Zurbarán – NATUREZA-MORTA COM LARANJAS…

Siga-nos nas Redes Socias:
FACEBOOK
Instagram

Autoria de Lu Dias Carvalho

Limões, laranjas, taça e uma rosa mostram um campo visual tão purificado e tão perfeitamente composto que os objetos familiares parecem à beira da transfiguração ou (a palavra inevitável) transubstanciação. Permanecendo em alguma interseção iminente com o divino, e com a eternidade, eles exatamente quebram com o normalmente humano.(Norman Bryson)

O pintor barroco espanhol Francisco de Zurbarán (1598-1664) foi aluno de Pedro Diaz de Villanueva em Sevilha. Ele fez inúmeras obras para o Convento de Sevilha. Sua fama levou-o a receber o título de pintor honorário dessa cidade. Trabalhou para a corte de Madri, no governo de Filipe IV. É tido como um dos mais importantes pintores espanhóis do século XVII, ao lado de Velázquez, Ribera e Murillo. Ele se tornou conhecido sobretudo por suas obras religiosas que descrevem monges e mártires, e também pelas suas maravilhosas naturezas-mortas. A maioria de suas pinturas era destinada às ordens religiosas espanholas.

A composição denominada Natureza-morta com Laranjas, Limões e uma Rosa é uma obra-prima do gênero, criada pelo artista – única com data e assinatura –, pintada num estilo austero, seguindo o estilo do tenebrismo*. Trata-se de uma obra composta por quatro limões arranjados numa bandeja de prata, várias laranjas num cesto de palha – ainda com folhas e flores – e um prato de prata com uma xícara com água, enfeitado com uma rosa. Os objetos estão em fila sobre uma mesa de madeira, formando um equilíbrio espacial e geométrico, numa organização piramidal, destacando-se sobre um fundo escuro, seguindo a técnica do tenebrismo*, dentro da tradição das naturezas-mortas espanholas.

Muitos dos trabalhos de Zurbarán – artista responsável por inúmeras obras religiosas – carregavam temas cristãos, sendo que os objetos na pintura são muitas vezes interpretados como dotados de um significado simbólico, como alusão à Santíssima Trindade ou à Virgem Maria. Sobre esta pintura Morten Lauridsen escreveu:

“[…] os objetos desta obra são ofertas simbólicas para a Virgem Maria. Seu amor, pureza e castidade são significados pela rosa e pelo cálice de água. Os limões são uma fruta da Páscoa que junto com as laranjas com flores indica vida renovada A mesa é um altar simbólico.”.

* O termo “tenebrismo” vem do italiano “tenebroso” (sombrio, misterioso, dramático). Trata-se de um estilo de pintura usando claro-escuro profundamente forte, com densos contrastes de luz e escuridão. Tem por objetivo adicionar drama a uma imagem, usando um efeito de holofote.  Esta técnica era muito usada na pintura barroca. Não confundir com o “chiaroscuro” que é um termo com maior amplitude, abrangendo também o uso de contrastes de luz menos intensos com a finalidade de aumentar a tridimensionalidade.

Ficha técnica
Ano: c. 1633
Técnica: óleo sobre tela
Dimensões: 60 x 107 cm
Localização: Museu de Arte Norton Simon, Califórnia, EUA

Fontes de pesquisa
Pintura na Espanha/ Cosac e Naify Edições
1000 obras-primas da pintura espanhola/ Könemann
https://en.m.wikipedia.org/wiki/Still_Life_with_Lemons,_Oranges_and_a_Rose

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.