AS LINHAS DE NAZCA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

bio123

Existem muitos mistérios no nosso planeta que até agora esperam pela luz da ciência. Dentre eles encontram-se as famosas Linhas de Nazca, situadas na planície costeira peruana, próxima à capital Lima, aos pés da Cordilheira dos Andes, no deserto de Nazca.

As Linhas de Nazca compõem um conjunto de gigantescos desenhos, feitos no solo, cujas linhas trançam imagens de pássaros, num total de 18 aves, descobertas até hoje, e outros animais como aranha, macaco, lagarto, peixe, tubarão, lhama, etc, cobrindo uma extensão de mais de 450 Km2, sendo que o maior dos desenhos chega a medir 305 m de comprimento. Existem também figuras humanas.

Como a civilização nazca desenvolveu-se no período situado entre 200 a.C. e 600 d.C., torna-se curiosa a preservação de tais geoglifos, passados tantos séculos. A explicação que se tem é que o isolamento da planície de Nazca e seu clima seco desprovido de vento contribuíram para a preservação dessas linhas.

Até hoje, sabe-se o que foi feito para produzir os geoglifos, ou seja, foram retirados óxido de ferro e os pedregulhos, deixando visíveis as linhas rasas. Contudo, tratava-se de um processo complexo de ser executado, pois, do solo não se tinha sua visão integral, tamanha era a escala dos desenhos. Presume-se que o povo nazca tenha construído torres de onde poderia observar a confecção de seu trabalho. Mas é bom que o leitor saiba que tudo não passa de conjecturas.

A imagem símbolo das Linhas de Nazca, conhecida em todo mundo, continua sendo o beija-flor, com seu longo bico que toca um conjunto de linhas paralelas.

Outra curiosidade é saber qual era o motivo de tão complexo trabalho, que não poderia ter apenas um fim decorativo. Mais uma vez a ciência entra no campo das suposições. Imagina-se que o objetivo dos geoglifos era o de servir como marcadores de um calendário astrológico daquele povo, relacionado às atividades agrícolas. Há também a suposição de que os motivos sejam religiosos, ou seja, tratava-se de uma forma de pedir aos deuses, que deveriam enxergar os desenhos lá do céu, para que não deixassem de enviar chuva. Alguns mais crédulos acreditam que tenham sido feitos por extraterrestres. E o você, o que pensa?

Fonte de pesquisa:
Tudo sobre arte/Editora Sextante

2 comentários em “AS LINHAS DE NAZCA

  1. LuDiasBH Autor do post

    Paulo

    Que belo comentário.
    Embora vivamos no século XXI, ainda desconhecemos muitos mistérios.
    Realmente as Linhas de Nazca são impressionantes para a época em que surgiram.

    O homem, na sua empáfia, acha que sabe tudo.
    Muitos não possuem o menor respeito para as coisas do passado.

    Quanto a seu novo blog, quem gosta de nossos companheirinhos de passagem por este planeta irá adorar.

    Está fantástico!
    Quero colocar seu link aqui no meu.

    Ensine-me!

    Abraços,

    Lu

    Responder
  2. Paulo Afonso

    No momento em que o homem abrir a mente a entender que a Terra já foi habitada por uma civilização bem mais evoluída do que a atual, tudo ficará mais fácil de ser explicado. A construção das pirâmides deixará de ser creditada aos faraós, e as esculturas perfeitas, como a Estátua de Ramsés ou o Obelisco do Cairo, deixarão de ser mistérios. Ontem assisti no Canal Futura a tentativa de alguns cientistas em recriar esculturas que foram feitas pela primeira civilização que habitou a América. Nem o ferro eles conheciam. E as esculturas em pedra dura são perfeitas. Por que não admitir o uso de uma tecnologia avançada, o lazer, por exemplo? Os cientistas falharam nas tentativas de repetir a proeza.

    Aproveito para convidá-los a conhecer minha nova distração. O “Tudo sobre bichinhos” é dedicado a todos os nossos companheiros do reino animal que navegam conosco nesta jornada pelo espaço. Seu público é 90% feminino. A maioria das leitoras tem entre 13 e 24 anos. Isso é muito importante pois é este público, feminino e jovem, que terá o destino do planeta nas mãos.

    Grande abraço a todos e a você, Lu, sempre lutando pela nossa cultura.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *