A ARTE ROMÂNICA (1ª Parte)

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria do Prof. Pierre Santos

 igr1   igr12

Outros motivos que não a ostentação de luxo e poderio imperial, bem como necessidades bem diversas daquelas que caracterizavam o Império Bizantino, conduziram o arquiteto românico a resolver os seus problemas construtivos de maneira diferente dos construtores de antes. Distante do Oriente, de onde em raras oportunidades emigraram formas, como para Ravena e Veneza, mas não de vulto a criar raízes e adaptação nas regiões para onde emigraram; com tradição construtiva cristã local já considerável desde o Paleocristianismo, no que contam as influências de vários povos nômades e bárbaros, como os godos e tantos outros, que invadiram a desprotegida Europa de norte a sul, durante períodos como o merovíngio, o carolíngio e o otoniano – sabendo-se que o impulso construtivo artístico não se interrompeu no Ocidente com a mudança da capital para o Oriente, mas ao contrário, sofreu lenta evolução até determinar estilos futuros tardios; e, finalmente, à necessidade de se darem locais apropriados às massas de aficionados, já agora maiores e desejosas de prece e recolhimento – são alguns dos fatores que levaram a religião cristã do Ocidente ao encontro de soluções próprias para a sua arquitetura, desenvolvidas nos séculos XI e XII, com um período anterior de amadurecimento, ao longo dos três séculos anteriores.

Soluções arquitetônicas do romanismo

Na verdade, as soluções bizantinas, mesmo arrojadas (e também mais caras), limitariam as necessidade de expansão do templo, a saber que edifícios grandiosos como Santa Sofia e São Marcos raramente se levantaram, pela sangria econômica que a edificação representava. Essas soluções, tal como eram postas, não se coadunavam bem com as pretensões dos dirigentes românicos. O novo estilo, por isso mesmo, voltou-se para a primitiva arquitetura cristã e fê-la evoluir-se. Primeiro, retomou sua planta em cruz latina, a qual se vira então melhor adaptada com ampliação do transepto, pela necessidade de atender à multiplicação das irmandades religiosas, merecedoras de lugar especial durante os rituais. O transepto cortava a nave longitudinal transversalmente e era separado do primeiro corpo da igreja por uma cancela, onde geralmente se constituía em piso mais elevado, formando os braços da cruz. No eixo desse cruzeiro, onde o bizantino punha a cúpula, o românico adaptou uma torre lanterna quadrada ou octogonal, para iluminação da igreja. Depois, em lugar do precário teto de madeira da basílica antiga, adotou para todas as partes do edifício a abóbada de canhão ou plena Cintra, em pedra, enquanto nas naves laterais colocou uma abóbada de meia Cintra, ou seja, de um quarto de circunferência, visando à neutralização do empuxo que a pesada cobertura central exercia.

Para fazermos idéia simplista desta edificação, este novo sistema de construção equivalia a tomar o quadrilátero usado na solução bizantina anterior e acrescentar-lhe vários outros quadriláteros num sentido longitudinal, além do transepto transversal – sistema este que, sobre ampliar em muito o interior útil do templo, elevou-se sobremaneira, como pretendia a Igreja na expressão do êxtase, a altura da abóbada.

Elemento muito original criado pelo românico foi o deambulatório, que o povo de então denominava charola, o qual consistia na construção de várias capelas menores, às vezes simples altares, dispostas num corredor semiesférico em torno da abside, parte terminal da igreja onde o sacerdote realiza os rituais litúrgicos perante o altar-mor ali localizado; atrás, portanto, da parede curva como um grande nicho da ábside, atrás da qual ficava o deambulatório. Essas capelas radiais foram criadas para atender às necessidades das peregrinações tão em moda àquele tempo. É sabido que, então, os fiéis se reuniam em grandes grupos e partiam em romaria por essas várias igrejas, que se localizavam de norte a sul, ao longo das chamadas vias de peregrinação, até Compostela, no norte da Espanha, devido ao que ficaram também conhecidas como Caminho de Compostela. Nessas capelas, cada fiel encontrava o santo de sua devoção, bem como as imagens dos santos aos quais essas igrejas eram consagradas.

O estilo românico, obviamente, acrescentou muita coisa ao impulso para o céu desejado pela arquitetura cristã, mas ainda mostrava inconvenientes. Estes só seriam superados, quando daí evoluísse para o gótico. Ora, a pesada abóbada central exigia pesadas e possantes colunas para o seu sustento; as pesadas abóbadas laterais que, além do peso do próprio material, ainda recebiam grande parte do empuxo da central, exigiam grossas e resistentes paredes para apoio; por sua vez, essas paredes exigiam o reforço de poderosos contrafortes externos, nos quais se escoravam. A compacidade construtiva requerida por esta espécie de arquitetura criava um sério inconveniente para a época, sabendo-se que somente raras janelas, e sempre estreitas, podiam ser abertas, deixando muito obscurecido o interior, além do que as soluções empregadas ainda não tinham conseguido contornar o problema das águas pluviais, ameaça sempre iminente. Exteriormente, essas igrejas apresentavam total sobriedade (embora houvesse exceções, como a Catedral de Poitiers, com seu rico exterior todo em pedra branca trabalhada): os efeitos decorativos inclusive das fachadas eram muito comedidos, ao contrário da decoração interior. Para dar maior movimento de massas arquitetônicas ao exterior, além da torre lanterna situada no cruzamento de naves e das reentrâncias formadas pelos contrafortes de apoio das naves laterais, o românico também acrescentou ao corpo do edifício duas torres, as quais, em certos casos, subiam acima dos cem metros de altura. Algumas igrejas, estas mais raras, apresentavam apenas uma torre. A basílica primitiva e a igreja bizantina não possuíam nenhuma torre; mas, de modo geral, apenas um simples e limitado campanário afastado do corpo do templo.

Ilustrações:
1.Catedral de Poitiers
, toda por assim dizer esculpida em pedra branca da região, destacando-se na parte de cima sua torre lanterna, 1140.
2.Cripta de Saint-Sernin.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *