “berrar”, poderá ser beneficiado, dependendo do grau de seu delito, com:

  • a diminuição da pena de 1/3 a 2/3; ou
  • o cumprimento da pena em regime semiaberto; ou
  • a extinção da pena; ou
  • o perdão judicial.

A chamada delação premiada sofre críticas de alguns segmentos da sociedade que a julgam aética, pois instiga a traição – comportamento não aceitável para os padrões modernos – e para se safar muitas mentiras são repassadas como se verdadeiras fossem. Levando em contar o aspecto jurídico, tais segmentos criticam o fato de que uma pessoa que cometeu o mesmo crime e com idêntico grau de culpabilidade seja punida de maneira diferente, rompendo com o princípio da proporcionalidade da pena. Eu, pessoalmente, não concebo a ideia de que um criminoso possa ser premiado por delatar outro. Penso que seja uma maneira esdrúxula de se fazer justiça.

Fontes de pesquisa:
A Casa da Mãe Joana/ Reinaldo Pimenta
http://jus.com.br/revista/texto/3620/delacao-premiada

14 comentaram em “O BOM CABRITO NÃO BERRA

  1. Marinalva Autor do post

    Lu

    Acho que “o bom cabrito não berra” quer dizer tudo que diz a narrativa , porém, podemos acrescentar que para muitos quer dizer que seja um sujeito osso duro de roer, que não se abala com pouca coisa, muito durão, capaz de suportar coisas duríssimas sem dar um pio. Sem abrir a boca. Existem pessoas assim.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Marinalva

      É interessante notar, portanto, como às expressões populares vão sendo acrescidas novos dizeres. Realmente o durão não se entrega. Morre, mas não se entrega.

      Beijos,

      Lu

      Responder
  2. Adevaldo R. de Souza

    Lu

    No meu entender “delação premiada” é o mesmo que “dedo duro”, portanto, quem o pratica não é confiável, principalmente no Brasil, onde existe um alto nível de corrupção no Legislativo, Executivo, Judiciário e nas Forças Armadas.

    Lá para os lados do litoral fluminense “fazer o cabrito berrar” significa também “buzinar”. Veja o porquê a seguir.

    Conta-se que o filho de um ricaço do exterior veio conhecer o Brasil, chegando aqui comprou uma lambreta que fez o maior sucesso junto às mulheres de seu país. Seu pai, um viúvo mulherengo convicto, resolveu vir ao Brasil comprar uma dessas lambretas para desfilar junto com suas amantes. Pegou seu avião particular e desceu em uma fazenda no litoral do Rio de Janeiro. Logo apareceu o dono da fazenda e o sujeito falou alto: “Quero comprar uma lambreta de cor preta”. Na fazenda do moço tinha um bode preto com o apelido de Lambreta que imediatamente foi vendido para o gringo. Depois de pagar, o Don Juan subiu na lambreta, segurou o chifre do bicho e saiu em disparada. O conjunto subiu montanha, desceu montanha até o gringo se sentir cansado. Procurou o freio da lambreta e não conseguiu encontrar. Apertou várias partes do animal com o objetivo de parar o bicho e nada. De repente ele desceu a mão e apertou forte o culhão do bode e esse deu um berro alto. Ele, então, exclamou: “Encontrei a buzina, só falta o freio”!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Adevaldo

      Tenho a mesma percepção sua no que diz respeito à delação premiada. Quanto à história, ela é hilária. Ri muito. Você sempre tem um bom causo para nos contar. Precisa botar tudo isso num livro.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. Patrícia Sampaio

    Lu

    E o que ganha a justiça com isto? Será que um bandido deixa de ser menos bandido porque delatou outro bandido? E dá para entender?!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Pat

      Não dá mesmo para entender. Sem falar que do ponto de vista moral, a delação é vista como algo ruim. Quem não cumpre as leis tem mais é que pagar por isso. Não merece nenhum benefício.

      Beijos,

      Lu

      Responder
  4. Mário Mendonça

    Lu Dias

    Como bem diz o titulo de seu post, “cabrito bom não berra”, quando um cidadão comete ilícitos ele sabe que um dia vai ser punido (risco do negócio), logo, o tamanho da punição depende em alguns casos somente dele. O que precisa no nosso país é punição digna com a convenção dos direito humanos, lamentavelmente o Estado não faz o seu papel.

    Responder
    1. LuDiasBH

      Mário

      Esta punição só será digna quando todos forem iguais perante a lei. Enquanto nossos magistrados agirem diferentemente, a justiça continuará capenga. Concordo com você.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  5. Mário Mendonça

    Lu Dias

    Quanto à mensagem que tu anexaste ao link, retribuo com o titulo deste post. Quanto à delação premiada, que nos Estados Unidos chama-se acordo com a promotoria, entendo ser salutar para que o Estado agilize e finalize o processo para o bem de todas as partes envolvidas.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Mário

      O delator passa a correr um grande perigo. Muitos deles são assassinados após saírem do xadrez. Preocupa-me muito o andar de nossa Justiça. Você viu o caso do filho do Eike Batista?

      Abraços,

      Lu

      Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Celita Linda

      É o que o Bruno em julgamento está tentando ganhar. Também acho uma aberração. O cabrito está muito fofo.

      Grande abraço,

      Lu

      Responder
    1. LuDiasBH

      Aninha

      É o que estamos vendo em Beagá no julgamento do Bruno do Flamengo. O cara está querendo se safar, jogando a culpa no ex-amigo Macarrão. Espera enrolar os jurados, contando mentiras. Ou ser beneficiado contando a “verdade”.

      Beijos,

      Lu

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.