Pedro Américo – JOANA D’ARC

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

deusa0002

A composição Joana D’Arc é uma obra histórica do artista brasileiro Pedro Américo, baseada na vida da heroína francesa do mesmo nome, no momento em que ela, aos 13 anos de idade, pensou ter escutado a voz de Deus, intimando-a lutar em defesa do soberano francês.

Ajoelhada, de frente para o observador, a figura ocupa a parte central da tela. Ela se encontra no jardim da casa de seu pai, onde algumas tábuas envelhecidas pelo tempo isolam o ambiente. Próximos a ela estão vasos com flores e um recipiente de cobre sobre uma velha mesa. Mais adiante vê-se uma gamela.

A heroína, que mais se parece com uma visão, encontra-se ajoelhada e com as mãos unidas. Seus enormes olhos negros estão voltados para o observador, numa expressão de um enorme anjo na parte clara da obra, cheio de luz, vindo de fora, é uma referência à presença de Deus. Ele traz consigo a espada da libertação.

Curiosidade
Joana D’Arc, uma camponesa analfabeta, recebeu o apelido de “A Donzela de Orleáns”. Esteve presente na Guerra dos Cem Anos como chefe militar, tendo sido queimada viva pelos inimigos, em 1431.  Foi canonizada pela Igreja Católica em 1920, e depois eleita como santa padroeira da França.

Ficha técnica
Ano: 1883
Dimensões: 229 x 156 cm
Técnica: óleo sobre tela
Localização: Acervo do Museu Nacional de Belas-Artes, Rio de Janeiro, Brasil

Fonte de pesquisa:
Pedro Américo/ Coleção Folha

4 pensou em “Pedro Américo – JOANA D’ARC

  1. Edward

    LuDias
    Embora Joana D´Arc tenha sido considerada heroína e, até, posteriormente, canonizada pela Igreja Católica, na verdade, foi vítima da ideia de dominância do homem sobre a mulher, na sociedade patriarcal da época, que não admitia, de forma alguma, a participação ativa das mulheres em atividades dedicadas aos homens.

    Tal preconceito, apesar de tudo, existe ainda em grande número de homens, sendo hoje muito bem entendido como machismo, e, que violenta a mulher, seja literalmente, ou mesmo psicologicamente, e rouba dela seus direitos de cidadania e participação no seio de nossa sociedade. Com as graças de Deus, a feminilidade está ocupando seu lugar e a menina agora não está mais precisando de seu príncipe encantado para salvá-la, pois tem condições de se defender e ser partícipe de nossa história.

    Joana D´Arc, para mim, representa a coragem e a determinação, em tempos rudimentares e muito mais difíceis, uma prematura força que desnudou a dominância do homem, uma inteligência que mostra que a mulher não é inferior ao homem. Somos iguais! Podemos ser melhores ou piores, independentemente do sexo.

    Abraços

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Ed

      Eu não conheço muito bem a história dessa heroína francesa. Por que você diz que:

      “… foi vítima da ideia de dominância do homem sobre a mulher, na sociedade patriarcal da época, que não admitia, de forma alguma, a participação ativa das mulheres em atividades dedicadas aos homens.”?

      Abraços,

      Lu

      Responder
      1. Edward

        LuDias
        Dentro do contexto da história de Joana D´Arc dá para entender que ela, vestindo-se como homem, lutando e comandando como guerreiro, acabou por desafiar, naquele tempo, os padrões sexistas e o patriarcado da época. Quis ser guerreira. Disse que ouvia vozes divinas, que lhe recomendavam frequentar a Igreja e libertar a cidade de Órleans. Chegou a convencer o rei Carlos, que lhe entregou um exército, que, sob seu comando, segundo o que é narrado, libertou a cidade do domínio inglês.

        Posteriormente, em outra incursão bélica, embora presa por inimigos da França, ela foi levada à fogueira pela Igreja (é claro que o Estado apoiou) que a considerou uma bruxa e herege. Todavia, fosse um homem, poderia restar preso, mas não executada. Veja que ela, até à sua morte, usava vestes masculinas. Viveu pouco, até 19 anos. Desafiou o patriarcado ao se tornar uma guerreira, vestindo-se como homem. Segundo se afirmam, o uso de vestes masculinas foi decisivo para sua condenação à fogueira.

        Há, portanto, esta interpretação dos fatos, pois o preconceito, o machismo e o patriarcado tinham regras imperdoáveis para as mulheres, que não se submetiam aos homens. Joana D´Arc é, inclusive, hoje, muito mencionada por movimentos feministas.

        Responder
        1. LuDiasBH Autor do post

          Ed

          Muito interessante a história dessa jovem. É por isso que ela está tão presente em muitas artes: cinema, pintura, etc. E você tem toda a razão, quando analisa os fatos sob o ângulo do machismo da época. Se ela fosse um homem, teria sido vista como um herói, já na época em que viveu. Perfeita a sua explanação. Muito obrigada!

          Abraços,

          Lu

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *