UM NEGÓCIO DA CHINA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBHchina

 Foi-se o tempo em que comprar produtos chineses resultava num bom negócio. Ainda me lembro de uma ricaça, amiga de minha vó, que tinha uma cristaleira guarnecida de peças e peças de porcelana chinesa. O que mais encantava a meninada era um conjunto de chá, onde predominava o vermelho e o amarelo, tendo todas as peças o formato de um dragão. O bule era um enorme dragão e as xícaras seus filhotes. Que lindeza!

 Dona Osvaldina, a dona da família de dragões, quando estava de bom humor, abria sua cristaleira, trancada a sete chaves e permitia, para nosso deleite, que puséssemos a mão no seu tesouro, contudo, sem que ela soltasse parte da peça, pois “criança não é bicho de confiança”, como sempre dizia. A gente fazia fila para tocar nas belezuras, quando todo cuidado ainda era pouco. Ninguém queria carregar o “pecado capital” de quebrar uma formosura daquelas. A gente até tremia de medo e emoção.

 O desencanto com as coisas chinesas chegou acompanhando as lojas de R$1,99 que infestaram os recantos mais remotos de nosso país, com suas tralhas e imitações baratas de quase nenhum valor ou durabilidade. Hoje, dispenso qualquer produto “made in China”, mesmo que seja um jogo de chá com o formato de um dragão. A minha birra também se deve ao modo como é tratado o trabalhador chinês, que vive num esquema feroz de servidão humana, exaurindo-se nas grandes fábricas, muitas delas em navios atracados em alto mar, para que os produtos cheguem mais rápido ao comércio de outros países. Os donos das fábricas obtêm um lucro extraordinário. Para eles é duplamente um negócio da China, enquanto para os operários trata-se de “um negócio dos infernos”.

 A expressão “negócio da China” originou-se, segundo contam, das viagens feitas por Marco Polo ao Oriente, no século XIII, quando contava aos quatro ventos que tudo naquele país longínquo era extravagante, despertando a atenção dos comerciantes da época. Existem outras explicações para esta expressão, sendo esta a mais comum.

 Fazer um negócio da China significa que a pessoa fez um excelente negócio, obtendo lucros impensáveis. E, se assim foi, significa que alguém foi passado para trás.

Nota: Imagem copiada de www.mundonovelas.com.br

21 comentários sobre “UM NEGÓCIO DA CHINA

  1. Edward Chaddad

    LuDias
    Há milhares de brasileiros adquirindo, via internet, coisas da China. E ainda de Miami, Flórida e outros bichos. O resultado é o mesmo. Deixamos de desenvolver e criar empregos em nosso país, aumentando nossa vulnerabilidade. Seja ou não, lá negócios da China, mesmo aqueles viajantes espertos que buscam Miami, devemos comprar aqui no Brasil e sempre. Nosso país tem produtos excelentes, v. gratia, o sapato, que bate longe daquele fabricado no exterior.

    Agora, aqui entre nós, nunca vi o Papai Noel comprando na China.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Ed

      Os próprios governantes da China reconhecem que a fama de seus produtos, em todo o mundo, é péssima. Também acho um absurdo o modo como os amarelos vêm dominando o comércio em todo o mundo. Prefiro uma meia nacional a um uma dúzia chinesa.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. carlos

    Mas, também tem a frase, se não me engano, do
    Barão de Itararé: mais vale um maribondo voando do que dois na mão.

    Responder
    1. LuDiasBH

      Carlos

      HAHAHAHAHHAHAHAA

      Você me fez dar a gargalhada do dia.
      Estou imaginando a picada de dois maribondos na mão.
      Já levei uma no rosto.
      Ai, que dor!

      Grande abraço,

      Lu

      Responder
  3. Ana Lucia

    Lu,
    Negócio da china é comprar em brechó. Tem gente que se desfaz de tesouros porque acha que coisa velha não tem valor. Beijo, querida.

    Responder
  4. Patrícia

    Ei Lu!

    Negócio da China deve ser entre os chineses. A facilidade de encontra lojas de $ 1,99 é a cada equina.
    Verdade seja dita quem ganha salário mínimo vai comprar onde? Se nossos governantes não baixarem impostos e taxas nossos produtos ficarão nas prateleiras e os chineses estalhados pelo Brasil.

    Bjos.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Pat

      Os produtos chineses são muito ruins.
      A durabilidade é praticamente zero.
      O pior é o modo como são tratados os operários chineses, dormindo 12 pessoas num quartinho, revesando as camas.
      Também temos que lutar contra o abuso dos impostos, para que nossos produtos sejam os procurados.

      Beijos,

      Lu

      Responder
  5. GERALDO MAGELA CORDEIRO

    Cara Lu,
    Estou com você, hoje a China não é mais a mesma !
    A industrialização a todo custo e com muita pressa e exploração total da mão-de-obra abundante, envia produtos de qualidade discutível para o mundo todo.
    Como nossos comerciantes são ávidos por lucros polpudos, importam verdadeiras porcarias bem baratinho e vendem a R$ 1, 99. Se bem que acho que com a volta recente do dragão da inflação estas lojas sumiram.
    Existe também uma verdadeira indústria pirata que fabrica de tudo, CDs, DVDs, eletrodomésticos e outras porcarias e quinquilharias. Mesmo produtos sérios como máquinas para a indústria, automóveis etc também tem inúmeros problemas de fabricação e manutenção.
    ABRS DO GERALDO MAGELA

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Magela

      Atualmente, ao comprar qualquer coisa, eu olho na etiqueta.
      E primo mais pelos produtos nacionais.

      Conversei com senhor que vai muito a Hong Kong a trabalho.
      Ela me disse que parece que as fábricas do mundo todo estão migrando para a China.
      As que que têm fiscalização estrangeira, ainda salvam, mas as chinesas propriamente ditas, são uma porcaria. É lixo puro!

      Sem falar que a China emporcalha o mundo com o excesso de poluição.

      Abraços,

      Lu

      Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Sandrinha

      Não consegui chegar até o final do vídeo.
      Meu coração começou a sangrar.
      Ai que horror!
      Quanta mosntruosidade!
      Gente miserável!

      Lu

      Responder
      1. terracotabolsas

        também vi o vídeo (pelo grupo da Sandra, Indiagestão), e fiquei tanto indignada com a frieza das pessoas quanto comovida com a solidariedade do cãozinho. O cachoro que tenta ajudar o companheiro atropelado é muito mais “gente” que as pessoas que ignoraram a menininha. Infelizmente há milhões de pessoas que só enxergam o que lhes afeta, e na China o problema é ainda pior, pois eles só conseguem se preocupar com a prórpia sobrevivência. Tem tanta gente lá que uma vida vale muito pouco para eles, seja de gente ou de bicho. Triste…

        Cristine

        Responder
        1. LuDiasBH Autor do post

          Cris

          Tenho andado em crise com a espécie humana.
          Ando tão fragilizada que nem consegui ver o vídeo até o fim.
          Será que somos gente, ou já nos transformamos em máquinas?
          Não estaria na hora de se fazer uma limpeza na Terra e trazer vida nova para ela?
          Já estamos por demais degenerados.
          Penso que não temos salvação.
          É preciso roçar a erva-daninha para que brote uma nova plantação.
          Os meteoros estão aí, para amassar a nossa empáfia para sempre.

          Desculpe-me o desabafo.

          Grande beijo,

          Lu

  6. Rosalí Amaral

    Querida Lu,

    Recentemente me ofereceram um verdadeiro “negócio da China”, no meu caso “negócio da África do Sul”: que se eu enviasse 2 mil reais para despesas, receberia meu cheque premiado de 1,5 milhões, e pasme, não seria em reais, mas sim em dólares! Aí, veja como eu lidei com a situação:

    “Pensei com meus botões”: -Eh, “quando a esmola é demais, o santo desconfia! Como não foi a primeira vez, e “gato escaldado tem medo de água fria”, aproveitei que “a noite é boa conselheira”, no dia seguinte “tirei meu time de campo” e “pus minhas barbas de molho”. Afinal, “mais vale um passáro ( meus 2 mil) na mão do que dois( os dólares) voando.”
    E “é melhor prevenir do que remediar”, não é mesmo? Não adianta tentar, “desse mato não sai coelho!” Eu, heim!

    Parabéns pelo texto, abração,
    Rosalí.

    Responder
    1. LuDiasBH

      Rose

      Também já recebi esta proposta, vindo da África umas três vezes.
      A pessoa tinha perdido os pais e coisa e tal… sobrando-lhe uma grande herança.
      Pedi que doassem o prêmio para as crianças famintas do continente africano, em meu nome.
      Se a gente for boba, acaba caindo numa fria.

      Amei a sua resposta toda em provérbios… risos.
      Muito legal!

      Beijos,

      Lu

      Responder
  7. Mário Mendonça

    Lu Dias

    Geralmente quando chega alguém pra mim e oferece um negocio da china, respondo:

    “Negócio da china, deixo pra chines”….

    Só existe duas formas de se enriquecer:

    Trabalhando ou ganhando na loteria

    Eu não acredito em riqueza no trabalho (quem fica rico é só o patrão) e muito menos em jogando na loteria (só o governo ganha, 3/4 do arrecadado é pra ele e a probabilidade é minuscula), sobrevivo sem pensar em riqueza….

    Desculpe estender-me..

    Abração

    Mário Mendonça

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Mário

      Também não acredito em “negócio da China”.
      Fazer bom negócio, num país onde se quer levar vantagem em tudo, significa passar o outro para trás.
      Também prefiro que tais negócios fiquem com os chineses.

      Nunca peça desculpas por expor suas opiniões…

      Beijos,

      Lu

      Responder
  8. célia

    Lu minha amiga. A sua infância rica em “causos”, me faz ter uma visão nítida, das criancas em
    fila pra tocar os dragões. beijinhos

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Celita Linda

      Para nós, crianças da época, ali estava o maior tesouro do mundo.
      Quedavamo-nos diante de tanto encantamento… risos.

      Beijos,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *