OS DITOS POPULARES E OS ANIMAIS

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Lu Dias Carvalho

Nos últimos anos tem sido cada vez mais forte a crítica no que diz a certos provérbios e ditos populares que batem de frente com os direitos dos animais, assim como canções infantis como “Atirei o pau no gato”. São menções negativas aos bichos que devem ser banidas do nosso dia a dia. A crueldade para com os nossos irmãos de planeta ganha, cada vez mais, um maior número de críticos e defensores em todo o mundo. Entre esses se encontram pessoas das mais variadas profissões, diferentes idades, níveis sociais e nacionalidades. Escolas em todo o mundo vêm recebendo abaixo-assinados de crianças e jovens – sempre mais sensíveis ao sofrimento dos bichos – direcionados às autoridades responsáveis, criticando o padecimento causado aos animais e pedindo a mudança nos termos ofensivos a eles que, muitas vezes, estimulam a crueldade. Pedem para que outros provérbios, que possuem o mesmo sentido e que não incitam a crueldade para com os bichos, sejam usados.

Como exemplo de provérbios populares negativos podem ser citados: Matar dois coelhos de uma cajadada só. Pegar um touro pelos cornos. Quem não tem cão, caça com gato. Mais vale um pássaro na mão do que dois voando. Matar dois pássaros com uma pedrada só. A cavalo dado não se olha os dentes. Macaco que pula muito quer chumbo. Burro velho só morre em pasto de gente besta. Urubu quando está caipora, o de baixo caga no de cima. Em festa de nhambu, jacu não pia. Gato escaldado tem medo de água fria. Boi atolado, pau nele. Chutar cachorro morto. Depois da onça morta, até cachorro mija nela. Quem se mistura aos porcos, farelos come… E por aí vai.

A plataforma internacional PETA (People For Ethical Treatment of Animals) que luta pelos direitos animais e combate quaisquer práticas abusivas de exploração e maus tratos, defende que as palavras possuem um grande peso no cotidiano de todos nós e que, à medida que a nossa compreensão evolui, a nossa linguagem precisa evoluir com ela. Baseando-se neste princípio, os ativistas dos direitos animais em todo o mundo estão trabalhando para eliminar as alusões nos provérbios e ditos populares que incentivem os maus tratos aos animais. Segundo os defensores de tais mudanças, um em cada quatro provérbios referentes a animais, por exemplo, contém a palavra “burro”. E esse é o animal mais trabalhador e que vem ajudando a humanidade desde os seus primórdios. Infelizmente é o mais desmoralizado em meio aos homens.

Senhor de suas próprias escolhas e com poder de decisão sobre as demais espécies, o homem deveria agir segundo princípios éticos e morais no que concerne ao trato com os bichos, sejam eles domésticos ou selvagens, ou quando a eles se referir. A sua dívida é impagável em razão dos inúmeros benefícios que os animais vêm prestando a ele desde o surgimento da humanidade. Sem os bichos seria inviável a existência humana na Terra.

Convido todos os leitores deste espaço para que, juntos, nós nos unamos aos objetivos dessa plataforma, pelo menos evitando provérbios que incitem a crueldade contra os animais. Eduquem suas crianças a este respeito. Trata-se de um pequeno passo para cada um de nós, mas de uma grande “pegada” para todos os animais da nossa Terra. Repassem este texto para outras pessoas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.