NOITE ESTRELADA (Aula nº 89 C)

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Lu Dias Carvalho

                                                (Clique na imagem para ampliá-la.)

Com frequência penso que a noite é mais viva e mais rica em cores do que durante o dia. Eu confesso não saber a razão, mas olhar as estrelas sempre me faz sonhar. Saio noite afora para pintar estrelas. (Van Gogh) (Van Gogh)

Neste quadro, quase síntese cósmica de toda uma busca humana e pictórica de Van Gogh, é como se astros, mundo, terra e céu girassem numa trepidante atmosfera, sob cuja proteção pintou um povoado que, a julgar por seu campanário, recorda mais os de sua meninice na Holanda do que as aldeias provençais. (Laura García Sánchez)

A noite esteve muito presente nas telas de Van Gogh, nos seus últimos anos de vida, como se ele buscasse algo além das estrelas. Anteriormente a esta tela fantástica, o artista pintou Terraço de Café na Praça do Fórum e também Noite Estrelada sobre o Ródano (ambos presentes no blog), tendo a noite como tema. O pintor tinha uma maneira peculiar de retratar a noite. Para superar o escuro, usava várias velas acesas na aba de seu chapéu, enquanto pintava, apesar do perigo de queimar-se.

Quando produziu Noite Estrelada, Van Gogh encontrava-se no sanatório, por vontade própria, há quase um mês. Durante um ano permaneceu no local, existindo contínuas oscilações em sua saúde.  Apesar de muitas vezes aparentar tranquilidade e ternura em suas cartas ao irmão Theo, o artista convivia com profundas crises de depressão.  A tela em ora em estudo é o resultado do agravamento de seu estado mental desequilibrado. O pintor estava à época com 37 anos de idade.

Van Gogh, ao optar por ficar num sanatório, ganhou regalias que não eram dispensadas aos outros companheiros do lugar. Era-lhe permitido deixar o lugar para pintar sempre que quisesse. A princípio contentou-se com o ambiente em volta do sanatório, depois foi ganhando coragem e aventurando-se por lugares mais distantes. Gostava de observar o mundo do lado de fora, assim como a forma grotesca da vegetação e das rochas, de modo que as representava distorcidas e desfiguradas, tal e qual elas se mostravam. No entanto, o quadro intitulado Noite Estrelada foi pintado recorrendo à memória e à imaginação, antes de ganhar confiança e superar o distanciamento entre o mundo exterior e o sanatório.

Esta tela, segundo analistas da obra de Van Gogh, demonstra uma energia nunca vista em outra obra do pintor e possivelmente em toda a história da pintura. Karl Jaspers, filósofo e psiquiatra alemão, no seu estudo sobre Van Gogh, assim analisa: Os objetos, como coisas individuais, desaparecem para se converter em redemoinhos.

A olharmos para a tela Noite Estrelada, temos a sensação de que o pintor observava tudo de um ponto no alto, mas ele já não quer dizer nada, no sentido de perpetuar o que vê. É levado apenas a exprimir o que sente, ou o que se passa em sua alma conturbada. Seu incandescente e sinuoso cipreste parece querer atingir o céu, enquanto a lua explode-se em esplendor. À direita está um agrupamento de oliveiras, formando uma densa nuvem. As estrelas também ganham a posição de sóis. A cidadezinha parece insignificante lá embaixo, com um pouco de luz aqui e acolá. Apesar de frágil, só o pináculo da torre da igreja parece desafiar o céu. As aspirais de luz traduzem toda a energia do quadro, como se quisessem abraçar ou expulsar tudo que delas se aproximam.

Noite Estrelada é uma das mais belas visões já criadas do céu noturno. A estrutura da pintura é dinâmica, ondulada. O céu parece em movimento e a lua e as estrelas espalham seu brilho em forte amarelo. Se olharmos a pintura com intensidade, somos levados a sentir os movimentos que dela emanam, pois tudo ali parece ganhar vida. Alguns estudiosos veem nesses traços luminosos a representação da nossa Via Láctea.

Van Gogh entregava-se por inteiro a tudo que fazia, de forma que a força de sua compulsão criadora não era capaz de conter-se dentro de moldes preestabelecidos. Ao contrário, vergava-se à sua vontade. Dentro dele, como em Noite Estrelada, tudo era movimento e agitação. É possível sentir esse turbilhão que não se acalmava nunca, através de seus traços desinquietos e exasperados, acompanhando as marcas deixadas por seus pinceis e espátulas, apesar do tempo que nos separa dele.

Ficha técnica:
Data: 1889
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 73 x 92 cm
Localização: Metropolitan Museum of Modern Art, Nova York, Estados Unidos

Fontes de pesquisa:
Mestres da Pintura/ Editora Abril
Grandes Mestres da Pintura/ Coleção Folha
Van Gogh/ Editora Taschen
Van Gogh/ Girassol
Para Entender a Arte/ Maria Carla Prette

8 comentaram em “NOITE ESTRELADA (Aula nº 89 C)

  1. Marinalva Autor do post

    Lu

    Noite Estrelada – a árvore com um alto topo, montanhas e um povoado são belos, mas o que chama mais a minha atenção é o céu azulado e a cor das estrelas de um amarelo forte na noite escura. O céu parece estar agitado, por causa das formas arredondadas, como ondas , porém refletem luz e beleza. Van Gogh sentia – se muito sozinho e um pouco nervoso, enquanto pintava. O que não importa em nada, pois sua obra é interessante e bela.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Marinalva

      Van Gogh foi realmente um pintor solitário. Sua vida foi de muita tristeza. Até para fazer a sua arte teve que passar por grandes dificuldades. Sua obra é mesmo maravilhosa, cheia de sensibilidade.

      Abraços,

      Lu

      Responder
  2. Hernando Martins

    Lu

    A obra “A noite estrelada” de Van Gogh é uma das mais importantes da sua vida artística. Ele foi um pós-impressionista e pioneiro da arte moderna. Essa obra foi esboçada num quarto de um hospício, pois o artista tinha problemas depressivos e surtos psicóticos. É uma materialização dos sentimentos mais profundos de uma mente genial, talvez isso possa ter levado o pintor à loucura, excesso de sentimentos emotivos aflorados. Suas pinceladas são fortes. As nuvens circulares em sentido horário dão a impressão de movimento e profundidade. O cipreste é um elemento usado em suas obras. Simbolicamente era utilizado nos caixões romanos e sarcófagos egípcios, simbolizando o fim da vida. A vila vista na obra não fazia parte do cenário real da vista da janela, ele a acrescentou, provavelmente como lembrança da sua infância numa vila holandesa. As estrelas grandes no céu, antes do crepúsculo, são um elemento mais abstrato e há certa desproporção no seu tamanho, como forma de reflexão da relação da terra com o céu. É uma obra brilhante,digna de um gênio que foi mal entendido em sua época.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Hernando

      É impressionante a qualidade de seus comentários, após nos aprofundarmos no estudo da HISTÓRIA DA ARTE, o que me deixa imensamente feliz. Você tem sido um aluno genial, muito comprometido com as aulas. Parabéns pela profundidade do comentário.

      Abraços,

      Lu

      Responder
      1. Hernando Martins

        Lu

        Obrigado pela parte que me toca! O seu curso está sendo muito importante no sentido de proporcionar conhecimentos fantásticos sobre a História da Arte.

        Responder
        1. LuDiasBH Autor do post

          Hernando

          Os elogios são mais do que merecidos. É um prazer tê-lo como participante do curso.

          Abraços,

          Lu

  3. Adevaldo R. de Souza

    Lu

    Obrigado por descrever com notoriedade esta esplêndida obra de Van Gogh com sua sensibilidade de expressar o cotidiano de sua vida. Parece que o sanatório – onde hoje possui uma ala com seu nome – deu-lhe novas energias, mostradas na força do vento e sobre as nuvens nesta obra, usando graduações precisas de luminescência com cores claras, diferente das obras mostradas anteriormente no curso. Destaco na obra: agitação das estrelas com intensos redemoinhos de luminosidade; lua que propaga por toda a tela, dando uma sensação de derretimento; espirais de luz como uma enorme onda, dando uma sensação de vertigem; agrupamento de casas de forma tímida, pressionado pela força cósmica; vale com reflexos dourados; cipreste flamejante quase com labaredas lambendo a noite.

    Responder
    1. LuDiasBH Autor do post

      Adevaldo

      “Noite Estrelada” é sem dúvida uma das mais belas obras da história da arte, conhecida em todo o mundo, enfeitando muitos escritórios e casas. Van Gogh passa para a tela tudo aquilo que ia por sua mente conturbada, mas capaz de gerar criações maravilhosas, tamanha era a sensibilidade que detinha. A sua descrição está perfeita. Noto que cada vez mais se insere no mundo da arte, botando a sua sensibilidade para fora.

      Abraços,

      Lu

      Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.