Guido Cagnacci – A MORTE DE CLEÓPATRA

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de LuDiasBH

O pintor Guido Cagnacci (1601 – 1663) aprendeu pintura em Bolonha, provavelmente com Ludovico Carraci ou com algum pintor de seu círculo. Manteve contato com os pintores Guercino, Guido Reni e Simon Vouet. Inicialmente, suas pinturas estavam mais voltadas para os temas devocionais, vindo depois a dedicar-se às pinturas de salão, em que retratava mulheres semidespidas e sensuais, da cintura para cima, dentre elas podem ser citadas Lucrécia, Cleópatra e Maria Madalena, responsáveis por sua fama. Trabalhou para a corte de Leopold I, em Viena. Ali pintou sua obra mais importante: A Morte de Cleópatra, que se encontra no Museu Kunsthistorisches, em Viana, em que a rainha egípcia morre rodeada por suas servas, diferentemente da versão descrita abaixo, tendo sido pintada antes desta. O artista pertenceu ao período do Barroco tardio, sendo suas obras caracterizadas pelo uso do claro-escuro, além de uma forte sensualidade.

A composição A Morte de Cleópatra, um dos temas mais populares no século XVII, apresenta o suicídio da rainha egípcia, mordida por uma cobra, ao tomar conhecimento de que seu amado Marco Antônio morrera numa batalha. Assim como acontece com outros nus femininos do artista, a figura de Cleópatra repassa uma fisicalidade e sensualidade perturbadora, sem nenhuma parcela de idealização ou vulgaridade. Seu corpo físico, nu da cintura para cima, mostra-se sensual e extremamente real, como se sua morte fosse um descanso. Pressupõe-se que a modelo desta pintura seja a amante do artista.

A serpente, responsável pela morte da rainha egípcia, que em outras pinturas ganhou um espaço maior como protagonista da história, na pintura de Guido Cagnacci é diminuta, elevando-se de um dos braços da cadeira, sob o peso do braço direito da rainha Cleópatra. Ao minimizá-la, o artista tinha como objetivo levar o observador a concentrar-se no corpo da rainha suicida. Para o mesmo fim contribui o fundo liso da pintura, dando destaque à rainha egípcia em sua cadeira de espaldar vermelho.

A cabeça de Cleópatra descansa no couro vermelho de sua imponente cadeira, decorada com botões de ouro. Seus olhos semiabertos mostram que se encontra a caminho da incosnciência que a conduz à morte. Seus cabelos doirados, alcançando os ombros, caem em cachos por suas costas. Os pequenos e hirtos seios apontam para frente. Seu rosto não expressa sofrimento, mas, sim, uma profunda tranquilidade, como se se encontrasse dormindo. Apenas as mãos mostram-se lânguidas.

Segundo os estudiosos da arte, este quadro de Guido Cagnacci recebeu influência da obra de Guido Reni, através da convivência entre ambos, assim como dos mestres da escola bolonhesa, e do contato do pintor com as obras de Caravaggio, durante sua estadia em Roma.

Nota: em seu livro denominado “A Morte de Cleópatra”, o escritor Christoph Schäfer, que fez inúmeras pesquisas sobre o tema, revela que é improvável que a rainha egípicia tenha morrido ao ser picada por uma cobra. Acridita ele que seu óbito deveu-se a uma combinação de drogas: ópio, cicuta, etc, o que levaria à morte indolor, apregoada pela história.

Ficha técnica
Ano: c. 1660
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 120 x 158 cm
Localização: Museu de Brera, Milão, Itália

 Fontes de pesquisa
Enciclopédia dos Museus/ Mirador
https://mydailyartdisplay.wordpress.com/2011/04/24/the-death-of-cleopatra-by-guido-cagnacci/

2 comentários em “Guido Cagnacci – A MORTE DE CLEÓPATRA

  1. Alina

    Lu
    Realmente muito bom este post! Conteúdo Relevante! Gostei bastante do site, vou ver se acompanho toda semana suas postagens.
    Trabalho pela internet há alguns anos com meu blog de decoração e adoro tudo referente ao assunto. Sei que o assunto não é decoração mas adoro saber novidades em diferentes nichos e áreas. Obrigada!

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Alina

      É um prazer receber sua visita e comentário. Temos alguns artigos referentes ao Feng-Shui que dizem respeito à decoração. Deixe aqui o link de seu blog.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *