Dalí – CONSTRUÇÕES MOLES COM FEIJÕES COZIDOS
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

verm1234

Embelezei essa estrutura macia da grande massa de carne em guerra civil com feijões cozidos, pois era inimaginável engolir toda aquela carne inconsciente sem a presença, por pouco atraente que fosse, de algum farináceo e melancólico vegetal. (Salvador Dalí)

A composição denominada Construções Moles com Feijões Cozidos – Premonição da Guerra Civil, é uma obra do pintor espanhol Salvador Dalí. Segundo ele, tratava-se de uma alusão à Guerra Civil Espanhola. Como o quadro fora feito antes de a guerra começar, ele diz que a pintura foi fruto de sua intuição. Coisas do vaidoso Dalí.

Em sua obra, Dalí apresenta um corpo humano andrógino e monstruoso, que, desconjuntado, forma uma figura bizarra e amedrontadora, que se estrangula, chamando a atenção para a autodestruição da Espanha. Ele traz as proporções do contorno do país espanhol. Pelo chão está espalhadas as vísceras.

O monstro encontra-se numa região desértica, propícia para sua destruição. Um armário serve de sustentação para seu corpo deformado. À esquerda, uma gigantesca mão esmaga um seio, enquanto à direita, um pênis flácido jaz sobre um coto da coxa. Essa figura caótica possui mãos e pés descarnados e petrificados. Sua cabeça sustenta-se sobre os músculos retorcidos do pescoço. O rosto apavorante mostra, ao mesmo tempo, um esgar de vitória e maldade, lembrando a obra de Goya, denominada “Saturno Devorando o Filho”. Na mitologia, Saturno é o deus da destruição, o promotor da guerra.

À esquerda, em tamanho diminuto, uma figura humana é vista. Alguns dizem que se trata de um burguês chinês supervisionando o solo, tendo sido retirada de um livro ilustrado, e inserida na pintura via colagem. Para outros trata-se de um médico que vistoria um corpo agonizante.

Os feijões, nesta obra alegórica, aparecem em primeiro plano, espalhados sobre o chão, dando a impressão de que substituem as formigas, tão presentes na obra do pintor. O próprio Dalí justificou a presença dos grãos dando uma explicação bem bizarra (ver acima em negrito).

A referência de Dalí à guerra espanhola é vista por alguns como oportunismo, pois logo no início dessa, ele e sua esposa Gala abandonaram a Espanha, ficando especialmente na França e na Itália. Além disso, ele nunca foi comprometido com as questões políticas e ideológicas, sendo por isso muito criticado pelos surrealistas, que se colocavam como revolucionários de esquerda. Outra fato que leva a justificar o seu oportunismo foi o acréscimo feito ao título de “Premonição da Guerra Civil”, depois de a guerra ter se iniciado, sendo que a obra foi terminada seis meses antes. Ele ainda dizia que se tratava de uma profecia “daliniana”.

Esta pintura encontra-se entre as 50 mais famosas do mundo.

Ficha técnica
Ano: 1936
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 101,3 x 100 cm
Localização: Philadelphia Museum of Art, Filadélfia, EUA

Fontes de Pesquisa:
Dalí/ Coleção Folha
Dalí/ Abril Coleções
https://www.google.com.br/#q=Dal%C3%AD+%E2%80%93+beans

6 comentários sobre “Dalí – CONSTRUÇÕES MOLES COM FEIJÕES COZIDOS

    1. LuDiasBH Autor do post

      Mário

      Sempre que escrevo sobre Dalí, você vem à minha mente. Ainda me lembro de seu pedido para que eu escrevesse sobre ele, que é realmente um gênio, embora não nutra simpatia por sua conduta, pois sempre o achei muito descomprometido ideologicamente e vaidoso. Quanto a mim, não passo de uma pessoa muito esforçada, que queima as pestanas (ainda que não haja mais lampiões), para repassar alguma coisa aos meus amados leitores.

      Grande abraço,

      Lu

      Responder
        1. LuDiasBH Autor do post

          Mário

          São todos inteligentes e meio sem conexão com a realidade. Realmente esses tipos fascinam-no, provavelmente pela coragem de transgredir.

          Abraços,

          Lu

        2. LuDiasBH Autor do post

          Mário

          Eu respondi ontem. Pode procurar, direitinho. Jamais deixaria de responder a meu querido amigo que, ao lado do Ed, é o meu mais antigo companheiro de blog.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *