Gauguin – DE ONDE VIEMOS? …

Autoria de LuDiasBH prop123

Antes de morrer, coloco aqui toda a minha energia, numa paixão cheia de sofrimento, e numa visão tão clara e sem correções, que a maturidade precoce desaparece e a vida floresce. (Gauguin)

A composição de Gauguin De Onde Viemos? O que Somos? Para Onde Vamos? trata-se de sua maior pintura, com quase 4 metros de base. Ele a realizou quando passava por um momento de grande angústia, tendo, inclusive, pensado em se matar, em razão das dificuldades pelas quais passava, sem dinheiro até para comprar seu material de pintura, e pela falta de reconhecimento de seu trabalho. Mas, antes de dar fim a sua vida, queria pintar um “grande quadro”, como relatou a seu amigo Daniel Monfreid. A obra foi concluída em um mês, tendo o pintor trabalhado sem praticamente parar, durante esse período. Gauguin inspirou-se no Taiti para compor a sua obra.

No fundo da composição, existe a predominância dos tons verdes. Sobre eles, o artista espalhou vários personagens nativos. Alguns deles apresentam-se nus, outros seminus e alguns vestidos de corpo inteiro. A vegetação é pintada com fortes tons azuis e verdes, enquanto as figuras humanas são coloridas com cores claras. As árvores, com suas formas sinuosas e as figuras sólidas, compõem o paraíso tropical tão desejado pelo pintor, num misto de realidade e imaginação.

Um bebê dorme no chão, tendo a seu lado três jovens que descansam. Seria a representação da vida simples e sem preocupações do paraíso. No centro da composição, um jovem de corpo bem proporcionado e ereto retira uma fruta de uma árvore. O amarelo brilhante de seu corpo contrasta-se com os verdes e azuis do fundo da tela. Talvez o pintor tenha feito aqui uma alusão ao Jardim do Éden. As duas mulheres ao fundo, com o corpo todo coberto, representam a sabedoria.

A senhora idosa, com sua pele escura, destoa da vivacidade da mulher jovem a seu lado. Na sombra, ela parece estar olhando para o passado, enquanto  aguarda o fim de seus dias na Terra. A ave a seu lado pode representar o desconhecido, que a aguarda após a morte. E, no primeiro plano, na parte esquerda da composição, uma garota come uma fruta, enquanto dois gatinhos brincam a seu lado. Assim como o rapaz colhendo a fruta, esta cena retrata a vida cotidiana.

A divindade presente na parte esquerda do quadro, toda em azul, simboliza o mundo do além. Ela traz os braços para cima, e relembra as crenças primitivas, sendo tida por muitos como a deusa polinésia Hina que, além de representar a Mãe Terra, simboliza também a morte e a ressurreição.

O ciclo da vida é visto na pintura da direita para a esquerda, fugindo à habitualidade, pois está de acordo com a convenção oriental de leitura, iniciada da direita para a esquerda. O bebê e a anciã encontram-se nos dois extremos da tela, assim como acontece na linha da vida. E, como se pode deduzir através do título da obra, que se encontra na margem superior esquerda da tela, escrito em francês, as figuras estão dispostas de forma a representarem o ciclo da vida:

  • o bebê dormindo (o início);
  • o jovem colhendo uma fruta (o meio);
  • a senhora idosa perto de uma ave (o fim).

Curiosidade
Passando por um período precário, sem dinheiro, o pintor usou um tecido barato de saco como tela para sua composição. Nela, também estão presentes elementos de outros quadros do pintor, que a considera como a sua obra-prima, ou seja, uma síntese de suas pinturas e sua visão do mundo. Após a sua conclusão, Gauguin fez uma tentativa frustrada de suicídio, ao tomar arsênico. Vomitou e foi levado para o hospital, onde conseguiu se recuperar, voltando à calma interior. Gauguin sempre pretendeu mostrar que “a natureza não é um instrumento do homem, mas sua parceira”.

Ficha técnica
Ano: 1897
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 139 x 374,5 cm
Localização: Museum of Fine Arts, Boston, EUA

Fontes de pesquisa
Gauguin/ Coleção Folha
Gaugin/ Abril Coleções
Gauguin/ ArtBook
Gauguin/ Taschen
Grandes Pinturas/ Publifolha

2 comentários sobre “Gauguin – DE ONDE VIEMOS? …

  1. almacarioca

    Lu

    A vida é um grande mistério. Tentamos explicar mas nunca a entenderemos, a não ser que aceitemos a teoria da evolução. Será que estamos em uma escola, onde alguns de nós frequentam turmas mais adiantadas do que outros? Será a Terra uma espécie de “Curso Fundamental”, onde nos preparamos para habitar planetas mais adiantados em vidas futuras? Somos seres espirituais atualmente encarnados? Isso explicaria muita coisa, mas ninguém que já passou para o outro lado voltou para me contar (ou não terei percebido as mensagens?).

    Vejam isto que me aconteceu. Terá sido uma comunicação com o outro lado?

    Hoje cedo estava caminhando pela orla de Iguabinha. Deixava-me levar pelos pensamentos enquanto olhava os carros que passavam, alheios à beleza da lagoa. Observei que, mesmo estando na calçada, havia o risco de ser atingido por um pneu que se soltasse de um veículo mal conservado. Que pensamento sem propósito, pensei! E continuei a caminhada.

    Mais tarde, voltando do jornaleiro, surpreendi-me com um pneu atravessando as duas pistas da BR 116, passando exatamente pelo local onde eu estava alguns segundos antes. Por pouco não fui atingido. Como se explica isso? Premonição?

    Dizem que sim, que eu antevi uma situação que ocorreria em seguida. Outros, no entanto, dizem que a situação aconteceu porque eu pensei nela e a criei na mente, dando-lhe forma.

    Bom, isso tudo é para dizer que Vinicius estava certo ao afirmar que “a vida tem sempre razão”.

    Bom Carnaval para você e a todos os seus leitores!

    Responder
    1. LuDiasBH

      Paulo

      A vida é mesmo um grande mistério.
      São tantas as explicações, que acabamos não entendendo nenhuma.

      No seu caso, teria você previsto um acontecimento?
      E por que não aconteceu tal e qual imaginou?
      O que interferiu no acontecimento?

      Teria sido a sua mente a criar a situação?
      Por que somos, então, capazes de interferir em alguns fatos e noutros não?

      Tudo não teria passado de uma mera coincidência?

      Ontem, também me aconteceu uma coisa interessante.
      Estava lendo um artigo e, ao final, havia uma lista de livros sobre o tema.
      Dentre eles estava UMA PROVA DO CÉU, de dr. Eben Alexander, que conta a sua experiência de quase morte.
      Interessada, fui até a biblioteca da Folha e depois à Estante Virtual, onde o preço era menos da metade.
      Pensei em comprá-lo, assim que tivesse uma folga.
      Porém, à noite, meu irmão chegou com o mesmíssimo livro e me deu de presente.
      Telepatia?
      Terei eu uma mente tão poderosa assim, capaz de dar ordens?
      Ou a mente dele foi mais poderosa, a ponto de captar meu desejo?
      Sei lá… não sei.
      Fica difícil em pensar em coincidências, não é mesmo?

      Feliz carnaval para você, também.

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *