ÍNDIA – ESTUPROS E O TESTE DO DEDO
Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH  ind

A jovem anônima estuprada até a morte virou cinzas na calada da noite. Mais sua pira funerária continua a arder. (Luís Pellegrini)

A Índia nunca foi um país fácil para as mulheres viverem, por isso, chamaram a atenção do mundo as passeatas que eclodiram por aquele país, quando uma jovem de 23 anos foi brutalmente estuprada por seis homens, dentro de um ônibus, e acabou morrendo.

É fato que esse país nunca teve respeito pelas mulheres, apesar de existirem algumas leis com a finalidade de coibir a violência contra elas. Mas as autoridades indianas fazem ouvidos moucos em relação às queixas femininas. A vítima ali, quando mulher, sempre ocupa o lugar do réu, pois, “ela é a responsável por provocar o homem”. Portanto, deve se sentir envergonhada por levar o macho a violentá-la, despertando-lhe os desejos da carne. Muitas delas, envergonhadas e indignadas, acabam cometendo suicídio. A espiritualidade tão cantada e decantada em relação à Índia, não passa de pano de fundo para o machismo que ali vigora e para atrair turistas ingênuos.

O estupro aconteceu na capital do país, Nova Déli, cartão de visita do país, representativa da modernidade e da tecnologia, arregimentando protestos em todo o país, como se as pessoas tivessem finalmente acordado e descoberto que as mulheres são diariamente violentadas por homens, em todos os cantos do país, sem que os culpados passem, ao menos, por uma reprimenda, pois pedir punição seria exigir muito.

A violência contra mulheres na Índia atinge números alarmantes. Os estupros sucedem a todo o momento. E, imaginar que a maioria de tais atos nem chega a ser notificada. Muitas mulheres têm medo de dar queixa, pois têm que se submeter ao “teste do dedo”, através do qual o médico atesta se a sua vagina está “acostumada a ter relações sexuais” ou não, sem falar no perigo de serem violentadas pela própria polícia.

A Índia é hoje um país em ascensão. Faz parte do BRICS, ao lado do Brasil, Rússia, China e África do Sul. Mas como falar de modernidade num país dividido em castas sociais, intocáveis e mulheres sem direito algum? Onde o juiz oferece à mulher estuprada, como saída, casar com seu estuprador ou retirar a queixa. E onde o estupro, em meio ás mulheres intocáveis, faz parte do cotidiano delas.

A jovem vítima do estupro responsável por balançar os pilares do país, mesmo já estando com traumatismo craniano e com os órgãos em processo de falência, tendo parte dos intestinos retirados em razão dos ferimentos que lhe causou o uso de uma barra de ferro pelos agressores, e já tendo sofrido uma parada cardíaca, foi removida às pressas para Singapura, um país distante, onde morreu, quando se sabe que a Índia possui excelentes hospitais. Certamente os dirigentes temiam que ela falecesse em seu país, levando-o a uma convulsão social. E, para evitar mais protestos, o corpo da jovem foi trazido de Singapura, cremado de madrugada, em meio a uma forte segurança, fugindo à tradição de ser levado para a sua aldeia de origem.

O estupro é uma forma de o macho mostrar que possui domínio sobre a fêmea. E  tal poder é obtido através da tortura e da selvageria. Até os jornais indianos, sempre conservadores, não mais conseguem calar diante do clamor que contesta a violência vivida pelas mulheres naquele país. As crianças também não estão protegidas, sendo violentadas em todas as idades. Até garotinhas de 2 anos são estupradas e mortas, sem que os assassinos sejam punidos.

Que país é esse que canta loas por estar entrando para a modernidade, mas que em relação à mulher ainda se encontra na Idade Medieval?

Estupidez:
O guru indiano Asaram Bapu disse que parte da culpa foi da jovem estuprada e morta, pois, em vez de resistir aos assassinos, ela “deveria ter rezado para Deus e pedido aos estupradores, chamando-os de “bhaya” (irmão), que a deixassem em paz”.

2 comentários sobre “ÍNDIA – ESTUPROS E O TESTE DO DEDO

  1. Mário Mendonça

    Lu Dias

    Lamentavelmente o sistema de castas tão elogiado por muitos, inclusive propagado por folhetins brasileiros é responsável por esse atraso que vive a Índia e o Oriente.

    Como a Índia tem muito a “oferecer” economicamente ao mundo, calemos sobre isso, irmã…

    Abração

    Mário Mendonça

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Mário

      De certa forma o mundo é dividido entre castas ricas, pobres e miseráveis…
      E é uma pena que seja assim.
      Penso que vem daí o seu atraso.

      Os países ricos (antes foi a Inglaterra) estão deitando e rolando nas riquezas indianas, inclusive na mão de obra escrava.
      Mundo cão!

      Beijos,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *