DE MÃO BEIJADA, NÃO!

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

beijamam

É lamentável ver como as crianças e os jovens estão sendo criados nos dias de hoje, recebendo tudo de mão beijada. Os pais brasileiros já não põem, ou não conseguem colocar limites, tratando os filhos como se principezinhos e princesinhas fossem. Suas crianças não aceitam ouvir a palavra “não”, ou serem interrompidas no que fazem, numa inversão claríssima de valores, recebendo muito mais do que merecem, muitas vezes exigindo grandes sacrifícios de seus genitores, que fazem da tripa coração, para atendê-las

Tempos atrás, numa excursão a Foz do Iguaçu, tive o prazer de conhecer uma senhora alemã, morando no Brasil há oito anos que, ao ver uma criança de cinco anos dando birra de rolar no chão, falou-me como era a criação dos alemães. Disse-me, também, que muitos hotéis na Alemanha, não gostam de receber casais brasileiros com filhos menores, porque a grande maioria deles é insuportável, não obedece os pais e mexe em tudo, sem conhecer limites. E, segundo ela, a permissividade dos pais brasileiros não educa os filhos para o mundo, onde serão contrariados muito mais vezes do que atendidos.

A senhora alemã tem toda a razão, quando diz que nossas crianças são voluntariosas e querem tudo de mão beijada. Já se foi o tempo em que um presente era dado pelo merecimento. Grande parte de nossas crianças não mais se contenta ou se alegra com nada, pois tudo vem com facilidade. Alheias à realidade dos pais, ou a condição de pobreza em que vivem milhares de crianças no país, elas têm se tornado egoístas e totalmente indiferentes a outrem. É fato que não são as culpadas, pois estão sob a tutela dos pais.

E por falar em mão beijada, esta expressão nasceu das antigas cerimônias de beija-mão, quando os súditos reverenciavam os poderosos, beijando-lhes as mãos. Mas os súditos, ou fiéis mais ricos, iam bem mais além do beija-mão. Para caírem nas boas graças dos figurões, presenteavam-nos com terras e outras benesses. Tais presentes eram dados de mão beijada, ou seja, sem nenhum ônus para o agraciado. O beija-mão é uma tradição em que se reverencia personalidades importantes, sendo praticada em várias culturas, desde tempos remotos. E por aqui… “Cala-te boca!”.

Nota: Registro da cerimônia do beija-mão na corte carioca de Dom João, um costume típico da monarquia portuguesa.

16 comentários sobre “DE MÃO BEIJADA, NÃO!

  1. Patrícia

    Ei Lu!

    As crianças de hoje estão soltas. Bom era o tempo em que os pais criavam os filhos com “rédea curta”, havia respeito e limites.

    Beijar as mãos só se for de um belo cavalheiro, à moda antiga… trem bom.

    Beijos

    Responder
      1. Sandra

        Eu tinha a impressão que os súditos beijavam o anel real e não a mão em si. . Eu já escrevi sobre minha ideia de que os humanos que quisessem procriar, deveriam ANTES do sexo, atender a um curso sobre psicologia e comportamento humano, com ênfase na parte infantil e educacional. Caso passassem no curso, receberiam uma licença os autorizando a procriarem. Assim como é necessário fazer autoescola ANTES de se obter carteira de motorista, ou como se tem que registrar uma arma de fogo para ter porte legal de arma. Humanos são muito precários em relação a conhecimentos dos processos mentais que tornam uma criança um ser humano decente.

        Responder
        1. LuDiasBH Autor do post

          Sandra

          Você tem toda a razão, pois os pais cada vez mais falham na educação dos filhos.
          As crianças, salvo exceções, estão cada vez mais com ares de adultos.
          A tal educação moderna que vem se processando em vários países do mundo, simplesmente está abolindo a infância.
          A liberdade entre pais e filhos transformou-se em desrespeito.
          Não mais se cumprem ordens ou obedecem a uma hierarquia de valores.
          Os programas televisivos valorizam as crianças maleducadas, dando-lhes sempre a última palavra.
          Que mundo terão no futuro, se não conhecem limites?

          Não sei se isso acontece aí na Índia.

          Beijo no coração,

          Lu

  2. Tereza M. de Magalhaes

    Oi,amiga!
    Segunda, de manhã, tantos afazeres, mas não resisti: ler suas crônicas é um enorme prazer!
    Muito bom conhecer a origem da “mão beijada”. Melhor ainda foram suas sábias considerações a respeito da deseducação. Pais muito ausentes, os pais tentam suprir falta de carinho e de presença com brinquedos (a maioria eletrônicos) ou com guloseimas trazidas de supermercados, ambos prejudiciais à saúde das crianças. Insista nesse tema, Lu! Precisamos acordar mães e pais para os monstrinhos que estão criando… Uma pena!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Tetê

      Em nome de uma educação supostamente liberal, muitos desmandos vêm acontecendo.
      Os pais já não mais impõem limites, sendo desrespeitados pelos filhos em qualquer lugar.
      Quem vai a supermercados faz uma ideia de como andam as coisas.
      Chiliques birras são hoje um lugar comum por parte das crianças.
      Os pais estão virando verdadeiros babacas.
      E se essas crianças não aprendem limites em casa, significa que vão apanhar muito do mundo.

      Vamos bater sempre nesta tecla.

      Obrigada por nos dedicar um pouquinho de seu tempo.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  3. Ana Lúcia

    Lu
    Eu sempre tive que brigar pelas minhas coisas. É verdade que atualmente as crianças ganham muita coisa de mão beijada até quando tiram notas boas. Falta total de limites. Um abraço.
    Ana

    Responder
    1. LuDiasBH

      Aninha

      É fato que a educação dada pelas gerações passadas era muito rigorosa, mas agora ela peca pela ausência de limites.
      Os pais não estão sabendo o que fazer.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  4. Manoel Matos

    Lu

    Tudo o que a gente dá de mão beijada não tem valor algum. Poucas são as pessoas que valorizam. Quanto à educação das crianças brasileiras é um caso sério, pois a maioria é muito maleducada.

    Beijos

    Nel

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Nel

      É verdade!
      Também tenho aprendido que aquilo que é dado de mão beijada não é valorizado.

      Quanto às crianças, existe um pensamento muito profundo:

      “É preciso educar as crianças hoje para não punir os homens no futuro.”

      Abraços,

      Lu

      Responder
  5. Manoel Matos

    Lu

    Eu uso muito o tempo “do onça” para falar de coisas antigas. Depois, veja como apareceu o “amigo da onça”.

    Beijos

    Nel

    Responder
  6. Moacyr Praxedes

    Lu, para mim esse beija mão não passa de “puxassaquismo”,” baba ovo” e congêneres.

    Beijos,

    Moacyr.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *