AS MARAVILHAS DA PIPOCA

Autoria do Dr. Telmo Diniz

pip

Há muita gente que abre mão de comer pipoca por acreditar que ela engorda muito e prejudica a saúde, devido ao alto teor de gordura e sal associados ao preparo. A confusão reside no fato de como ela é feita. O problema não está no milho, mas, sim, nos ingredientes. Diversos estudos têm demonstrado os benefícios associados ao consumo do milho estourado.

Uma publicação científica do Journal of the American Dietetic Associaton, Estados Unidos, dá conta de que uma porção de pipoca oferece mais de 70% da recomendação diária de cereais integrais. Fácil de encontrar, o grão é um dos poucos cereais totalmente integrais e sem nenhum tipo de processamento industrial disponível no mercado, mais nutritivo que os cereais de caixa, barrinhas e até mesmo a granola.

Em outro trabalho realizado na Universidade de Scranton, também nos Estados Unidos, descobriu-se que ela reúne uma quantidade maior de certos antioxidantes do que algumas frutas e verduras. De acordo com os nutricionistas do estudo, uma porção de pipoca fornece 15% da taxa diária de polifenóis (antioxidantes) recomendada para um adulto. Não trato aqui de substituirmos a pipoca em desfavor das frutas e outros vegetais, mas, sim, que o milho estourado poderá ser de grande utilidade no nosso cotidiano. Claro que preparado da forma correta.

Em relação às fibras, a pipoca tem uma quantidade cinco vezes maior dessa substância do que uma mesma porção de alface. Com isso, ela dá um empurrão e tanto no funcionamento do intestino. Claro que não podemos esquecer que para um bom trânsito intestinal é necessário hidratação do corpo (água, sucos, etc). O refrigerante, normalmente, companheiro assíduo da pipoca em vários eventos, não é boa opção nem nutricional e nem para hidratação.

A pipoca vendida nos cinemas não é nem de longe a melhor opção para quem quer se manter saudável e em forma. Segundo um estudo americano do Center for Science in the Public Interest, um “baldão de pipoca” tem cerca de 75% de todas as calorias necessárias para um dia inteiro. Da mesma forma, a versão industrializada para micro-ondas também é melhor ser deixada de lado. Em ambos os casos, os vilões são os altos teores de gordura e de sal.

Por todas essas razões, o melhor é lançar mão de opções de preparo mais saudáveis. No método tradicional (panela e fogão), para cada xícara de pipoca coloque uma colher de sopa de óleo de milho (esqueça a manteiga e margarinas, pois são fontes de gorduras saturadas e trans). Na opção micro-ondas, colocar meia xícara de milho de pipoca em um saco de pão. Faça uma boa vedação e aguarde os estouros. Por fim, existem pipoqueiras elétricas que não precisam de óleo para estourar o milho. Muito prático. Feita dessa forma, a pipoca é um alimento saudável e saboroso. Bom para o funcionamento intestinal e no combate aos radicais livres, conhecidos inimigos do envelhecimento precoce e das doenças cardiovasculares.

9 comentários sobre “AS MARAVILHAS DA PIPOCA

  1. Patricia

    Adoro pipoca, com as informações do texto comerei sem culpa.Tenho a pipoqueira elétrica, a pipoca fica linda enorme, mas muito sem graça, insossa.
    Beijos

    Responder
  2. Jackson

    Li de grandes pesquisadores que a pipoca também é excelente para baixar a glicose. Como tenho disfunção glicêmica faço sempre uso desse saboroso ingrediente.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Jackson

      Que maravilha! Não sabia dessa informação. Irei passá-la a vários amigos acometidos com o problema.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. Matê

    Lu,
    A pipoca vendida nos cinemas faz mal à saúde e ao bolso. É muito cara.
    Você sabe se o milho de pipoca também é transgênico?
    Nada de microondas nem de sabores: bom é o gostinho da pipoca pura.
    Abraços

    Matê

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Matê

      Existem alguns tipos que são.
      Realmente eu não sei se estão sendo usados no Brasil.
      Penso que ainda não.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  4. Pedro Rui

    Realmente o milho é uma das coisas mais naturais, o problema são os ingredientes usados: muita manteiga,sal e açúcar.
    A melhor forma de fazer pipocas é na panela, assim como o doutor Telme mencionou, e no fogão…as pipocas feitas no microondas e as que são vendidas nos cinemas não são nada saudáveis. É bom saber que é boa para os intestinos, contra o envelhecimento precoce e as doenças cardiovasculares. O milho ainda é das poucas coisas naturais, produto que não é industrializado. Temos mais é que aproveitar esse produto, que não foi manipulado pela indústria.
    Abraços Lu

    Rui Pedro

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Rui

      Você também pode fazer a pipoca no microondas, como ensina o doutor Telmo no texto.
      Eu só faço como ele ensinou. Com três minutos elas já estão prontinhas.
      Gosto de manter uma vasilha cheia sobre a mesa, pois sempre que passo perto, eu acabo comendo.
      Vamos comer pipocas!

      Abraços,

      Lu

      Responder
  5. Mário Mendonça

    Lu Dias
    Interessante, não sabia do bem que a pipoca. Ultimamente tenho evitado o glúten, pipoca tem?
    Prezaria que o Dr. Telmo discorresse sobre esse tal de glúten que se encontra praticamente em quase tudo que consumimos.
    Abração

    Mário Mendonça

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Mário

      A pipoca não contém glúten. Há um texto no blog sobre este assunto, escrito pelo doutor Telmo Diniz, veja em VIDA SAUDÁVEL.

      O glúten é uma proteína encontrada em quatro tipos de alimentos:o trigo, a cevada, incluindo o malte que é um subproduto da cevada, a aveia e o centeio.

      Indico-lhe a leitura de um excelente artigo sobre a doença celíaca:

      http://www.minhavida.com.br/alimentacao/materias/1429-voce-tem-nbsp-intolerancia-ao-gluten

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *