Mário Mendonça – RESSURREIÇÃO

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Renan Suchmacher

ressu

A histórica cidade mineira de Tiradentes ostenta acervo invejável de obras de arte seculares. Não bastassem tamanhas preciosidades, artistas como Picasso, Modigliani, Portinari, Tarsila do Amaral e Di Cavalcanti também podem ser encontrados por lá. A façanha é do Instituto Cultural Mário Mendonça, que expõe, gratuitamente, desde 2010, trabalhos desses e de mais de dezenas de outros mestres, incluindo o próprio fundador do museu, um dos maiores pintores brasileiros de arte sacra da atualidade: Mário Mendonça.

O Instituto Cultural Mário Mendonça conta com mais de duas mil obras, ampla infraestrutura, galerias de arte contemporânea brasileira, salas de desenhos e salão de arte abstrata. Uma biblioteca formada, principalmente, por livros de arte, também está à disposição de seus visitantes para consulta e estudo. Por sua vez, a capela de Nossa Senhora das Graças, aberta a visitação, abriga coleção de ícones ortodoxos de diversas partes do mundo, sendo o de maior destaque uma Madonna russa, do século XVI.

O pintor Mário Mendonça, que doou sua casa para a criação do museu, completa este ano 50 anos de carreira e 80 de vida, recebendo um presente especial: sua obra “Ressurreição”, que representa Cristo numa tela de dois metros, ficará em exposição no Domingo de Páscoa (20/4/ 2014) no Corcovado, após mostra itinerante em seis igrejas da cidade do Rio de Janeiro, iniciada em 29/01/2014. Terminado o circuito, o quadro ganhará lugar permanente no Santuário do Cristo Redentor, situado na cidade do Rio de Janeiro.

No quadro “Ressurreição”, o artista apresenta a Santíssima Trindade. No alto, à direita de Cristo, está a mão de Deus abençoando-O, e em sua mão esquerda pousa a pomba, símbolo do Espírito Santo, todos com os ferimentos da Paixão. Segundo o artista Mário Mendonça, como são uma só pessoa, toda a trindade foi ferida e sofre. Pela primeira vez, a Ressurreição de Cristo foi pintada e exibida desta maneira tão criativa.

A exposição permanente da pintura “Ressurreição”, no Santuário do Cristo Redentor, dá oportunidade aos cariocas e turistas de experimentarem um pouco daquilo que o Instituto Cultural Mário Mendonça tem a oferecer. A tela, que fica como presente para a cidade, servirá como forte laço cultural entre o estado do Rio de Janeiro e o de Minas Gerais.

Além do Brasil, as obras do pintor Mário Mendonça fazem parte de acervos importantes, como os do Museu do Vaticano (Itália), do Ibero Amerikanisches Institut (Alemanha) e do Museu Ludmila Jiukava (Bulgária), entre outros.

Ficha técnica
Ano: 2013
Artista: Mário Mendonça
Técnica usada: Óleo sobre tela
Dimensões: 2,03m X 1,45m
Localização: Santuário do Cristo Redentor do Corcovado, Rio de Janeiro/RJ, Brasil.

10 comentários sobre “Mário Mendonça – RESSURREIÇÃO

  1. Luiz Cruz

    Além das obras de arte a sede do Instituto Mário Mendonça tem um belo jardim.
    Então, é uma visita obrigatória.
    Parabéns pelo texto!
    Abraço, Luiz Cruz
    Tiradentes, MG

    Responder
  2. Edward Chaddad

    Renan
    Embora seja um paulista, tenho por Minas Gerais uma grande admiração. Por aí é que passam todos os brasileiros, de norte a sul, de leste a oeste, como se fosse o ponto de encontro de todos nós. A riqueza cultural e artística de Minas Gerais sempre me cativou, máxime quando consegui algumas vezes visitá-la, conhecendo-a mais perto.

    Agora, tenho a notícia, com texto muito bem feito e exposição elegante, que temos aí um instituto Mário Mendonça, onde obras de grandes artistas de renome mundial podem ser encontrados. Ademais, fiquei conhecendo um artista brasileiro, Mário Mendonça, que tem excelência em sua arte, mostrada por você, com o quadro “Ressurreição”, onde o que mais me chamou a atenção foi a ternura e humildade que Jesus nos apresenta, mesmo após ter tido tanto sofrimento na crucificação.

    Ademais, Mário é um pintor altruísta, que ama a arte, tanto é que legou a todos a oportunidade de compartilhar seus quadros. É um ato de pessoas como ele que me faz ter esperança num mundo melhor.

    Parabéns pelo seu texto e pela sua estreia maravilhosa no blog.

    Ah, antes que me esqueça, temos um amigo com o mesmo nome do pintor, o Mário Mendonça, que certamente estará fazendo seu comentário também. Ele pode ser homônimo, mas tem também muitos ideais na vida.

    Abraços

    Responder
    1. Renan Suchmacher

      Edward, muito obrigado pelos elogios e comentários. Como você, apesar de ter ido poucas vezes a Minas, já pude perceber a essência artística que exala.

      Na próxima vez que for para lá, tenta dar uma esticadinha para passar em Tiradentes. Se não der, talvez no Corcovado para ver o “Ressurreição”.

      Abraços!

      Responder
    1. Renan Suchmacher

      Completo Xará, não é, Mário? Mesmo que nesse quadro, como o próprio diz, ele tenha mudado seu estilo para ser mais “compreensível”, Mário se denomina pintor de arte contemporânea.

      Se achou esse sofrido, precisa ver os outros quadros dele! Também são lindos, mas bem diferentes desse.

      Aqui tem alguns: http://www.mariomendonca.com.br/

      Abraços!

      Responder
      1. Mário Mendonça

        Renan
        Não, no meu caso Mário é pré e Mendonça é sobrenome.
        Como sou um amante do surrealismo, acabo por ver em outros estilos.
        Parabéns por nos brindar com tão bela arte.

        Abração

        Mário Mendonça

        Responder
  3. LuDiasBH Autor do post

    Renan

    Sinto-me imensamente feliz, quando encontro pessoas preocupadas em levar a arte até outras.
    É, pois, com imenso carinho que nós o recebemos aqui neste cantinho.
    Traga-nos sempre o trabalho desses artistas maravilhosos.

    O Mário Mendonça é um artista e ser humano especial, capaz de doar a sua casa para um museu. Que maravilha de coração!
    Quando tiver um tempinho, conte-nos um pouco sobre a vida dele.
    Transmita-lhe o nosso abraço.

    Abração,

    Lu

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *