ENCONTROS MEMORÁVEIS

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria do Prof. Rodolpho Caniato

Corria o ano de 1977. Eu estava no meio da segunda metade de meu período de dois anos improrrogáveis como Professor Visitante no Instituto de Física da USP. Um dos meus muitos ex-alunos da UNICAMP, Prof. Luiz Antônio Bértollo, veio me visitar e me trazia uma proposta. Ele havia assumido um lugar de Professor no Departamento de Física da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e me propunha acompanhá-lo numa visita àquela instituição. Ele insistia em que eu aceitasse uma vaga na mesma instituição, onde segundo a generosidade dele, eu deveria ser o “chefe” no Departamento de Física. Assumir aulas regulares no interior do Rio de Janeiro era para mim inviável, considerando que toda minha família, com cinco filhos, residia em Campinas. Outra razão era um projeto-sonho que eu acalentava, desde muitos anos: investigar a origem e persistência dos mal entendidos conceituais cuja presença eu havia detectado e acumulado ao longo dos muitos anos no ensino da Física e da Astronomia. “Pelo menos vamos passear e bater um papo”, foi a “sedução” para que eu “topasse” a viagem.

Viajamos para ao Rio e visitamos aquele belíssimo e grande campus da Rural que na era getuliana chamava-se Escola Nacional de Agronomia, no “Quilômetro 47” da antiga Rodovia Rio-São Paulo. Diante de minha desistência em aceitar aulas regulares, aquele meu ex-aluno e gentil anfitrião insistiu em me apresentar à Profa.(ME) Yacy Andrade Leitão, Decana de Graduação daquela instituição, a UFRRJ. Tive então ocasião de expor meu projeto de interação com o Ensino Fundamental para aquela grande educadora. Eu sabia, por experiência, que as universidades resistiam a tratar do assunto ou envolver-se com temas do ensino fundamental. Envolver-se com coisas do ensino “primário” era, na época, considerado “baixar o nível” do ensino “superior”. Para minha grata surpresa aquela eminente educadora reagiu com entusiasmo à minha ideia.

Ela não só aceitava a ideia do projeto como admitia que eu fizesse um programa de trabalho compatível com minhas possibilidades de frequência e tempo e viagens. Foi um encontro que marcaria todos os demais anos de meu trabalho e de minha vida. Logo nos integramos no NATE (Núcleo de Apoio com Tecnologias Educacionais) criado por aquela diligente EDUCADORA. Imediatamente começamos a pesquisa com as muitas escolas das imediações da UFRRJ. Nunca antes a Universidade havia interagido com as escolas de suas vizinhanças, mesmo com aquelas que ficavam diante de suas portas. Passamos a ter forte interação com essas escolas, graças aos contatos da Profa. Yacy. Logo a pesquisa se transformou num pedido de “socorro” por parte dos professores daquelas instituições. Não podíamos nos recusar ao pedido de ajuda. Logo passamos a produzir e ensaiar novos textos, experimentos e procedimentos com a participação de estudantes e professores daquela instituição. O trabalho logo se estendeu a muitas outras escolas de localidades da Baixada Fluminense e do Estado do Rio.

Meu personagem “Joãozinho”, curioso e contestador, passou a se materializar nesse contexto e se tornou muito conhecido. Sua difusão pela Baixada Fluminense o tornou o “Joãozinho da Maré”. Em pouco tempo nos tornaríamos insuficientes para atender a tantos pedidos das escolas. O acúmulo da experiência logo deu origem formal ao “Joãzinho da Maré”. Se eu fui o “pai” desse personagem, a Profa. Yacy foi a dedicada “mãe”, responsável por seus cuidados e pela sua “nutrição”: mais convites e solicitação de cursos (muitas dezenas), alguns em outros estados. Logo nossa experiência se materializava em dois livros: “A Terra em que vivemos” com os conteúdos e “Com(ns)Ciência na Educação” com o ideário.  Com os conhecimentos e as relações institucionais da Profa. Yacy muitos professores de diferentes áreas de nossa instituição (UFRRJ) se interessaram e se integraram ao nosso grupo, além de muitos alunos das licenciaturas.

A interação com os professores de outras áreas da Universidade evidenciou outra grande e urgente necessidade: muitos professores em exercício no ensino superior não tinham qualquer curso além da graduação. Era importante e urgente oferecer-lhes a possibilidade de algum curso de pós-graduação. Logo passamos a planejar um curso “lato sensu” de “Metodologia para o Ensino Superior”. Mais uma vez a experiência daquela Educadora, Profa. Yacy de Andrade Leitão, foi fundamental no planejamento e redação do projeto. Já para o ano seguinte (1978), inscreveram-se professores das áreas de Física e de Matemática. Logo convidamos como professores alguns de meus amigos, professores da UNICAMP. Esse curso, com a duração de dois anos, atendeu a professores da UFRRJ e de fora dela.

Durante os anos seguintes se multiplicaram os pedidos de  cursos e palestras sobre essa considerável e concreta contribuição. O “Joãozinho da Maré” passou a figurar em muitas publicações chegando a aparecer em várias publicações de Educação e no livro “Astronomia”, publicado pela Agência Espacial Brasileira. Em 1982, depois de meu curso para professores do Ensino Superior na República Dominicana me foi solicitado que voltasse àquele país para dar o curso para professores do ensino fundamental. Foi a vez do “Juanito de la Marea”, numa tradução do Prof. Engo Juan Selman (República Dominicana). Depois que o transformei em peça de tetro o “Joãozinho da Maré” foi muitas vezes encenado, em diferentes lugares e regiões do Brasil, especialmente em alguns EREAs (Encontros Regionais para Ensino de Astronomia).

Como “pai” do “Joãzinho da Maré” tenho que reconhecer que tantas atividades relacionadas ao Ensino superior e fundamental aconteceram como desdobramentos ou consequências daquele encontro com uma grande e entusiasta EDUCADORA: Profa.(ME) Yacy Andrade Leitão. Encontrar aquela dedicada PROFESSORA foi de fato um Encontro Memorável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *