AS VELHAS PREGAÇÕES RELIGIOSAS

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

past                                                 Hoje é o Dia Mundial da Religião

Apesar da veemência das religiões em revitalizar o pecado, as velhas admoestações religiosas encontram-se exauridas. O mundo anda cansado do velho mantra da moralidade em detrimento da espiritualidade, o que vem colocando o tão temido pecado de outrora, fora de moda. Pois, quem vive no século XXI, tem dificuldade em absorver a noção de pecado, tal e qual colocam as religiões. Ficou démodé! Há uma espécie de cinismo, uma vez que a prática e a palavra não coabitam no mesmo plano. E, para sair de tal enfado, faz-se necessário que uma nova linguagem, voltada para a espiritualidade, seja adotada. E que palavra e ação vivam em consonância.

Não se faz necessário abraçar religião alguma para vivenciar a espiritualidade que hoje, mais que nunca, significa comunhão, responsabilidade, compaixão, generosidade e humanidade . Somente através das lentes da espiritualidade é que os homens poderão enxergar com clareza que nosso planeta está morrendo, em razão do descaso para com a vida que nele habita. E talvez ainda possa compreender os limites entre mantê-lo vivo ou perecer juntos.

Religião, no seu significado mais profundo, significa admiração e respeito pela vida. Não são apenas os momentos passados numa igreja, mesquita ou templo ouvindo sermões, ou participando de rituais. Mas, também, a existência cotidiana, no contato com o humano e com todas as formas de vida que nos cercam nesta nossa curta passagem pelo planeta Terra. Religião é, sobretudo, o respeito pelos animais, nossos irmãos de viagem, e por tudo que ornamenta esta nossa grande casa chamada Terra: florestas, rios, mares, céus, ar…

O maior de todos os males reside na natureza humana, pois bem e mal são inerentes a ela. Por isso, somos humanos e não deuses. Mas não podemos crer, como as velhas pregações religiosas querem nos fazer acreditar, que o homem maligno tem chifres, dedução que nos afetaria enormemente, pois só daríamos conta da maldade humana depois que essa concluísse a sua ardilosa destruição. A raça humana, no seu antropocentrismo, tende cada vez mais a se desligar do planeta, como um todo. E, em consequência, torna-se mais e mais enfastiada e violenta, na tentativa de preencher o vazio que devora suas vísceras.

As pregações religiosas continuam arcaicas e desprovidas de racionalidade, num mundo em que a tecnologia impera. O diabo ainda é o mote da ultrapassada retórica, que não conduz a lugar nenhum, senão a um medo abstrato, que em nada ajuda a humanidade em seu crescimento espiritual. Quando as religiões buscam mudanças através do terror, elas voltam à Idade Medieval, uma vez que as transformações perenes são fruto do amor e da compreensão. É preciso abordar com ênfase o comportamento humano, pois é no homem que duelam o bem e o mal. O resto é discurso vazio e ensaiado para angariar adeptos e dinheiro. Devemos ter a certeza de que existem muitos Hitlers em potencial, espalhados pelo mundo, sem chifres ou olhos de fogo e até mesmo com rosto de anjo.

A crise espiritual vem provocando a material, com a ausência de solidariedade, respeito, justiça e amor para com o próprio homem e para com o planeta como um todo. Portanto, a Terra encontra-se duplamente em crise, beirando o caos. A nossa capacidade infinita de criatividade e  de imaginação, centrada apenas no abstrato, é um poder perigoso, que precisa encontrar freios, pois é no mundo concreto que a maldade toma forma. E a contenção de tal dique cabe a cada um de nós, em particular. É bom que não nos esqueçamos de que estamos todos no mesmo barco. E que toda mudança só poderá vir de dentro para fora. Quem vive em paz consigo mesmo, respeitando as demais formas de vida e zelando por sua grande morada, a Terra, é, sem dúvida, um ser espiritualizado, a habitação perfeita do divino.

Nota: Imagem copiada de http://palavrastodaspalavras.wordpress.com

10 comentários sobre “AS VELHAS PREGAÇÕES RELIGIOSAS

    1. LuDiasBH Autor do post

      Márcio

      Era um pastor evangélico, vaidoso, em busca de holofotes, sem nenhum respeito pelo pluralismo religioso. Ele se comportou do mesmo modo que agem os fanáticos religiosos do islamismo e de outras crenças. Não sei que fim tomou.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  1. Reini Dantas Leal

    Querida Lu, a paz em seu coração!

    Parabéns pelo artigo, com um tema tão polêmico e complexo. Afinal, se Religião significa religação do homem com Deus e Espiritualidade é um estado consciente do espírito, a partir disso, creio que ambas são intrínsecas a vida humana, independente de qual seja o credo, o templo mas sim, importa a consciência e a prática diária da fé daquilo que o homem acredita.
    Por origem,opção e escolha sou católica praticante, porém aprendi buscar conhecimento e vivência com outras culturas e novas linguagens, para complementar e suprir necessidades e carências inquietantes da minha alma, sedenta pela minha fé e evolução espiritual…

    Também sinto que as diversas religiões e líderes de igrejas precisam rever e mudar para uma nova comunicação, até porque os jovens e crianças de hoje, serão os praticantes de amanhã. Hoje faz-se necessário a busca do equilíbrio e respeito na comunicação da natureza com o homem, e isso já está acontecendo com o novo despertar da espiritualidade divina-humana e comprovação científica.
    Sou otimista com a evolução das próximas gerações, futuras governantes do Amor e do mundo!

    Beijos luz em seu espiritualizado coração!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Reini

      Você é sempre muito sábia.
      O que escreve é prova de sua maturidade espiritual:

      “Por origem,opção e escolha sou católica praticante, porém aprendi buscar conhecimento e vivência com outras culturas e novas linguagens, para complementar e suprir necessidades e carências inquietantes da minha alma, sedenta pela minha fé e evolução espiritual…”

      Parabéns pela lucidez de seu comentário.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Mário Mendonça

    Lu Dias

    Como dizia alguém que não me lembro agora:

    “A religião é o ópio do povo”

    Bakunin dizia:
    “É um Estado que tributa o povo indiretamente”
    Eu digo que, algumas diretamente… rsrsr

    Pra você eu pergunto:
    Qual a diferença entre Fé e Religião?

    Abração

    Mário Mendonça

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Mário

      Eu também tenho um pé atrás contra as religiões.
      Muitas são verdadeiras empresas financeiras, onde Deu$ não passa de um mantra para atrair dinheiro.

      Para mim, fé é acreditar piamente em algo.
      Em se tratando de religião, fé é a crença nos dogmas e doutrinas de X.
      Religião é a crença num ser sobrenatural (ou seres sobrenaturais), prestando-lhe culto, acreditando que ele castiga ou perdoa, e num encontro final entre o homem e o divino… penso eu.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. karlla

    Lu,

    Compartilho tudo que escreveu, a cada dia o mal tem se prepoderado contra o bem. Somam-se a isto as mazelas e as impunidades. Vivemos em mum mundo onde cada vez mais cresce a inversão de valores. O que é pior, o mundo natural que tem sido um refúgio para os humanos tem sido saqueado e destruido mais e mais. Não sei onde iremos parar.

    Bjos

    Karlla

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Karlla

      A impunidade não apenas acoberta a maldade, como também a nutre.

      As religiões precisam mudar o dicurso medieval que ainda carregam e olhar o mundo como algo concreto e não abstrato.
      Não mais adianta falar sobre o divino, sem o compromisso com o terreno.
      Devemos começar pelo cuidado com o nosso planeta, nossa casa maior, respeitando as outras formas de vida.
      Não é mesmo?

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *