Corregio – ADORAÇÃO DO MENINO

Autoria de LuDiasBH

adodom

A composição Adoração do Menino é uma obra do pintor renascentista italiano Corregio (c.1469-1534), cujo nome oficial era Antonio Allegri, tido como um dos mais renomados artistas do Alto Renascimento italiano. É provável que tenha tido como mestre o pintor Francesco Bianchi Ferrari. Recebeu influências de Andrea Mantegna, Leonardo da Vinci, Rafael Sanzio e Michelangelo. Em sua busca para levar a seu trabalho leveza e elegância, acabou por ser um pioneiro na pintura ilusionista.

O pintor apresenta a Virgem Maria admirando seu Menino, nu, deitado sobre um paninho branco, que forra um monte de feno, em cima de um travesseiro azul, posto sobre um pequeno patamar cimentado. Uma luz suave incide sobre o corpinho de Jesus, sendo ele representado como o “milagre da luz”, que a tudo ilumina em seu derredor. Sua mãozinha direita levanta-se em direção à mãe. O gesto expressivo da Virgem, cheio de ternura e encantamento, também exala uma intensa luz.

Maria, de perfil para o observador e de frente para seu Menino, usa um vestido alaranjado, coberto com uma túnica azul, forrada de verde, que desce pelo seu lado direito, tocando a criança, que nela deposita suas perninhas. A luz, vinda do Menino e da mãe, expande-se para vários pontos do ambiente, inclusive reflete na coluna, deixando ali fortes pontos iluminados. Esta obra é encantadoramente lírica.

Mãe e Menino encontram-se no porão de algum casarão abandonado, ou numa espécie de estábulo, como mostra a cangalha às suas costas, coberta com um manto avermelhado, e também o cercado de lenha, à sua frente, cheio de feno. Uma volumosa coluna apresenta-se à esquerda. E uma escada, com cerca de cinco degraus, leva para o exterior do ambiente, onde se descortina uma paisagem com montanhas, árvores e céu claro.

Ficha técnica
Ano: c. 1520
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 167 x 81 cm
Localização: Galleria deglu Uffizi, Florença, Itália

Fontes de pesquisa
A Enciclopédia dos Museus/ Mirador
1000 obras-primas da pintura europeia/ Könemann

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *