Vidas Secas – A MORTE DE BALEIA (19)

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

can,12345

Sinha Vitória acha difícil Baleia endoidecer.
Sente-se triste coa morte precoce do animal.
Fabiano poderia esperar apenas mais um dia,
Pra saber se a execução seria indispensável.

Ele vê Baleia roçando os pelos no pé de pau.
Coa espingarda no rosto procura uma posição.
Ela o olhou, desconfiada e andou se desviando.
Ele só se tinha a visão de suas negras pupilas.

Fabiano acertou-lhe um dos quartos traseiros,
quebrando uma das pernas da coitada que fugiu
desesperada, sangrando, pra baixo dos juazeiros.
Caiu antes mesmo de alcançar a cova arredonda.

Tentou se erguer, desorientada. Ela erdia sangue.
Quietou-se, uivando baixinho, sem entender nada.
Uma sede medonha queimava sua garganta seca,
enquanto a escuridão dos olhos se aproximava.

Por que Fabiano lhe fizera aquilo, ela não sabia.
Havia nascido perto dele, sob a cama de varas,
e consumira sua existência na maior submissão:
olhava os meninos e o gado, se ele batia palmas.

Uma noite de inverno gelada cercou a criaturinha.
O tremor subia, e se espalhava pelo corpo ferido.
Do peito pra trás era tudo insensível e esquecido.
Inda ia vigiar as cabras contra as suçuaranas…

Baleia encostou a cabecinha fatigada na pedra fria.
Sinha Vitória deixara o fogo apagar-se muito cedo.
Agora ela queria apenas dormir e acordar bem feliz
num mundo cheio de preás gordos, no outro dia.

Baleia dá o último suspiro e parte!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *